CP of Brazil, Boletim i21 / 01 a 10 de fevereiro-2021 – Análises e informações sobre a conjuntura internacional

2/18/21 9:19 AM
  • Brazil, Communist Party of Brazil Pt South America Communist and workers' parties

17/02/2021

AMÉRICA LATINA E CARIBE

 

Equador: Revolução cidadã vence o primeiro turno e direita luta pela segunda vaga (link)

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral do Equador (CNE), às 15h21m do dia 8/02, processadas 97,89% das atas (mas computados 84,22% dos votos, por conta de 13,67% de atas com inconsistências) o candidato da União Pela Esperança (Revolução Cidadã), Andrés Arauz, garantiu o primeiro lugar com 32,14% dos votos.

 

Assine o Boletim i21

A cada dez dias, análises e notícias da conjuntura internacional pela ótica dos comunistas e forças progressistas.

 

Equador: Composição da nova Assembleia Nacional

No Equador, enquanto se aguarda a definição do candidato que disputará o segundo turno das eleições presidenciais com Andrés Arauz, ao menos já se conhece a nova configuração da Assembleia Nacional após a votação do dia 7/02. Os novos parlamentares tomam posse em 14 de maio. De acordo com a nova composição, nenhum bloco obteve maioria absoluta na casa (70 votos). São cinco os blocos legislativos que vão compor a Assembleia sendo que os correístas da UNES ficaram com a maioria, seguidos dos Pachakutik, da Esquerda Democrática (ID), do Partido Social Cristão e do movimento Creo. A nova composição reflete justamente as maiores votações para presidente, com Andrés Arauz (UNES) na liderança com 31%, seguido de Yaku Pérez (Pachakutik) e Guilherme Lasso (PSC/CREO) disputando a segunda vaga com 19% cada e Xavier Hervas (ID) que obteve 15%. Chama bastante atenção que o partido Movimento Alianza País, que foi o partido pelo qual Rafael Correa se elegeu e com o qual governou e mais tarde foi tomado por Lenin Moreno, não elegeu representantes. No dia 9/02 aconteceram reuniões em separado entre os três candidatos melhor colocados nas presidenciais, Arauz, Pérez e Lasso, com a Missão de Observação Eleitoral da OEA e o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do país. Muitas atas eleitorais serão revisadas com a alegação de inúmeras falhas, o que faz com que haja uma elevada tensão na contagem de votos em um processo eleitoral marcado desde o início por uma série de incidentes, desde o registro das candidaturas até impressão errada de cédulas. Ana Prestes, em Notas Internacionais.

 

Frente Ampla do Uruguai: 50 anos de uma construção criativa e renovadora (link)

No dia 05 de fevereiro completou-se 50 anos de Fundação da Frente Ampla do Uruguai. Em seu comentário semanal sobre geopolítica, Walter Sorrentino, Secretário de Relações Internacionais do PCdoB, fala sobre o significado desta experiência, que “conjuga dialeticamente a unidade em torno da ação política e a diversidade de pensamentos progressistas e de esquerda”.

 

A batalha eleitoral no Equador será dura no segundo turno (link)

Uma campanha exaustiva marcará o segundo turno da eleição presidencial do país sul-americano. Artigo de Atilio Boron.

 

El Salvador também tem presidente insano

Em El Salvador, segue a pressão sobre o presidente Nayib Bukele. No dia 9 de fevereiro completou-se um ano que o presidente colocou as forças armadas dentro do Congresso para pressionar parlamentares a votarem a aprovação de um empréstimo tomado do Banco Centroamericano de Integração Econômica, de 109 milhões de dólares. Para marcar a data foi realizada uma sessão especial do Congresso e parlamentares tanto do partido oposicionista de esquerda FMLN – Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (que governava o país até a eleição de Bukele) como da direita, o Arena, apresentaram requerimento para ativar o artigo 131 da Constituição do país para declarar o presidente incapaz de seguir na direção do país por incapacidade mental. A incapacidade física ou mental do presidente, munida de relatório médico, pode ser declarada aprovada somente com o voto de dois terços dos parlamentares. El Salvador está em plena véspera de eleições parlamentares e municipais (28 de fevereiro). A atual Assembleia será renovada. As últimas semanas foram de tensão e assassinatos de dirigentes da FMLN. Em um ato de desespero, Bukele viajou a Washington e, sem avisar previamente à Casa Branca que estaria nos EUA, pediu reunião com Biden que se recusou a recebê-lo. Ana Prestes, em Notas Internacionais.

 

Presidente do Haiti viola Constituição, prende sucessores e se mantém no poder (link)

O Haiti vive dias decisivos. O mandato constitucional do presidente Jovenel Moïse terminou no dia 7/02, no entanto, o mandatário não dá sinais de que irá deixar o poder.

 

GEOPOLÍTICA

 

OMS descarta que o SARS-CoV-2 tenha vindo de laboratório chinês

A missão da OMS, que está na China para investigar as origens do novo coronavírus, que causa a Covid19, anunciou no dia 09/02 que descarta a hipótese de que o vírus tenha vindo de um laboratório chinês. Segundo o chefe da missão, Peter Ben Embarek, em entrevista coletiva à imprensa, o trabalho da equipe investigativa aponta que o vírus tenha passado de morcegos para outros animais e destes para humanos, em uma cadeia que ainda não está desvendada. Há inclusive a possibilidade do vírus ter chegado na China por meio de comida congelada, de outros países. Ana Prestes, em Notas Internacionais.

 

União Europeia dificulta exportação de vacinas contra a Covid-19

A União Europeia estabeleceu um mecanismo “temporário de transparência e autorização de exportação” para o caso específico das vacinas contra o novo coronavírus. Isso quer dizer que as empresas europeias que quiserem exportar vacinas para países que estão fora do bloco terão que ser autorizadas pelo bloco para fazê-lo. A regra deve durar até o dia 31 de março de 2021. A medida foi criticada pela OMS. “É muito preocupante quando um país ou bloco começa a restringir a movimentação de bens de uso público” declarou a vice-diretora da OMS, Mariângela Simão. Ana Prestes, em Notas Internacionais.

 

Biden e a Amazônia

A floresta amazônica tem sido tema presente nos primeiros dias do governo Biden. Uma coalizão de ex-secretários e negociadores sobre questões do clima e do meio ambiente dos governos anteriores assinaram uma carta no final de janeiro, tendo como destinatários Biden e Harris, em que pedem a criação de um fundo de 20 bilhões de dólares para políticas direcionadas à Amazônia. Também pedem “consequências econômicas significativas” para quem destruir a floresta. Falam ainda em um “Plano de Proteção da Amazônia” em que os acordos comerciais são peças-chave, com proibição de importação de madeira de origem ilegal, embora gado, soja e commodities ainda possam vir de áreas desmatadas (diferente da Europa que quer banir a “importação de desmatamento”). O que mais se lê em matérias sobre o tema é: “garantias ambientais” para acordos comerciais efetivos. Ana Prestes, em Notas Internacionais.

 

A China liderando a nova corrida espacial à Marte (link)

Como Marte se tornou o prêmio para a nova corrida espacial e por que a China está decidida a vencê-la. Artigo de Steffi Paladini.

 

A Otan da Ásia

O novo premiê japonês, Yoshihide Suga, defendeu no Fórum Econômico de Davos o estreitamento da aliança com EUA, Índia e Austrália como barreira de contenção da China. A aliança conhecida como Quad (quadrilátero) é antiga e foi reativada por Trump em 2017. Os chineses já chegaram a chamar o Quad de “versão asiática da Otan”. O grupo é baseado na ideia da preservação da liberdade nos oceanos Índico e Pacífico e tem alvo certo nos conflitos no Mar do Sul da China. Ana Prestes, em Notas Internacionais.

 

ÁSIA

 

Partido Comunista do Vietnã anuncia resultados do 13° Congresso (link)

O Partido Comunista do Vietnã (PCV) divulgou, no dia 4/02, um texto intitulado “Breve Resultado do XIII Congresso Nacional”. Nele, se anunciam as três metas principais, definidas pelo Congresso, para o desenvolvimento do Vietnã até 2045.

 

A China e o meio ambiente: preconceitos e fatos (link)

Contemporaneamente, o debate sobre as questões ambientais, acordos multilaterais e políticas públicas nacionais é marcado por uma série de incongruências, fruto da desinformação e ativismo voluntarista de grupos engajados nessas causas supostamente universais. No mais das vezes incorrem, conscientemente ou não, no viés da confirmação, ou seja, na busca seletiva de informações para corroborar premissas previamente selecionadas. Artigo de Diego Pautasso.

 

Golpe em Mianmar

Em Mianmar, antiga Birmânia, seguem os protestos contra o golpe militar que retirou do poder Suu Kyi do poder. Ela havia vencido as eleições em novembro de 2020 e tomaria posse em 1º de fevereiro. O dia 10/02 marcou o quinto dia consecutivo de protestos nas ruas e repressão violenta. Até a sede do partido de Suu Kyi foi atacada pelo exército. Estão proibidas no país reuniões com mais de cinco pessoas e várias cidades estão com toque de recolher. Outro dia falei aqui nas Notas, mas só para recordar a informação: Suu Kyi é filha de um herói da independência do país, o general Aung San. Nos anos 80 ela liderou campanhas pelos direitos civis no país, inspirada em Martin Luther King e Mahatma Gandhi. Passou anos presa o final dos 80 e parte dos anos 90 e em 2015 com a vitória eleitoral de seu partido se tornou a figura mais proeminente do país. Ela nunca chegou ao cargo de Presidente, pois a Constituição a impede, por ter filhos estrangeiros, mas foi 1a Conselheira, equivalente a primeira-ministra. Nos últimos anos, o país esteve nas manchetes internacionais pelo êxodo do povo Rohingya (minoria étnica muçulmana), com denúncias de extermínio. Há rivalidade entre a maioria budista e minoria muçulmana no país. Suu Kyi foi acusada internacionalmente de não intervir em defesa do povo Rohingya, embora internamente sua postura omissa a levou a uma vitória significativa nas eleições de 2020. Ana Prestes, em Notas Internacionais.

 

ÁFRICA

 

Os herdeiros do Apartheid (link)

Quase 30 anos depois do fim do regime de Apartheid na África do Sul, organizações racistas buscam o retrocesso no país e existe até uma cidade onde residem apenas brancos. Artigo de Rodrigo Barradas.

 

SOLIDARIEDADE INTERNACIONAL

 

Fepal lança campanha: “Sionismo é racismo, Israel é apartheid” (link)

A Federação Árabe Palestina do Brasil (Fepal), lançou, no dia 08/02, a campanha contra o “Apartheid Israelense” que denuncia “a ideologia supremacista (que) age para restringir os direitos de pelo menos 7 milhões de palestinos que vivem entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo”.