Portuguese CP, Communiqué of the Central Committee of the PCP of May 16, 2020

5/20/20 12:01 PM
  • Portugal, Portuguese Communist Party En Pt Europe Communist and workers' parties

 

May 16, 2020

The Central Committee of the PCP, meeting on May 16, 2020, discussed and analysed the fundamental features, developments and dangers of the current situation in the context of the epidemic outbreak and set down guidelines for the intervention and strengthening of the Party and the struggle for the patriotic and left-wing alternative.

 

I - Capitalism displays its nature

The COVID-19 epidemic brought further to the fore the glaring inequalities and injustices on a worldwide scale, the consequences of privatisation, the dismantling or absence of public healthcare services in several capitalist countries, contrary to the sanitary response and criteria for valuing human life, based on its intrinsic value. The exploitative, oppressive, predatory and aggressive nature of capitalism and its deeply inhuman character was displayed in a brutal way.

The current pandemic has hastened and worsened a new economic crisis, already latent and under way - in the broader context of the structural crisis of capitalism -, giving it a wider and deeper dimension and increasing instability and uncertainty in the international situation.

Big capital is using the current situation to impose an even greater and faster concentration and centralisation of capital, at the cost of an increasingly violent exploitation and increased attacks on the rights, freedoms, democracy, sovereignty and independence of the States, while at the same time, in an ideological manoeuvre, it points out the "excesses of capitalism" and the "exaggerations of globalisation", thus seeking to evade its great responsibility for the serious problems and scourges that affect Humanity.

In the face of the onset of the crisis and the increase of contradictions, US imperialism, with its allies, dangerously increases its aggressive policy, aiming to safeguard its hegemonic dominance, contain the peoples' struggle, and counter positive trends that have been appearing in the complex process of rearrangement of forces at the international level.

The fact that the US, with the passive or active support of its allies, not only continues, but even intensifies, its criminal sanctions and economic blockades, creating difficulties or preventing measures to save lives and guarantee the health of millions of human beings, as well as interference and aggression against countries such as Syria, Iran, Yemen, Venezuela or Cuba, deserves the strongest repudiation and condemnation.

The campaign of hostility, confrontation, blackmail and economic war carried out by the US against China is particularly significant and serious, particularly exacerbated under the pretext of the COVID-19 epidemic, based on the fabrication and falsification of facts, with the aim not only of attacking that country, but also to conceal the shortcomings and lack of responses to the disease and the deterioration of the already difficult economic and social situation in the US.
There is a striking contrast between the attitude of the US and the great powers of the European Union, immersed in an "every man for himself" attitude, and the action of China, Cuba and other countries, whose attitude was guided by prompt cooperation and solidarity with dozens of countries affected by the COVID-19 outbreak.

The offensive of imperialism, if not contained, will lead to an even greater worsening of social inequalities, to the deepening of dependency and economic and political dominance and to the total subversion of important principles that govern international relations, set down in the United Nations Charter and International Law.

The situation created with the epidemic outbreak not only does not change the major trends that have characterised the evolution of the international situation, but it intensifies the class struggle. The economic and social impacts resulting from the epidemic will be more or less lasting, more or less serious, as long as the policies that are adopted are determined by the interests of big capital and imperialist powers or by the defence and implementation of the rights and aspirations of the workers and peoples.

When the 75th. Anniversary of the Victory over Nazi-Fascism is being celebrated, the operations of falsifying History, the promotion of reactionary, anti-communist and anti-democratic conceptions, which whitewash and rehabilitate fascism and seek to criminalise those who fought it, are particularly serious.

The PCP expresses its solidarity with the resistance and struggle of the workers and peoples who face the brutal exploitative and aggressive attack by imperialism all over the world. Resistance and struggle that continues, developing under the most diverse conditions, adopting different forms and pointing out different immediate goals, opening real possibilities for democratic, progressive and revolutionary advances.

The gravity and exceptional character of the current international situation demonstrates the enormous importance of deepening convergence in the action of democratic, progressive and revolutionary forces, strengthening and broadening the anti-imperialist front, to stop the violent attack by imperialism and pave the way for the construction of a new international order, of peace, sovereignty and social progress.

The international communist and revolutionary movement is faced with more and extraordinary demands, with a view to increasing resolute action, unity and cooperation so as to strengthen the struggle in defence of workers' rights, in defence of freedom and democracy, in defence of the sovereignty of peoples and the independence of States, in defence of peace and disarmament, and for the advancement of social change and the revolutionary overcoming of capitalism by socialism.

 

II - The European Union, an instrument at the service of the great powers and economic groups

Immersed in the crisis, and given the diverse consequences of the epidemic outbreak in each of the countries, the European Union reveals its class nature. Its attitude is guided by the absence of appropriate solutions to the dimension of the problems, prevailing, as always, the imposition of the determinations of the main powers and the interests of the large economic and financial groups, instead of the response and cooperation that was required.

Failing to meet the immediate funding needs to respond to the social situation and the relaunching of economic activity, the EU pushes countries that have seen their economy severely weakened - as a result of decades of the Euro, the Single Market and Common Policies - into a debt spiral, associated with the imposition of policies that attack rights, deteriorate living conditions, despise sovereignty.

In addition to temporarily keeping on hold some of the instruments of its neoliberal policy - such as the criteria of the Stability Pact or the conditioning of State aid - the measures announced not only do not guarantee the rights of the workers and peoples and the response to problems faced by countries like Portugal, but will continue to heighten social inequalities, asymmetries and relations of dependency between countries.

Concealing the unequal conditions of each country to respond to the impact of the outbreak on its economic and social situation, everything indicates that the announced recovery plan whatever form it takes, in its amounts and priorities, will correspond, in essence, to the interests of the great powers of the EU and big transnational capital, representing a subordination of the policies, instruments and financial means that would be necessary to ensure an effective convergence in economic and social progress.

Reality proves the need to reinforce and to converge the fight against the neoliberal, militaristic and federalist European Union, and for a Europe of cooperation between sovereign states equal in rights, of social progress and peace, for a Europe of workers and peoples.

 

III - The national situation in the context of the epidemic outbreak: developing the struggle, affirming the alternative

At the national level, the impact of the epidemic on economic and social life is undeniable. In addition to the necessary response, both in terms of public health prevention and in the medical field, there are added demands to face its consequences in terms of economic activity, drop in production and the social problems associated with them, swelled by the use of large capital, under the pretext of the epidemic, to increase exploitation, liquidate rights, ensure profits, concentrate and centralise capital. Without prejudice to the indispensable short-term responses that the gravity of the situation requires, the economic recovery and the guarantee of wages, pensions and other income of workers, as well as of small farmers and fishermen, micro and small entrepreneurs and other strata, there is a need of solutions that only a policy, freed from submission to the impositions of the European Union and the Euro and from commitments to monopoly capital, can guarantee.

In this context, the importance of an alternative, patriotic and left-wing policy, which includes economic development, social progress and the affirmation of national sovereignty as essential conditions and objectives for the future of Portugal, emerges with special acuity.

The impacts of the epidemic outbreak are compounded by structural problems and deficits accumulated by decades of right-wing policies carried out by successive PS, PSD and CDS governments, which privatised companies and strategic sectors, destroyed and degraded a large part of the national productive capacity, drastically reduced public investment, weakened essential public services, imposed low wages and job precariousness, promoted the exploitation of workers and increased external dependency.

Without underestimating the complexities that the current public health situation brings, the fact is that the government's response is marked by submission to the impositions of the European Union, by criteria and options of a right-wing policy.

The socio-economic reality of the country evidenced in the thousands of dismissals, with about a million workers with cuts in wages, in the loss of the livelihood of thousands of workers, many of them self-employed or in an informal situation, in the arbitrariness of working hours and conditions, in the liquidation of the activity of thousands of micro, small and medium-sized enterprises (MSMEs) and the ruin of small producers, in the conditioning of the productive activity and the flow of production, demands an answer that is not found in the government's options.

The Central Committee of the PCP draws attention to the deterioration of the economic and social situation, especially given the insistence on options and measures limited in their effects, when not contrary to the interests of the country. The contraction of foreign markets, the reduction of the domestic market, as a result of the fall in wages and income of a large part of the population, the yet undetermined destruction of an important part of the national productive fabric, associated with the limitations imposed by the European Union and assumed by the government, converge into a scenario of significant drop in GDP (whose size cannot yet be foreseen), into a significant worsening of the public debt, a deterioration of the social situation with the increase of poverty, a deepening of the country's external dependence.

Given the scale of the problems, it is not possible to respond to economic development without answering the fundamental questions that arise, namely: the risks of mass bankruptcy of tens of thousands of companies and the collapse of economic sectors and tiers; the significant drop in the purchasing power of the population and its social and economic impacts; the increase in prices of basic necessities; the problems and limitations in public services that hamper the response that would now be needed; the processes of even greater concentration and centralisation of capital, contrary to national interests. The main and most important condition for economic recovery is the defence of the economic fabric and the guarantee of the valorisation of wages, pensions and income of the workers and people.

The Central Committee of the PCP draws attention to the fact that the insistence on the options that have marked the right-wing policy, which is part of the purpose of returning to the policy of worsening exploitation and impoverishment that characterised the period of the SGPs and the Pact of Aggression of the troika, will make it difficult to combat the epidemic outbreak and worsen its economic, social and political consequences.

The transfer of public resources to monopoly capital is an expression of the prevailing class options. An example of this is the scandalous handing of over 850 million euros to Novo Banco and the speculative fund that owns it; syphoning of funds under the lay-off system for multinational economic groups (which have no qualms about using them for gathering assets or distribution of dividends among shareholders); exemption from payments by companies to Social Security affecting its financing; maintaining prerogatives for PPP holders. This appropriation of public resources is all the more unacceptable since it lives side by side with the dramatic situation of hundreds of thousands of workers, namely with precarious ties, or independent workers who issue “green” receipts, without a contractual relationship, and of micro and small entrepreneurs who find themselves totally or partially deprived, of their wages and income.

The Central Committee of the PCP salutes all workers who have assumed, even in situations of risk, the fight against the epidemic and the functioning of fundamental sectors for the country, confirming that the valorisation of work and workers is justified and necessary.

The Central Committee of the PCP also stresses important lessons that can be learned from the current situation and that cannot be ignored in the future: the importance of the role of workers and the centrality of work in society; the role of public services and, in particular, the National Health Service as the only instrument capable of safeguarding the right to healthcare; the contradiction of those who promote the weakening of public services and structures of the State and now demand and support themselves on these same structures and on public funds; the enhancement of the domestic market as an engine of economic development and growth; the importance of national production and the need for the country not to dispense with the objective of ensuring its food sovereignty or the production of medicines; the wrong options that make budgetary policy subject to EU impositions; the need for public control of strategic companies and sectors, such as TAP, which would be now destroyed if it depended on private groups; the need to have a public response, both for children and for the older population, not left dependent on other types of welfare or private structures; the problems that result from the absence of monetary and budgetary sovereignty, with the country being pushed again towards the blackmail of financial markets and the impositions and constraints of the EU.

In view of a political framework marked by the options of the PS government, contrary to national interests, as well as the harnessing by PSD, CDS and their most reactionary substitutes, Chega and Iniciativa Liberal to whitewash their position and boost anti-democratic values and conceptions, intensified the ideological offensive directed against the workers and the Portuguese people, aiming at their acceptance, in the present and for the future, of new and fiercer levels of exploitation, intending to oppose the "defence of the economy" against the rights of those who work, or the "defence of health" against the right to freedom.

The State of Emergency, imposed and extended through the initiative of the President of the Republic and with the support of PS, PSD, CDS, BE, PAN and Chega, being unnecessary and disproportionate in the fight of public health against the epidemic, proved to be a useful instrument for the capital.

Taking advantage of a very special situation - with millions of Portuguese in a situation of lockdown, exposed to a systematic barrage of messages, values and concepts, namely through the mainstream media (and with same level of expression in the so-called social networks), disseminating fear and alarmism, promoting individualism, resignation and conformism, whistle blowing , the criminalisation of the struggle and the segregation of strata of the population - the reactionary centres of big capital seek, using the situation created with the epidemic outbreak, to give new and significant steps in the attack on the democratic regime and the Constitution of the Republic.

The Central Committee of the PCP draws attention to those who, under the pretext of the epidemic outbreak and the great changes that the preventive measures have introduced in the daily lives of millions of Portuguese, seek to impose new levels of attack on workers' rights, the dilapidation of public resources through the hands of economic groups, of new limitations on democratic rights and freedoms, perverse changes in behaviours and social habits, advent of fascistic practices and concepts that, moreover, were promoted and whitewashed during this period.

The Central Committee of the PCP also stresses the manoeuvres and positions that are under way, contrary to the implementation of the policy that the country needs, and which aim to ensure the deepening of the right-wing policy and submission to the Euro and the impositions of the European Union. Manoeuvres which include the convergence between PS, PSD, CDS in structural matters and options, the role and intervention of the President of the Republic in promoting that same convergence, the whitewashing of right-wing politics and its players and the promotion of reactionary forces and values, the inclusion of media groups in these objectives and their dissemination. The articulated intervention of the circles of power of big capital in this direction, particularly targeting the PCP - the most decisive obstacle to their reactionary projects - and CGTP-IN, the great class-oriented trade union central of the workers, seeks to liquidate fundamental rights, freedoms and guarantees.

The Central Committee of the PCP registers and denounces the nature and intensity of the reactionary offensive against the Party, which, as history shows, is only the most visible face of a broader offensive. Resorting to the exacerbation of anti-communist prejudice, hate speech and spread of lies, articulated with the silencing of its initiative, the distortion of its message and the promotion of others, this offensive confirms that it is in the PCP that the decision centres of monopoly capital see the main and most coherent force of resistance to the anti-democratic projects that they are developing.

The offensive unleashed, reflecting the reluctance of some against the 25th. of April, namely against the holding of the Solemn Session that took place in the Assembly of the Republic, and the campaign conducted against the May Day actions called by CGTP-IN, besides the undisguised class hatred that went with it, seeks to instil a climate of fear and limitation of fundamental freedoms that favours the intensification of violations against workers, their wages and rights, and of course the right to work.

The Central Committee of the PCP stresses the importance of resistance and the struggle of the workers and populations, of the celebrations of the 25th. of April, namely the Solemn Session in the Assembly of the Republic, popular celebrations, with wide expression throughout the country, associated with the appeal to sing «Grândola, Vila Morena» and the National Anthem which had a strong support, and the day of struggle on May Day 2020, called by CGTP-IN, under the special conditions in which it took place, abiding the health protection measures. This day was one of the most significant in recent decades, affirming the collective rights of workers on the streets and making their voices heard, their protest and outrage, the demand to defend healthcare, rights, guarantee jobs, wages and public services against exploitation, for the valorisation of the workers, for a Portugal with a future. The celebrations of the 25th of April and the May Day struggle point the way. Facing and overcoming anti-democratic blackmail, ensuring the necessary health prevention and sanitary protection measures, it is necessary, for the present and for the future, to use the instruments of intervention and struggle that the Constitution of the Portuguese Republic enshrines.

With the National Health Service's irreplaceable role in responding to the epidemic outbreak having been proven and recognized, the economic groups in the disease business and their political representatives undertake a gigantic operation to attack it and jeopardise its future, and under the pretext of the fight by the NHS against the epidemic outbreak, hand new valences, functions and public resources to private groups.

Portugal has to have the SNS strengthened. Not only to meet the necessary response that the moment demands in terms of prevention, mitigation and clinical response to the current epidemic outbreak, but also and above all, to fully correspond to guaranteeing the Portuguese people's right to healthcare in all other fields and dimensions. It is for this purpose that the PCP tabled an emergency plan to bolster the investment in the NHS, the number of its professionals and technical resources.

The Central Committee of the PCP alerts the Portuguese workers and people, democrats and patriots to the dangers that arise from reactionary projects and their anti-democratic agenda. Projects for which the worsening of the social and economic situation, resulting from the current epidemic and its reactionary instrumentalization, leave an open ground and whose materialisation will be as greater as the government's lack of a determined response to exploitation, impoverishment, inequalities and injustices. The situation in the country demands, along with the denunciation of the PS government's options, a determined intervention to combat the whitewashing of the PSD, CDS and their substitute parties, to confront and combat the projects and objectives of the reactionary forces.

The Central Committee of the PCP calls for the struggle for an alternative policy that effectively responds to the interests of the vast majority of the population. This is the main demand placed on workers, anti-monopoly strata, youth, pensioners, women, all democrats and patriots who aspire to a better life.

In order to combat the impacts of the epidemic outbreak and guarantee the country's future, Portugal needs an alternative, patriotic and left-wing policy that ensures employment, defends wages and the rights of the workers and people, strengthens public services, promotes national production and ensures investment, needed for a path of sovereign development.

A struggle, an alternative and a path that entails: the country's liberation from submission to the Euro in conjunction with the renegotiation of the public debt; the valorisation of work and workers; the defence and promotion of national production and the productive sectors; public control of banking and the recovery of the basic and strategic sectors of the economy to the public sector; the guarantee of public administration and services to serve the people and the country; a policy of fiscal justice and fight the privileges of big capital; the defence of the democratic regime and compliance with the Constitution of the Portuguese Republic, the enhancement of rights, freedoms and guarantees, the fight against corruption and the implementation of an independent and accessible justice for all. These are core features of an alternative, patriotic and left-wing policy, increasingly urgent and necessary, capable of providing solutions to national problems and responding to the interests of the workers, the people and the country.

 

IV - Ensure the intervention and strengthening of the Party

The Central Committee of the PCP salutes the organisations and militants of the Party and the JCP for their contribution to the initiative and response in a demanding framework, added to the epidemic outbreak with its consequences. In the face of a situation that implied preventive and protective measures, bringing new demands, the Party did not allow itself to be blackmailed or conditioned, took the initiative and action in an emergency context of party action, given the problems created to the workers, the people and the country due to the health situation, due to the preventive measures adopted and the worsening of the exploitation, the attack on labour and social rights and the attempt to limit political rights. The Party is being put to the test once again and fulfils its role, showing that the workers and the people, whatever the conditions, can count on the Portuguese Communist Party.

The Central Committee of the PCP highlights the rally of the 99th anniversary that started the celebrations of the Party's centennial, the stimulating contribution given in the celebrations of the 46th anniversary of the 25th of April and in the materialisation of the important 2020 May Day struggle, the political intervention with workers and populations, institutional action, propaganda work, namely in electronic communications, the role of Avante!, the measures taken to guarantee the functioning of the Party and its strengthening, and the beginning of the preparation of the XXI Congress.

In the scope of the strengthening of the Party, we must highlight the success of the action of 5,000 contacts with the workers, translated into the holding of 5074 contacts, with 1350 new militants, guaranteeing the expansion and strengthening of the organisation in companies and workplaces and new potentialities of its materialisation, and also, in the willingness of many workers to think about joining the Party and to support the party activity.

The Portuguese Communist Party reaffirms in the current situation its commitment to the workers and the people, its initiative for the convergence of democrats and patriots, its intervention for a patriotic and left-wing alternative, based on democracy, sovereignty, development and social progress, with a policy and a government capable of preventing the country's foundering, responding to serious existing problems and guaranteeing solutions for a Portugal with a future.

The current situation requires the affirmation of the objectives and the role of the PCP. Regardless of the necessary preventive and protective measures, this is a time of emergency for the Party's action inherent to its communist identity. A time that requires analysis and monitoring of the situation, the corresponding political initiative, the implementation of the priority guidelines defined for the strengthening of the Party, the adoption of exceptional measures that guarantee party functioning, the preparation of the Avante! Festival in the current circumstances, namely in terms of health protection measures, the implementation of the guidelines defined by the Central Committee in the context of the Party's centennial celebrations and the progress in the preparation of the XXI Congress.

The Central Committee of the PCP, following the celebrations of the 25th of April and the May Day struggle, stresses the need to develop resistance and the workers' struggle, in the fight against exploitation, in defence of their interests and rights, responding to immediate problems, by valuing work and workers, by defending and strengthening public services, by affirming an alternative policy.

The Central Committee of the PCP values ​​the intense and diversified intervention of the last few months, and considers of the utmost importance the boosting of the Party's political initiative and intervention, centred on the problems of workers, of the various social strata and sectors affected in their rights and living conditions, and in the affirmation of the patriotic and left-wing alternative. It points out, among others, the following initiatives: a day of contact and information with workers beginning on May 21, as part of the campaign “Valuing work and workers. No to exploitation!”; a set of actions and contacts aimed at micro, small and medium-sized entrepreneurs and self-employed workers starting in June; an action to defend and valorise the National Health Service, including, on May 28, a day to disseminate the proposed Emergency Programme for the NHS; the development of a set of initiatives under the motto “Not a single right less, confidence and struggle for a better life” that begins with the holding of a rally, on June 7, in Lisbon.

The Central Committee of the PCP, in terms of the functioning and strengthening of the Party, defines as priorities: the implementation of measures related to issues of leadership, cadres and financial sustainability; ensuring the functioning of the Party, regularization of the functioning of the leadership bodies and other bodies; contact with Party members; the monitoring of the situation, the problems of the workers and populations, the development of the struggle and the strengthening of unitary mass organisations and institutional action; the strengthening of the Party's organisation and intervention in companies and workplaces, following the action of 5,000 contacts, with the evaluation and attributing responsibilities for party cells to 100 comrades and the creation of 100 new company, workplace or sector cells by March 2021, associated with other aspects of this priority work; boosting recruitment; dissemination of the Avante!; propaganda work, including through electronic means; the financial independence of the Party with the promotion of the National Funding Campaign “The future has a Party” integrated in the celebrations of the Party's centennial and with the payment/collection of dues, ensuring the updating of dues; evaluating and holding comrades responsible for regular tasks and monitoring them.

The Central Committee underlines the importance of preparing the XXI Congress to be held under the motto “Organise, Struggle, Advance - Democracy and Socialism”, ensuring the debate in the bodies and organisations based on the topics adopted by the Central Committee and the implementation of the programming of the first preparatory phase fostering the maximum contribution from the Party members.

The PCP, with its history, its action, its ideal and project, proves, as life is once again demonstrating, as a necessary, indispensable and irreplaceable Party. The strengthening of the PCP is essential for the workers, the people and the Portuguese homeland, for development, peace, cooperation, the international cause of the emancipation of workers and peoples with Socialism and Communism on the horizon.

 

http://www.pcp.pt/en/communique-central-committee-pcp-may-16-2020


 

Comunicado do Comité Central do PCP de 16 de Maio de 2020

 

16 Maio 2020

O Comité Central do PCP, reunido a 16 de Maio de 2020, debateu e avaliou os traços fundamentais, desenvolvimentos e perigos da actual situação no quadro do surto epidémico e apontou linhas de orientação para a intervenção e o reforço do Partido e da luta pela alternativa patriótica e de esquerda.

 

I - O capitalismo expõe a sua natureza

A epidemia COVID-19 tornou mais visíveis as gritantes desigualdades e injustiças à escala mundial, as consequências da privatização, do desmantelamento ou ausência de serviços públicos de saúde em numerosos países capitalistas, contrárias à resposta sanitária e a critérios de valoração da vida humana, em função do seu valor intrínseco. Ficou exposta de forma brutal a natureza exploradora, opressora, predadora e agressiva do capitalismo e o seu carácter profundamente desumano.

A actual pandemia veio precipitar e agravar uma nova crise económica, já latente e em desenvolvimento – no contexto mais geral da crise estrutural do capitalismo –, dando-lhe uma mais ampla e profunda dimensão e aumentando a instabilidade e a incerteza na situação internacional.

O grande capital está a usar a actual situação para impor uma ainda maior e mais acelerada concentração e centralização de capital, à custa de uma cada vez mais violenta exploração e de acrescidos ataques aos direitos, às liberdades, à democracia, à soberania e independência dos Estados, ao mesmo tempo que, numa manobra ideológica, aponta os «excessos do capitalismo» e os «exageros da globalização», procurando assim iludir as suas profundas responsabilidades pelos graves problemas e flagelos que atingem a Humanidade.

Face ao desencadear da crise e ao aumento das contradições, o imperialismo norte-americano, com os seus aliados, incrementa perigosamente a sua política agressiva, visando salvaguardar o seu domínio hegemónico, conter a luta dos povos, e contrariar tendências positivas que se têm vindo a manifestar no complexo processo de rearrumação de forças no plano internacional.

Merece a mais veemente expressão de repúdio e condenação o facto de os EUA, com o apoio passivo ou activo dos seus aliados, não só prosseguirem, como até intensificarem, as suas criminosas sanções e bloqueios económicos, dificultando ou impedindo a tomada de medidas para salvar vidas e garantir a saúde de milhões de seres humanos, bem como as acções de ingerência e agressão contra países como a Síria, o Irão, o Iémen, a Venezuela ou Cuba.

Assume particular significado e gravidade a campanha de hostilização, confrontação, chantagem e guerra económica desenvolvida pelos EUA contra a China, particularmente exacerbada a pretexto da epidemia COVID-19, com base na invenção e falseamento de factos, com o objectivo não só de atacar este país, como de iludir insuficiências e ausência de respostas à doença e a deterioração da já difícil situação económica e social nos EUA.

É gritante o contraste entre a atitude dos EUA e das grandes potências da União Europeia, mergulhadas no «salve-se quem puder», e a acção da China, de Cuba e de outros países, cuja atitude se pautou pela pronta cooperação e solidariedade com dezenas de países afectados pelo surto de COVID-19.

A ofensiva do imperialismo, a não ser contida, levará a um ainda maior agravamento das desigualdades sociais, ao aprofundamento de relações de dependência e de domínio económico e político e à total subversão de importantes princípios que regem as relações internacionais, inscritos na Carta das Nações Unidas e no direito internacional.

A situação criada com o surto epidémico não só não altera as grandes tendências que têm caracterizado a evolução da situação internacional como intensifica a luta de classes. Os impactos económicos e sociais decorrentes da epidemia serão mais ou menos duradouros, mais ou menos gravosos, quanto as políticas que venham a ser adoptadas sejam determinadas pelos interesses do grande capital e das grandes potências imperialistas ou pela defesa e efectivação dos direitos e anseios dos trabalhadores e dos povos.

Quando se comemora o 75.º Aniversário da Vitória sobre o nazi-fascismo, assumem particular gravidade as operações de falsificação da História, a promoção de concepções reaccionárias, anticomunistas e antidemocráticas, que branqueiam e reabilitam o fascismo e procuram criminalizar os que o combateram e combatem.

O PCP expressa a sua solidariedade para com a resistência e a luta dos trabalhadores e os povos que por todo o mundo enfrentam a brutal ofensiva exploradora e agressiva do imperialismo. Resistência e luta que prossegue, desenvolvendo-se nas mais variadas condições, adoptando diferentes formas e apontando diversificados objectivos imediatos, abrindo reais possibilidades para avanços democráticos, progressistas e revolucionários.

A gravidade e carácter excepcional da actual situação internacional demonstra a enorme importância do aprofundamento da convergência na acção das forças democráticas, progressistas e revolucionárias, fortalecendo e alargando a frente anti-imperialista, que detenha a violenta ofensiva do imperialismo e abra caminho à construção de uma nova ordem internacional, de paz, soberania e progresso social.

Estão colocadas acrescidas e extraordinárias exigências ao movimento comunista e revolucionário internacional, com vista ao incremento de uma resoluta acção, unidade e cooperação com vista ao fortalecimento da luta em defesa dos direitos trabalhadores, em defesa da liberdade e da democracia, em defesa da soberania dos povos e da independência dos Estados, em defesa da paz e do desarmamento, e pelo avanço da transformação social e da superação revolucionária do capitalismo, pelo socialismo.

 

II - A União Europeia, instrumento ao serviço das grandes potências e grupos económicos

Mergulhada na crise, e perante as diferenciadas consequências do surto epidémico em cada um dos países, a União Europeia revela a sua natureza de classe. A sua postura pauta-se pela ausência de soluções adequadas à dimensão dos problemas, prevalecendo, como sempre, a imposição das determinações das principais potências e os interesses dos grandes grupos económicos e financeiros, em vez da resposta e cooperação que se exigiria.

Não respondendo às necessidades imediatas de financiamento para acudir à situação social e ao relançamento da actividade económica, a UE empurra os países que viram a sua economia ser profundamente debilitada – em consequência de décadas de Euro, de Mercado Único e de Políticas Comuns –, para uma espiral de endividamento, associada à imposição de políticas que agridem direitos, deterioram condições de vida, desprezam a soberania.

Para além de colocar, temporariamente, na ‘gaveta’ alguns dos instrumentos da sua política neoliberal – como os critérios do Pacto de Estabilidade ou o condicionamento de ajudas de Estado –, as medidas anunciadas não só não garantem os direitos dos trabalhadores e dos povos e a resposta a problemas com que se confrontam países como Portugal, como continuarão a aprofundar desigualdades sociais, assimetrias e relações de dependência entre países.

Escamoteando as condições desiguais de cada país para responder ao impacto do surto na sua situação económica e social, tudo indica que o anunciado plano de recuperação nas formas que assumirá, nos seus montantes e prioridades, corresponderá, no essencial, aos interesses das grandes potências da UE e do grande capital transnacional, representando uma subalternização das políticas, dos instrumentos e dos meios financeiros que seriam necessários para assegurar uma efectiva convergência no progresso económico e social.

A realidade demonstra a necessidade do reforço e convergência da luta contra a União Europeia neoliberal, militarista e federalista, e por uma Europa de cooperação entre Estados soberanos e iguais em direitos, de progresso social e de paz, por uma Europa dos trabalhadores e dos povos.

 

III - A situação nacional no quadro do surto epidémico: desenvolver a luta, afirmar a alternativa

No plano nacional, é inegável o impacto do surto epidémico na vida económica e social. À resposta necessária, quer no plano da prevenção da saúde pública, quer no plano clínico, somam-se as exigências para enfrentar as suas consequências ao nível da actividade económica, da redução da produção e dos problemas sociais a elas associados, avolumados pelo aproveitamento do grande capital para, a pretexto da epidemia, aumentar a exploração, liquidar direitos, garantir lucros, concentrar e centralizar capital. Sem prejuízo das indispensáveis respostas de curto prazo que a gravidade da situação exige, a recuperação económica e a garantia dos salários, das pensões e de outros rendimentos dos trabalhadores, bem como dos pequenos agricultores e pescadores, dos micro e pequenos empresários e outras camadas, reclamam soluções que só uma política, liberta da submissão às imposições da União Europeia e do Euro e dos compromissos com o capital monopolista, poderá assegurar.

Neste quadro, emerge com particular acuidade a importância de uma política alternativa, patriótica e de esquerda, que inscreva o desenvolvimento económico, o progresso social e a afirmação da soberania nacional como condições e objectivos essenciais ao futuro de Portugal.

Os impactos do surto epidémico somam-se a problemas e défices estruturais acumulados por décadas de política de direita executada por sucessivos governos PS, PSD e CDS, que privatizaram empresas e sectores estratégicos, destruíram e degradaram grande parte da capacidade produtiva nacional, reduziram drasticamente o investimento público, fragilizaram serviços públicos essenciais, impuseram os baixos salários e a precariedade laboral, promoveram a exploração dos trabalhadores e avolumaram a dependência externa.

Sem subestimar complexidades que a actual situação de saúde pública suscita, o facto é que a resposta do Governo é marcada pela submissão às imposições da União Europeia, por critérios e opções da política de direita.

A realidade sócio-económica do País, evidenciada nos milhares de despedimentos, em cerca de um milhão de trabalhadores com cortes no salário, na perda de meios de subsistência de milhares de trabalhadores, muitos deles por conta própria ou em situação informal, na arbitrariedade nos horários e condições de trabalho, na liquidação da actividade de milhares de micro, pequenas e médias empresas (MPME) e ruína de pequenos produtores, no condicionamento da actividade produtiva e do escoamento da produção, exige uma resposta que não se encontra nas opções do Governo.

O Comité Central do PCP chama a atenção para a degradação da situação económica e social, sobretudo perante a insistência em opções e medidas limitadas nos seus efeitos, quando não contrárias aos interesses do País. A contracção dos mercados externos, a redução do mercado interno, fruto da quebra nos salários e rendimentos de grande parte da população, a destruição ainda não estimada de uma parte importante do tecido produtivo nacional, associadas às limitações impostas pela União Europeia e assumidas pelo Governo, convergem para um cenário de quebra significativa do PIB (cuja extensão não pode ser ainda prevista), para o agravamento significativo da dívida pública, para uma degradação da situação social com o aumento da pobreza, para um aprofundamento da dependência externa do País.

Não é possível, perante a dimensão dos problemas, dar resposta ao desenvolvimento económico sem responder a questões de fundo que se colocam, designadamente: os riscos de falência em massa de dezenas de milhares de empresas e de colapso de sectores e fileiras económicas; a redução significativa do poder de compra por parte da população e os seus impactos no plano social e económico; o aumento de preços de bens de primeira necessidade; os problemas e limitações nos serviços públicos que dificultam a resposta que seria agora necessária; os processos de ainda maior concentração e centralização de capital, antagónicos com os interesses nacionais. A principal e mais importante condição para a retoma económica é a da defesa do tecido económico e a garantia da valorização dos salários, pensões e rendimentos dos trabalhadores e do povo.

O Comité Central do PCP chama a atenção para que a insistência nas opções que têm marcado a política de direita, que se insere no propósito de regresso à política de agravamento da exploração e empobrecimento que caracterizou o período dos PEC e do Pacto de Agressão da troika, dificultará o combate ao surto epidémico e agravará as suas consequências económicas, sociais e políticas.

A transferência de recursos públicos para o capital monopolista é expressão das opções de classe prevalecentes. São disso exemplo a escandalosa entrega de mais 850 milhões de euros para o Novo Banco e para o fundo especulativo que o detém; a drenagem de verbas ao abrigo do lay-off para grupos económicos multinacionais (que não se eximem à sua utilização para a aquisição de activos ou distribuição de dividendos pelos seus accionistas); a isenção de pagamentos das empresas à Segurança Social afectando o seu financiamento; a manutenção de prerrogativas para os detentores de PPP. Esta apropriação de recursos públicos é tão mais inaceitável quanto convive com a situação dramática de centenas de milhares de trabalhadores, nomeadamente com vínculos precários, a recibos verdes, sem relação contratual, e de micro e pequenos empresários que se vêm privados, total ou parcialmente, dos seus salários e rendimentos.

O Comité Central do PCP saúda todos os trabalhadores que assumiram, mesmo em situações de risco, o combate à epidemia e o funcionamento de sectores fundamentais para o País, confirmando que a valorização do trabalho e dos trabalhadores é justa e necessária.

O Comité Central do PCP sublinha ainda importantes lições que se retiram da actual situação e que não podem ser ignoradas no futuro: a importância do papel dos trabalhadores e a centralidade do trabalho na sociedade; o papel dos serviços públicos e, em particular, do Serviço Nacional de Saúde como o único instrumento capaz de salvaguardar o direito à saúde; a contradição daqueles que promovem o enfraquecimento dos serviços públicos e estruturas do Estado e agora exigem e se suportam nessas mesmas estruturas e em fundos públicos; a valorização do mercado interno como motor do desenvolvimento e crescimento económico; a importância da produção nacional e a necessidade do País não prescindir do objectivo de assegurar a sua soberania alimentar ou a produção de medicamentos; as opções erradas que constituem a subordinação da política orçamental às imposições da UE; a necessidade de controlo público de empresas e sectores estratégicos, como é o caso da TAP, que estaria destruída neste momento se dependesse dos grupos privados; a necessidade de se ter uma resposta pública, quer para a infância, quer para a população mais idosa, não ficando na dependência de outro tipo de estruturas de carácter assistencialista ou privado; os problemas que resultam da ausência de soberania monetária e orçamental, com o País a ser novamente empurrado para a chantagem dos mercados financeiros e para as imposições e condicionalismos da UE.

Perante um quadro político marcado pelas opções do Governo PS, contrárias aos interesses nacionais, bem como pelo aproveitamento por parte de PSD, CDS e seus sucedâneos mais reaccionários, Chega e Iniciativa Liberal, para branquear o seu posicionamento e projectar valores e concepções antidemocráticas, intensificou-se a ofensiva ideológica dirigida contra os trabalhadores e o Povo português, visando a sua aceitação, no presente e para o futuro, de novos e mais agravados patamares de exploração, pretendendo contrapor a «defesa da economia» aos direitos de quem trabalha, ou a «defesa da saúde» ao próprio direito à liberdade.

O Estado de Emergência, imposto e prolongado por iniciativa do Presidente da República e com apoio de PS, PSD, CDS, BE, PAN e Chega, sendo desnecessário e desproporcional no combate de saúde pública contra a epidemia, revelou-se como instrumento útil para o capital.

Tirando partido de uma situação muito especial – com milhões de portugueses em situação de confinamento, expostos a um bombardeamento sistemático de mensagens, valores e concepções, designadamente a partir dos principais órgãos de comunicação social (e com igual expressão nas chamadas redes sociais), difundindo o medo e o alarmismo, promovendo o individualismo, a resignação e o conformismo, a delação, a criminalização da luta e a segregação de estratos da população – os centros reaccionários do grande capital procuram, a partir da situação criada com o surto epidémico, dar novos e significativos passos no ataque ao regime democrático e à Constituição da República.

O Comité Central do PCP chama a atenção para os que, a pretexto do surto epidémico e das profundas alterações que as medidas de prevenção introduziram no quotidiano de milhões de portugueses, procuram impor novos patamares de ataque aos direitos dos trabalhadores, de delapidação de recursos públicos a partir dos grupos económicos, de novas limitações aos direitos e liberdades democráticas, de alterações perversas em hábitos e comportamentos sociais, de aproximação a práticas e concepções fascizantes que, aliás, foram promovidas e branqueadas neste período.

O Comité Central do PCP sublinha ainda as manobras e posicionamentos que estão em desenvolvimento, contrários à concretização da política de que o País necessita, e que visam garantir o aprofundamento da política de direita e a submissão ao Euro e às imposições da União Europeia. Manobras nas quais se inserem a convergência entre PS, PSD, CDS em matérias e opções estruturantes, o papel e a intervenção do Presidente da República na promoção dessa mesma convergência, o branqueamento da política de direita e seus protagonistas e a promoção de forças e valores reaccionários, a integração dos grupos da comunicação social nesses objectivos e na sua difusão. A intervenção articulada dos círculos de poder do grande capital nessa direcção, visando em particular o PCP – o mais decisivo obstáculo aos seus projectos reaccionários – e a CGTP-IN, a grande central sindical de classe dos trabalhadores, procura liquidar direitos, liberdades e garantias fundamentais.

O Comité Central do PCP regista e denuncia a natureza e intensidade da ofensiva reaccionária contra o Partido que, como a história demonstra, é apenas a face mais visível de uma ofensiva mais vasta. Com recurso ao exacerbar do preconceito anticomunista, ao discurso de ódio e à difusão da mentira, articulado com o silenciamento da sua iniciativa, a deturpação da sua mensagem e a promoção de outros, esta ofensiva confirma que é no PCP que os centros de decisão do capital monopolista identificam a principal e mais coerente força de resistência aos projectos antidemocraticos que têm em desenvolvimento.

A ofensiva desencadeada, traduzindo o inconformismo de alguns contra o 25 de Abril, designadamente contra a realização da Sessão Solene que teve lugar na Assembleia da República, e a campanha conduzida contra as acções do 1.º de Maio convocadas pela CGTP-IN, para lá do indisfarçável ódio de classe que a acompanhou, procura instituir um clima de atemorização e limitação de liberdades fundamentais que favoreça a intensificação dos atropelos contra os trabalhadores, dos seus salários e direitos, desde logo o direito ao trabalho.

O Comité Central do PCP salienta a importância da resistência e da luta dos trabalhadores e das populações, das comemorações do 25 de Abril, designadamente da Sessão Solene da Assembleia da República, das comemorações populares, com larga expressão por todo o País, associadas ao apelo para cantar a «Grândola, Vila Morena» e o Hino Nacional que contou com uma forte adesão, e da jornada de luta do 1.º de Maio de 2020, convocada pela CGTP-IN, nas condições especiais em que se realizou, respeitando as condições de protecção sanitária. Esta jornada foi uma das mais significativas das últimas décadas, afirmando na rua os direitos colectivos dos trabalhadores e fazendo ouvir a sua voz, o seu protesto e indignação, a exigência da defesa da saúde, dos direitos, a garantia de emprego, salários e serviços públicos, contra a exploração, pela valorização dos trabalhadores, por um Portugal com futuro. As comemorações do 25 de Abril e a jornada do 1.º de Maio apontam o caminho. Enfrentando e vencendo a chantagem antidemocrática, garantindo as necessárias medidas de prevenção e protecção sanitárias, impõe-se, para o presente e para o futuro, a utilização dos instrumentos de intervenção e luta que a Constituição da República Portuguesa consagra.

Quando se provou e é reconhecido o papel insubstituível do Serviço Nacional de Saúde na resposta ao surto epidémico, os grupos económicos do negócio da doença e os seus representantes políticos desenvolvem uma gigantesca operação para o atacar e comprometer o seu futuro visando, a pretexto do combate desenvolvido pelo SNS ao surto epidémico, entregar novas valências, funções e recursos públicos aos grupos privados.

Portugal precisa de ver reforçado o SNS. Não apenas para estar à altura da resposta necessária que o momento exige no plano da prevenção, mitigação e resposta clínica ao actual surto epidémico, mas também e sobretudo, para corresponder inteiramente à garantia do direito do Povo português à saúde em todos os outros planos e dimensões. É com este objectivo que o PCP apresentou um plano de emergência para o reforço do investimento do SNS, do seu número de profissionais e meios técnicos.

O Comité Central do PCP alerta os trabalhadores e o Povo português, os democratas e patriotas para os perigos que decorrem dos projectos reaccionários e sua agenda antidemocrática. Projectos a que o agravamento da situação social e económica, decorrentes da actual epidemia e a sua instrumentalização reaccionária deixam espaço aberto e cuja concretização será tanto maior quanto a ausência por parte do Governo de uma resposta determinada à exploração, ao empobrecimento, às desigualdades e às injustiças. A situação do País exige, a par da denúncia das opções do governo PS, uma intervenção determinada de combate ao branqueamento da acção do PSD, CDS e dos partidos seus sucedâneos, de confronto e combate aos projectos e objectivos das forças reaccionárias.

O Comité Central do PCP apela à luta por uma política alternativa que responda de facto aos interesses da larga maioria da população. Esta é a principal exigência que está colocada aos trabalhadores, às camadas antimonopolistas, à juventude, aos reformados, às mulheres, a todos os democratas e patriotas que aspiram a uma vida melhor.

Para combater os impactos do surto epidémico e garantir o futuro do País, Portugal precisa de uma política alternativa, patriótica e de esquerda, que assegure o emprego, defenda os salários e os direitos dos trabalhadores e do povo, reforce os serviços públicos, promova a produção nacional e assegure o investimento, necessários a um caminho soberano de desenvolvimento.

Uma luta, uma alternativa e um caminho que impõem: a libertação do País da submissão ao Euro articulada com a renegociação da dívida pública; a valorização do trabalho e dos trabalhadores; a defesa e promoção da produção nacional e dos sectores produtivos; o controlo público da banca e a recuperação para o sector público dos sectores básicos e estratégicos da economia; a garantia de uma administração e serviços públicos ao serviço do povo e do País; uma política de justiça fiscal e de combate aos privilégios do grande capital; a defesa do regime democrático e o cumprimento da Constituição da República Portuguesa, o aprofundamento dos direitos, liberdades e garantias, o combate à corrupção e a concretização de uma justiça independente e acessível a todos. Estes são elementos centrais de uma política alternativa, patriótica e de esquerda, cada vez mais urgente e necessária, capaz de dar soluções aos problemas nacionais e responder aos interesses dos trabalhadores, do povo e do País.

 

IV - Assegurar a intervenção e o reforço do Partido

O Comité Central do PCP saúda as organizações e os militantes do Partido e da JCP pelo contributo dado à iniciativa e resposta num quadro exigente a que se acrescentou o surto epidémico com as suas consequências. Face a uma situação que implicou medidas de prevenção e protecção, colocando novas exigências, o Partido não se deixou chantagear ou condicionar, assumiu a iniciativa e acção num quadro de emergência da acção partidária, face aos problemas criados aos trabalhadores, ao povo e ao País pela situação de saúde, pelas medidas adoptadas de prevenção e pelos aproveitamentos para o agravamento da exploração, o ataque aos direitos laborais e sociais e a tentativa de limitação de direitos políticos. O Partido está a ser posto mais uma vez à prova e cumpre o seu papel, evidenciando que os trabalhadores e o povo, sejam quais forem as condições, podem contar com o Partido Comunista Português.

O Comité Central do PCP destaca o comício do 99.º aniversário que iniciou as comemorações do centenário do Partido, o contributo impulsionador dado nas comemorações do 46.º aniversário do 25 de Abril e na concretização da importante jornada de luta do 1.º de Maio de 2020, a intervenção política junto dos trabalhadores e das populações, a acção institucional, o trabalho de propaganda nomeadamente nas comunicações electrónicas, o papel do Avante!, as medidas tomadas para garantir o funcionamento do Partido e o seu reforço, e o início da preparação do XXI Congresso.

No âmbito do reforço do Partido, sublinha-se o êxito da acção dos 5 mil contactos com trabalhadores, traduzido na concretização de 5074 contactos, em 1350 novos militantes, garantindo alargamento e reforço da organização nas empresas e locais de trabalho e novas potencialidades da sua concretização, e também, na disponibilidade de muitos trabalhadores para reflectirem sobre a adesão ao Partido e apoiarem a actividade partidária.

O Partido Comunista Português reafirma na actual situação o seu compromisso de sempre com os trabalhadores e o povo, a sua iniciativa para a convergência dos democratas e patriotas, a sua intervenção para uma alternativa patriótica e de esquerda, assente na democracia, na soberania, no desenvolvimento e no progresso social, com uma política e um governo capazes de impedir o afundamento do País, responder aos graves problemas existentes e garantir as soluções para um Portugal com futuro.

A situação actual impõe a afirmação dos objectivos e do papel do PCP. Independentemente das medidas de prevenção e protecção necessárias, este é o momento de emergência para a acção do Partido inerente à sua identidade comunista. Um momento que exige a análise e o acompanhamento da situação, a iniciativa política correspondente, a concretização das orientações prioritárias definidas para o reforço do Partido, a adopção de medidas excepcionais que garantam o funcionamento partidário, a preparação da Festa do Avante! nas circunstâncias actuais, designadamente no plano das medidas de protecção sanitária, a aplicação das orientações definidas pelo Comité Central no âmbito das comemorações do centenário do Partido e o avanço na preparação do XXI Congresso.

O Comité Central do PCP, no seguimento das comemorações do 25 de Abril e da jornada de luta do 1.º de Maio, salienta a necessidade do desenvolvimento da resistência e da luta dos trabalhadores, no combate à exploração, na defesa dos seus interesses e direitos, pela resposta a problemas imediatos, pela valorização do trabalho e dos trabalhadores, pela defesa e reforço dos serviços públicos, pela afirmação de uma política alternativa.

O Comité Central do PCP valoriza a intensa e diversificada intervenção dos últimos meses, e considera da maior importância a dinamização da iniciativa e intervenção políticas do Partido, centrada nos problemas dos trabalhadores, das várias camadas e sectores sociais atingidos nos seus direitos e condições de vida, e na afirmação da alternativa patriótica e de esquerda. Aponta, entre outras, as seguintes iniciativas: uma jornada de contacto e informação junto dos trabalhadores com início a 21 de Maio, inserida na campanha «Valorizar o trabalho e os trabalhadores. Não à exploração!»; uma linha de acções e contactos dirigidos aos micro, pequenos e médios empresários e trabalhadores por conta própria a partir de Junho; uma acção de defesa e valorização do Serviço Nacional de Saúde, incluindo, a 28 de Maio, num dia de divulgação da proposta de Programa de Emergência para o SNS; o desenvolvimento de um conjunto de iniciativas sob o lema «Nem um direito a menos, confiança e luta por uma vida melhor» que se inicia com a realização de um comício, dia 7 de Junho, em Lisboa.

O Comité Central do PCP, no plano do funcionamento e do reforço do Partido, define como prioridades: a concretização de medidas relativas às questões de direcção, quadros e sustentação financeira; a garantia do funcionamento do Partido, da regularização do funcionamento dos organismos de direcção e dos restantes organismos; o contacto com os membros do Partido; o acompanhamento da situação, dos problemas dos trabalhadores e das populações, o desenvolvimento da luta e o fortalecimento das organizações unitárias de massas e da acção institucional; o reforço da organização e intervenção do Partido nas empresas e locais de trabalho, no seguimento da acção de 5 mil contactos, com o levantamento e a responsabilização de 100 camaradas por células e a criação de 100 novas células de empresa, local de trabalho ou sector até Março de 2021, associado a outros aspectos deste trabalho prioritário; a dinamização do recrutamento; a difusão do Avante!; o trabalho de propaganda, incluindo através dos meios electrónicos; a independência financeira do Partido com a dinamização da Campanha Nacional de Fundos «O futuro tem Partido» integrada nas comemorações do centenário do Partido e com o pagamento/recebimento das quotas, garantindo a quota em dia; o levantamento e responsabilização de camaradas por tarefas regulares e o seu acompanhamento.

O Comité Central sublinha a importância da preparação do XXI Congresso que se realizará sob o lema «Organizar, Lutar, Avançar – Democracia e Socialismo», assegurando a discussão nos organismos e organizações com base nos tópicos aprovados pelo Comité Central e a concretização da programação da primeira fase preparatória suscitando a máxima contribuição dos membros do Partido.

O PCP, pela sua história, pela sua acção, pelo seu ideal e projecto, comprova-se, como a vida está mais uma vez a demonstrar, o Partido necessário, indispensável e insubstituível. O reforço do PCP é essencial para os trabalhadores, o povo e a pátria portuguesa, para o desenvolvimento, a paz, a cooperação, a causa internacional da emancipação dos trabalhadores e dos povos tendo no horizonte o Socialismo e o Comunismo.

 

http://www.pcp.pt/comunicado-do-comite-central-do-pcp-de-16-de-maio-de-2020

Events

September 4, 2020 - September 6, 2020 - Atalaia - Seixal Avante Festival
October 2, 2020 - October 4, 2020 - Torrejón de Ardoz (Madrid, Spain) XI Congress of CP of the Peoples of Spain
November 27, 2020 - November 29, 2020 - Portugal XXI Congress of the Portuguese Communist Party