Portuguese CP, Speech by Jerónimo de Sousa, General Secretary, Rally commemorating PCP's 98th anniversary «With the workers and the people - Democracy and Socialism»

3/12/19 12:58 PM
  • Portugal, Portuguese Communist Party En Pt Europe Communist and workers' parties

«98 years of history inseparable from the struggle of the Portuguese workers and people»

 

March 8, 2019, Lisbon

 

Our fraternal greetings on this very special day of commemoration of the 98th. anniversary of our Portuguese Communist Party.

A very special greeting to the Portuguese women on this day when the International Women's Day is celebrated, and also remembering the role of communist women and of this Party in the struggle for decades for equality in work, law and life, and reaffirm our support for their initiatives, action and struggle to combat inequalities, in defence of their dignity and their civilizational causes.

On March 6, 98 years have gone by since the creation of the Portuguese Communist Party. Ninety eight years of uninterrupted struggle and unlimited dedication to the emancipating cause of the working class and workers, of our people.

We celebrate 98 years of a Party born of the Portuguese labour movement, by its own will and decision, in a climate of revolutionary ascent, resulting from the struggles waged by the Portuguese workers and the galvanizing effect of the Socialist Revolution of October 1917.

Born in that distant year of 1921 to respond to a historical need of the Portuguese labour movement which in its evolution set as its task a determined intervention of transformation of society, marking the beginning of a new stage of the labour movement in Portugal and of the struggle for the construction of a society freed from the exploitation of man by another man.

These are 98 years of history inseparable from the struggle of the workers and Portuguese people.

Always with its class nature, its identity, its ideology - Marxism-Leninism - always enriched by experience and life, organised, firm, coherent, united, combative, it was able in the most diverse situations and conditions to face difficulties, overcome them and advance, confirming in the present all its glorious past.

When reviewing 98 years of activity, when recalling its history, learning from its main lessons, we find in the 98 years of struggle reasons for determination and confidence, the PCP has its eyes turned towards the future: for the reinforcement of the Party, for the strengthening of the organisation, for the reinforcement of its connection with the masses, for the unity of the workers and of the democrats, for the struggle for a break with right-wing policies, for the patriotic and left-wing alternative, for the Advanced Democracy with the Values of April, for the socialist future of Portugal.

When celebrating its 98th. anniversary, the PCP also reaffirms its policy to serve the interests of the people and the country, its action and intervention to uphold the interests of the working class and all workers, to free the country from the constraints and impositions of the European Union and the Euro, for national sovereignty, to build the political, patriotic and left-wing alternative, while reaffirming its internationalist stands.

Not only it does not forget but promotes solidarity with all peoples and countries that are victims of imperialism’s oppression, exploitation, interference and aggression. A patriotic and internationalist Party, the PCP reaffirms its full solidarity with the peoples struggling for the affirmation of sovereignty, for the right to choose their own way, for Peace, for sovereignty, for development, for progress.

In these 98 years, the PCP confirms in the present all its glorious past. The balance of the past, the present activity and the outlook of the future affirm the importance, role and value of the PCP in national life. The past is the proof, the present the testimony, the future the confidence.

This year we have an added reason to celebrate and express not only our joy and confidence in this Party that is here united and combative, but also because in this year of 2019 45 years have passed since 25th. April, the date of the military uprising that overthrew the fascist government, and which was immediately seconded by the popular uprising, which with its military component, formed the People/ Armed Forces alliance, a determining factor of the revolutionary process.

We have an added reason why this Portuguese Communist Party which is the Party of the working class and of all the workers, is also and with much pride, the Party of April.

The April Revolution that profoundly transformed Portuguese society and constituted an affirmation of the will of the people, of national sovereignty and independence.

It institutionalised a democratic political regime, and implemented profound economic, social and cultural transformations.

With the counter-revolutionary process begun in 1976, the right-wing policy pursued by successive PS, PSD and CDS governments, alone or in conjunction, attacked and destroyed many of these achievements by imposing limitations on democracy and sovereignty.

In these more than 40 years of struggle between the monopolistic restoration forces and the forces for the progress and well-being of the people, the PCP was the only one that was always with the workers and the populations, in the defence of their interests, their rights and aspirations, and in the defence of the democratic regime, of sovereignty and national independence.

This is the same Party that now completes 98 years of existence that continues with all the determination at the forefront of the fight in defence of the interests of the workers, our people and the country.

A combat waged on several fronts. In the defence and valorisation of work and workers for the restoration of rights and incomes extorted in the years of SGP and Troika, through the hands of PS, PSD and CDS governments.

Demanding the reversal of the grievous norms of labour legislation that the PS government persists in taking for granted with the proposals that it has presented in the Assembly of the Republic, maintaining with the already explicit support of PSD and CDS the expiry of the collective bargaining, the refusal to introduce the principle of more favourable treatment to the worker and the maintenance of precarious work.

A combat that remains open and demanding our firm commitment and the firm response and determination of the Portuguese workers and their struggle, aiming to stop the aims set down in this spurious agreement aligning these parties, big business and the UGT and which the PS government reflected into its legislative initiative.

But also demanding the valorisation of wages in the private and public sectors and the increase of the National Minimum Wage to 650 Euros for all workers. A demand of those who, like the PCP, do not accept, nor take for granted, the current and unfair distribution of National Income!

A combat that continues also in defence of public services putting them at the service of the people and the country, not of business and profit, namely by valorising the National Health Service, by restoring the levels of efficiency, funding, human and technical resources, gradually and deliberately called into question by successive governments, particularly by the governments of the first decade and a half of this twenty-first century, and by the implementation of a policy that will put an end to the transfer to private groups, especially with the end of PPPs. A policy that ends with the chronic underfunding of healthcare facilities, ends co-payments, promotes the professional and material valorisation of the professionals in the NHS, and assigns a family doctor and nurse to all Portuguese.

Public services to serve the people and the country, also in the transport sector, taking further this combat that we have successfully waged - the valorisation and extension of the intermodal pass that the intervention of this Party that now 98 completes years has become reality and will mean a significant reduction of the costs in the use of public transport for hundreds of thousands of users. Maximum of 40 euros for the pass valid for the entire Metropolitan Area and 30 euros for the pass valid in each municipality, pass for students and the forthcoming family pass, free use for children up to 12 years and pass for people over 65 years, besides this additional bonus, are a huge advance in the living conditions of the families and in stimulating the use of public transport.

A measure that crowns the struggle of years not only of our Party, but also of the users of the public transport services.

We must now move decisively forward to increase the transport offer, demanding State investment in the modernisation and expansion of rail, road and river transport offer. Yes, it is now necessary to move ahead to increase the public transport offer and to affirm a public transport service to serve the population and not PPP businesses.

To move ahead in this front of struggle for the right to housing, increasing the steps taken with the contribution of the PCP in the protection of residents and tenants with the implementation of a policy that ensures the constitutional right to housing of the Portuguese.

These are combats of a Party that does not turn away from the struggle under any circumstances. A Party that, with courage, has faced the most difficult and complex situations, always pointing to solutions to move the country forward.

This was the case three and a half years ago. It was this almost 100 year-old Party that, giving expression to a long and prolonged struggle of the workers and our people, took the initiative and pointed out the way and the solution that would lead to the defeat and dismissal of the PSD/CDS government and to the interruption of the march to a political action of aggravation of the exploitation, impoverishment, decline and severe setback that fell on the workers, the people and the country, putting an end to the development of a project of democratic subversion that was underway and promised to expand.

It was the PCP that, interpreting the popular will, expressed in the ballot, evaluating the new correlation of forces in the Assembly of the Republic, stepped forward and did not waste the opportunity, with the struggle of the workers and the people and its own action, initiative and political intervention, to defend, restore and conquer rights.

Important steps forward were taken during this period, which we defined as the new phase of national political life, which enabled the improvement of the living conditions of the workers and the people. With the mass struggle and the decisive initiative of the PCP, it was possible to recover wages, valorise retirement and pensions, cut taxes on labour, demand measures to reduce precariousness, support families by freeing them from education costs, restore unemployment and sickness benefits and increase family allowances, reduce healthcare co-payments, implement the end of the income tax pre-payment by micro, small and medium-sized enterprises and other initiatives that resulted in the restoration of rights and income, and which altogether meant a decisive factor for economic growth and job creation.

A whole evolution that shows and proves that it is worth struggling and persisting, because nothing drops from the sky, nothing is given, everything has to be conquered and, in the end, everything was actually conquered with initiative, struggle and persistence!

Yes, it was with the workers' and people's struggle and the political intervention of the PCP that advances were made, even against the will and resistance of the PS minority government.

After more than three years, the justness and validity of the analysis and guideline established by the Party in the new phase of national political life resulting from the October 2015 elections is confirmed.

What has been achieved, albeit limited, is beyond what many thought possible, within a framework and context where the government of the country is not left-wing. We have a government that maintains the essential axis of right-wing policy guidelines, but it does not have enough MPs, nor the conditions to decide its own policy - the policy it has always carried out for more than 40 years, alone or together with the PSD and the CDS .It is because essentially such an axis remains that the minority government of the PS is unable to respond to the great national problems and postpones them, even worsens them.

The truth is that the PS and its minority government, due to class option, did not solve nor proved itself capable of solving the country's serious structural deficits, which remain a lasting consequence of right-wing policy, at the head of which is the production deficit

The PS and its minority government, bound, like the PSD and CDS, to the impositions and constraints of the European Union and the Euro, and maintaining the option of favouring the interests of the monopolies, did not promote the necessary policy to reverse the process of the country’s decline.

Linked to the fundamental options that serve the monopoly groups, the PS government with the support of the PSD and CDS not only keeps intact the structure and domination of the economic groups on the strategic sectors and on the whole of the national economy, while continuing to channel large resources of the country for their benefit.

Resources that are drained abroad in dividends, but also in interest on a public debt that needs to be renegotiated. Hundred thousand million euros consumed just in interest since joining the Euro that the country is lacking to promote the development of its productive sectors, public investment, improvement of healthcare services or public education or that force the postponement of the solution of the more important social and economic problems, but also of investment in the country's development.

But while there is no money to invest in the country's development, there is no shortage for banks and bankers, for big economic and financial capital. Seventeen thousand million euros buried in fraudulent banking businesses. And it will not remain here, as we are witnessing with the bill that the Novo Banco presented this week for the country to pay.

More than 1100 million euros, to add to the 4000 million euros spent by the Portuguese State for the Resolution of Espírito Santo Bank (BES) and the 2000 million euros requested by the Novo Banco after its sale to Lone Star, a figure that can globally reach more than 8 thousand million euros.

This is the result, once again, of the European Commission's impositions, which PS, PSD and CDS have accepted, from the BES Resolution until the sale of the Novo Banco to Lone Star. It is necessary to stop this process of the sale of the Bank and to return it to the public sphere, as the PCP has long proposed, because as we have stated: if the State pays the Bank, the State must manage the Bank to serve the people and country!

Contrary to what was necessary to do to defend national interests, the PS and its minority government have created a misleading perspective of solving our national problems, maintaining the submission to the straightjacket of the constraints and impositions of the European Union, affirming its compatibility with a project of development of the country that life is refuting and will continue to refute.

It refutes the evolution of the country's economy and the rates of economic growth, already in decline and well below what is necessary to recover years of delay. There is a need to continue to raise the living conditions of the people that are conducive to growth and employment, but other solutions are also needed. It is necessary to respond in the investment plan for the country to leave the frustrating levels of economic growth of the last twenty years. It is necessary for the country to free itself from the strangleholds of the Budgetary Treaty, the Stability Pact, Economic Governance, the ever-tightening of constraints, rules and norms blocking the affirmation of a policy of sovereign development capable of overcoming the huge delays and setbacks of recent years.

Portugal will not get out of the doldrums in which the right-wing and submissive policies have placed with average growth rates of 0.85%, as in the last 20 years. Portugal needs to grow well above what it grows today!

In the current situation, affirming the right of the country to its sovereign development is a crucial condition.

It is urgent to break with the disastrous path that has made Portugal an increasingly unfair, more dependent, less democratic country with weakened public services, with the permanent alienation of strategic sectors, resources, productive capacity and sovereignty. It is necessary and it is possible to move forward.

That is why we are striving to materialise a patriotic and left-wing alternative and a government that will carry it out, in order to respond to the problems of the workers, of the people and of the country.

The development, expansion and intensification of the mass struggle is a fundamental and decisive issue, based on concrete and immediate claims, converging on the demand for a break with right-wing policies and the affirmation of a patriotic and left-wing policy.

We welcome the struggles of the workers and populations that are underway for the restoration and achievement of rights and for the defence and valorisation of public services.

And we appeal to everyone's commitment to the mobilisation and participation in the actions that will be held in the coming times, in particular - the National Demonstration of Women on March 9 promoted by the MDM, the Demonstration of Working Youth on March 28, the popular Commemorations of the 45th. anniversary of 25th. April and 1st. of May, the great day of struggle of Portuguese workers, called by the CGTP-IN.

This year of 2019 is a year of major electoral battles. These are very demanding combats for all of us and with great influence on the evolution of national political life in the coming years, especially those with national expression - the elections for the European Parliament and for the Assembly of the Republic.

These are electoral battles waged in a national and international context where we have elements that show that reactionary, political and economic forces are doing everything, without looking at means, not only to save and perpetuate right-wing policies, but also to resume fully and expeditiously its project of aggravated exploitation and impoverishment of the workers and the people and of subversion of the Constitution. Forces that count on the complacency and connivance of all those, like the PS, that do not break with their longstanding political options.

Electoral battles whose outcome may contribute to enhance the visible risks of regression of the lives of the Portuguese or make an important contribution by strengthening the CDU to break with the right-wing policy and build the patriotic and left-wing political alternative with a government that gives it expression - this central question to move the country forward!

Yes, the Portuguese are faced with decisive choices in this year 2019, between choosing to turn backwards, return to the path that PS, PSD and CDS have imposed in the last four decades or to advance breaking the chains that bind us to the past and to the submission that led the country to backwardness, and affirming a true alternative policy to serve the people and the country.

 

Tese electoral battles that lie ahead, each having its own specificity, are battles that demand that they be assumed as a single battle, in which each adds and launches into the next battle.

The first of this year's great electoral battles is there - the election for MEPs and, because it is the first one, it is of particular importance because we must do everything to make this the beginning of a path of conquest and advancement of the CDU!

It is the first moment of important and decisive choices that are placed on our people. The choice between electing a European Parliament to defend the workers and the people, or support those who subject the country to the European Union's impositions.

What matters is to have in the European Union, in the European Parliament those who defend the interests of the people and the country. That is, MPs elected by the CDU.

Is to know whether we boldly affirm the sovereign right of the country to its development or whether we accept the continuation of this national oppression. If we accept that the deepening of the supranational project of economic and political domination that submits us to the dictates of great interests and great powers or if we affirm national sovereignty as a fundamental element of a progressive alternative.

Yes, the choice that is placed before the Portuguese on May 26 is between those who defend the submission of the country to the impositions and arbitrariness of the European Union - PS, PSD and CDS, or those who defend Portugal and give voice to the interests of workers and people - the CDU!

We know that the path that we need to build, the choice of the solution that is placed before the democrats and patriots, the workers and the people to advance and respond to the real problems that the Portuguese and the country face, are very demanding and full of hurdles.

In this phase the first obstacle was passed, the removal of the more retrograde and aggressive version of right-wing policy, but this right-wing policy of submission to the European Union and big business has not yet been defeated. This obstacle remains due to the options of the PS which with a change of the correlation of forces in its favour will represent new and strong resistance to the advancement of solutions of progress for the country and respect for the sovereignty of the Portuguese, jeopardizing the positive steps taken, and maintaining and aggravating all problems.

Hence, we need to clear the illusions of those who believed that an answer to the problems of the country had been given, which we objectively knew could not be achieved by maintaining such guidelines.

Today, with elections on the doorstep, they announce a new social contract for the youth. There is always a new social contract in every election for the European Union. They brandish the idea of a better and decent job. But can you be serious about their announcement of a new social contract for decent work, when they promote a social contract with the big employers that leaves the door open to job precariousness in exchange for the payment of a fee? It is not with measures of legitimizing precariousness that a decent job is guaranteed, but work without rights and underpaid is reinforced with such solutions!

We have to be prepared to refute all types of mystification and make it clear that the answer to face the national problems will not be found in the PS and its options, but by a change of the correlation of forces that ensures the reinforcement of PCP and CDU, a condition for the construction of an alternative policy.

Nor will the solution to the problems accumulated by years of right-wing policies find a response in the PSD and in the CDS, which are mainly responsible for the situation in the country.

And if the proof lies in their past, what we see today confirms it more. From the PSD and the CDS, what the Portuguese can hope for is the return to the path of social and economic regression, the liquidation of rights, the plunder of wages and incomes.

Behold how they speak with contempt of the measures taken in favour of the living conditions of the people. Even the increase in retirement and pensions brings a rash, particularly to Rangel [PSD’s head of list for MEP]!

The way they explain and heighten demagogically the difficulties faced today in certain sectors, difficulties created by themselves, and blame them on the policy of restoration of rights and income.

See how they increasingly play the game of subversion of the democratic regime with their so-called structural proposals that they now renew. There we have them again with the old litany of the reform of the State. Those State fats that need to be trimmed and that the Portuguese today feel when they need to go to a hospital or a public service. There we have Rui Rio with his reform of Social Security, the old counter-reform of Passos and Portas of random cuts in pensions and social benefits. Then we have them criticizing the subject of the reform of justice that they want governamentalized. There we have them waving a consensus on the regime with the PS to change electoral laws, subvert electoral representation, create artificial majorities and form turnover governments between PS and PSD with CDS on tow.

Portugal cannot turn back. It needs to move forward! Move forward with the PCP and with the strengthening of the CDU!

Particularly when we see the revanchist and big business forces playing on several scenarios, fostering and promoting various movements and political forces of reactionary nature and clearly against April, articulated campaigns of intense and systematic ideological action, including blatant whitewashing of fascism, with a view to confuse and mislead the workers and the popular masses, where manipulation, lies, actions of diversion and provocation are daily present in the public and media space.

They exploit the most sordid human situations to the utmost, instilling fears and doubts, inducing appeals for an authoritarian order, corruption itself is used not with the intention of fighting it at its roots - in the shady dealings of big business - but in order to slander everything that is public and hide its true beneficiaries. On a political level, they want to make believe that the Parties are all the same and thus create difficulties for an alternative to their dominant interests and to further their counterrevolutionary process that has been going on for years and to subvert the Constitution.

Yes, we must also face manipulation, lies and slander. It is necessary to intervene with audacity and determination, prioritizing direct contact with the workers and populations, valorising the work and intervention carried out, reaffirming the commitment to national interests and confidence in a Portugal with a future, broadening support and mobilizing for the intervention and vote, in order to build an electoral result that, with the strengthening of the CDU, ensures that progress is possible and strengthens the construction of the necessary alternative path capable of solving and responding to national problems and to the rights of workers and the people – the patriotic and left-wing policy.

In this framework, the PCP affirms itself as a decisive force in the resistance and in the struggle for the alternative, against the regression and for the values of April in the future of Portugal.

It is no wonder that big business, the centres which it directs and the various instruments it possesses, with its objectives of aggravation of exploitation, of complete subversion of the democratic regime and compromising sovereignty, hold the PCP as the main obstacle to their aims and intensify attacks against it, as is now happening.

Yes, the campaign of lies, slander and manipulation against the PCP is not innocent. As is the silencing of its activities. Their aim is to destroy the prestige of the PCP, its ideals and values.

And it is understandable that they do not forget the decisive role of the PCP, and therefore they do not forgive, for the advances achieved and the interruption of their project of impoverishment and liquidation of rights. They fear that the role of the PCP and CDU in the restoration of rights will be reinforced, ensuring that the country advances.

The reactionary forces, the representatives of monopoly interests, concentrate their attacks on the PCP, and also against the labour and trade union movement, with the aim of destroying the organised and steadfast force of the working class, of the workers and thus have their hands free to resume the path of exploitation and impoverishment, of national abdication and of subversion of the democratic regime.

As we have always affirmed, freedoms and democracy cannot be defended without the Portuguese Communist Party, much less against the Communist Party.

Those who seek to weaken the PCP, if they were to succeed, would weaken freedoms and democracy.

The strengthening of the PCP and the CDU is today one of the most important factors for the defence of the rights of the workers and the people, for the defence of democracy.

The Party has achieved, without ever renouncing its principles and the supreme objectives for which it strives, to have the agility and flexibility to evaluate and understand the new situations and find the appropriate answers. It has been so during the 98 years of the PCP, in anti-fascist resistance, in the struggle for freedom and democracy, in the April Revolution, in defence of the achievements of April and in the struggle against the right-wing policy, in defence of the democratic regime and defence of national sovereignty and independence.

The PCP with its identity, project and values makes a difference in Portuguese society.

Taking stock of 98 years of activity, recalling its history, learning its main teachings, we find 98 years of struggle, determination and confidence.

They do not intimidate us. With objectivity and truth, fighting lies, slander, persecution. Clarifying and denouncing, continuing the action and the political initiative, with the workers and the people, developing the mass struggle, promoting the convergence of democrats and patriots, clarifying and mobilising so that, following the elections, the CDU is strengthened giving more force to the struggle for the alternative, not to turn backwards. To move forward.

Always with the eyes turned to the future, strengthening the Party, strengthening the organisation, strengthening its link with the masses, for the unity of the workers, of all democrats and patriots, for the patriotic and left-wing alternative, affirming its identity and its programmatic project of an advanced democracy with the values of April in the future of Portugal, and having always present on the horizon the construction of socialism and communism.

 

http://www.pcp.pt/en/98-years-history-inseparable-struggle-portuguese-workers-and-people

 

 


Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral, Comício comemorativo do 98.º aniversário do PCP «Com os trabalhadores e o povo – Democracia e Socialismo»

«98 anos de história inseparável da luta dos trabalhadores e do povo português» 

 

 

8 Março 2019, Lisboa

As nossas mais fraternas saudações neste dia muito especial de comemoração do 98.º aniversário do nosso Partido Comunista Português.

Uma saudação muito especial às mulheres portuguesas neste dia em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, e lembrando também o papel das mulheres comunistas e deste Partido na luta de décadas pela igualdade no trabalho, na lei e na vida, e reafirmar o nosso apoio às suas iniciativas, acção e luta de combate às desigualdades, à defesa da sua dignidade e das suas causas civilizacionais.

No dia 6 de Março, passaram 98 anos que foi criado o Partido Comunista Português. Noventa e oito anos de ininterrupto combate e de uma dedicação sem limites à causa emancipadora da classe operária e dos trabalhadores, do nosso povo.

Comemoramos 98 anos de um Partido que nasceu do movimento operário português, por sua própria vontade e decisão, num clima de ascenso revolucionário, resultante das lutas travadas pelos trabalhadores portugueses e do efeito galvanizador da Revolução Socialista de Outubro de 1917.

Nasceu nesse longínquo ano de 1921 para responder a uma necessidade histórica do movimento operário português que na sua evolução colocou como sua tarefa uma decidida intervenção de transformação da sociedade, marcando o início de uma nova etapa do movimento operário em Portugal e da luta pela construção de uma sociedade liberta da exploração do homem por outro homem.

São 98 anos de história inseparável da luta dos trabalhadores e do povo português.

Sempre com a sua natureza de classe, a sua identidade, a sua ideologia – o marxismo-leninismo – sempre enriquecido pela experiência e pela vida, organizado, firme, coerente, unido, combativo, soube nas mais diversas situações e condições enfrentar dificuldades, ultrapassá-las e avançar, confirmando no presente todo o seu glorioso passado.

Ao fazer o balanço de 98 anos de actividade, ao lembrarmos a sua história, ao tirar os seus principais ensinamentos, encontramos nos 98 anos de luta motivos de determinação e confiança, o PCP tem os olhos voltados para o futuro: para o reforço do Partido, para o fortalecimento da organização, para o reforço da sua ligação às massas, para a unidade dos trabalhadores e dos democratas, para a luta pela ruptura com a política de direita, pela alternativa patriótica e de esquerda, pela Democracia Avançada com os Valores de Abril pelo futuro socialista de Portugal.

Ao comemorar os seus 98 anos, o PCP ao mesmo tempo que reafirma a sua política ao serviço dos interesses do povo e da pátria, a sua acção e intervenção para defender os interesses da classe operária e de todos os trabalhadores, para libertar o País dos constrangimentos e imposições da União Europeia e do Euro, pela soberania nacional, para construir a alternativa política, patriótica e de esquerda, reafirma também as suas posições internacionalistas.

Não só não esquece como promove a solidariedade com todos os povos e países vítimas da opressão, da exploração, da ingerência e da agressão do Imperialismo. Partido patriótico e internacionalista, o PCP reafirma a sua inteira solidariedade para com os povos em luta pela afirmação da soberania, pelo direito a escolherem o seu próprio caminho, pela Paz, pela soberania, pelo desenvolvimento, pelo progresso.

Nestes 98 anos, o PCP confirma no presente todo o seu glorioso passado. O balanço do passado, a actividade presente e a previsão do futuro afirmam a importância, o papel e o valor do PCP na vida nacional. O passado é a prova, o presente o testemunho, o futuro a confiança.

Este ano temos uma razão acrescida para comemorar e expressar não apenas a nossa alegria e confiança neste Partido que aqui está unido e combativo, mas também porque neste ano de 2019 passam 45 anos do 25 de Abril, data do levantamento militar que derrubou o governo fascista, e que de imediato foi secundado pelo levantamento popular, que com a sua componente militar, se constituiu na aliança Povo/MFA elemento determinante para o processo revolucionário.

Temos uma razão acrescida porque este Partido Comunista Português que é o Partido da classe operária e de todos os trabalhadores, é também e com muito orgulho, Partido de Abril.

Revolução de Abril que transformou profundamente a sociedade portuguesa e constituiu uma afirmação da vontade do povo, da soberania e independência nacionais.

Institucionalizou um regime político democrático, e realizou profundas transformações económicas, sociais e culturais.

Com o processo contra revolucionário iniciado em 1976, a política de direita levada a cabo pelos sucessivos governos de PS, PSD e CDS, sozinhos ou acompanhados, atacou e destruiu muitas dessas conquistas impondo limitações à democracia e à soberania.

Nestes mais de 40 anos de luta entre as forças de restauração monopolista e as forças voltadas para o progresso e o bem-estar do povo, o PCP foi o único que esteve sempre com os trabalhadores e as populações, na defesa dos seus interesses, dos seus direitos e aspirações, e em defesa do regime democrático, da soberania e da independência nacional.

É este mesmo Partido que agora completa 98 anos de existência que continua com toda a determinação na linha da frente do combate em defesa dos interesses dos trabalhadores, do nosso povo e do País.

Um combate travado em várias frentes. Na defesa e valorização do trabalho e dos trabalhadores pela reposição dos direitos e rendimentos extorquidos nos anos de PEC e de Troika, pela mão de governos de PS, PSD e CDS.

Pela exigência da reversão das normas gravosas da legislação laboral que o governo do PS persiste em dar como adquiridas com as propostas que tem apresentado na Assembleia da República, mantendo com o apoio já explícito de PSD e CDS a caducidade da contratação colectiva de trabalho, a recusa da introdução do princípio do tratamento mais favorável ao trabalhador e a manutenção do trabalho precário.

Um combate que continua em aberto e a solicitar o nosso firme empenhamento e a firme resposta e determinação dos trabalhadores portugueses e da sua luta, visando travar as pretensões consagradas nesse espúrio acordo onde convergem tais partidos, o grande patronato e a UGT e que o Governo do PS traduziu em sua iniciativa legislativa.

Mas igualmente pela exigência da valorização dos salários dos sectores privado e público e pelo aumento do Salário Mínimo Nacional para 650 Euros para todos os trabalhadores. Uma exigência de quem, como o PCP, não aceita, nem dá como adquirida a actual e injusta distribuição do Rendimento Nacional!

Um combate que continua também em defesa dos serviços públicos colocando-os ao serviço do povo e do País e não do negócio e do lucro, nomeadamente pela valorização do Serviço Nacional de Saúde, pela reposição dos níveis de eficácia, financiamento, meios humanos e técnicos, paulatina e deliberadamente postos em causa por sucessivos governos, particularmente pelos governos da primeira década e meia deste século XXI e pela concretização de uma política que ponha fim à transferência para os grupos privados, nomeadamente com o fim das PPP. Uma política que termine com o subfinanciamento crónico das unidades de saúde, elimine as taxas moderadoras, promova a valorização profissional e material dos profissionais integrados no SNS, e atribua médico e enfermeiro de família a todos os portugueses.

Serviços públicos ao serviço do povo e do País, também no sector dos transportes, levando mais longe esse combate que travámos com sucesso – o da valorização e alargamento do passe intermodal que a intervenção deste Partido que agora faz 98 anos tornou realidade e que se traduzirá numa significativa redução dos custos com o uso do transporte público para centenas de milhar de utentes. Máximo de 40 euros para o passe válido para toda a Área Metropolitana e de 30 euros para o passe válido em cada concelho, passe para estudantes e no futuro passe familiar, uso gratuito para crianças até aos 12 anos e passe para pessoas com mais de 65 anos, para lá da bonificação adicional, são um enorme avanço nas condições de vida das famílias e no estímulo ao uso do transporte público.

Uma medida que coroa a luta de anos não só do nosso Partido, mas também dos utentes dos serviços públicos de transporte.

Impõe-se agora avançar decididamente no aumento da oferta de transporte, exigindo do Estado o investimento na modernização e alargamento da oferta ferroviária, rodoviária e fluvial. Sim, é preciso agora avançar no aumento da oferta dos transportes públicos e na afirmação de um serviço público de transportes ao serviço das populações e não do negócio com as PPP.

Avançar igualmente nessa frente de combate pelo direito à habitação, alargando os passos dados com o contributo do PCP na protecção de moradores e inquilinos com a efectivação de uma política que assegure o direito constitucional à habitação dos portugueses.

Estes são combates de um Partido que não vira a cara à luta em nenhuma circunstância. Um Partido que, com coragem, tem enfrentado as mais difíceis e complexas situações, apontando sempre soluções para fazer avançar o País.

Foi assim também há três anos e meio atrás. Foi este Partido, quase centenário, que dando expressão a uma vasta e prolongada luta dos trabalhadores e do nosso povo, tomou a iniciativa e apontou o caminho e a solução que haveria de conduzir à derrota e ao afastamento do governo do PSD/CDS e à interrupção da marcha de uma acção política de agravamento da exploração, empobrecimento, declínio e retrocesso que se abatia sobre os trabalhadores, o povo e o País, pondo cobro ao desenvolvimento de um projecto de subversão democrática que estava em curso e prometia ampliar-se.

Foi o PCP que, interpretando a vontade popular, expressa no voto, avaliando a nova correlação de forças na Assembleia da República, avançou e não desperdiçou a oportunidade para, com a luta dos trabalhadores e do povo e a sua própria acção, iniciativa e intervenção política, defender, repor e conquistar direitos.

Deram-se importantes passos em frente neste período que definimos como nova fase da vida política nacional que permitiram a melhoria das condições de vida dos trabalhadores e do povo. Com a luta de massas e a determinante iniciativa do PCP foi possível recuperar salários, valorizar reformas e pensões, reduzir impostos sobre o trabalho, exigir medidas de redução da precariedade, apoiar as famílias libertando-as de custos no ensino, recuperar prestações sociais no desemprego e na doença e aumentar o abono de família, reduzir taxas moderadoras, concretizar a eliminação do Pagamento Especial por Conta que pesava sobre as micro, pequenas e médias empresas e outras iniciativas que se traduziram em recuperação de direitos e rendimentos, e que no seu conjunto constituíram um factor decisivo para o crescimento económico e a criação de emprego.

Toda uma evolução que mostra e prova que vale a pena lutar e persistir, porque nada cai do céu, nada é dado, tudo tem que ser conquistado e, no fundo, tudo foi na verdade conquistado com iniciativa, luta e persistência!

Sim, foi com a luta dos trabalhadores e do povo e a intervenção política do PCP que foram impostos avanços, mesmo contra a vontade e resistência do governo minoritário do PS.

Ao fim de mais de três anos, confirma-se a justeza e a validade de análise e da orientação estabelecida pelo Partido na nova fase da vida política nacional decorrente das eleições de Outubro de 2015.

O que se conseguiu, mesmo limitado, está para lá do que muitos pensavam ser possível, num quadro e num contexto em que à frente do governo do País não está um governo de esquerda. Está um governo que mantém a matriz essencial das orientações da política de direita, mas que não tem deputados suficientes, nem condições para decidir a sua própria política – a política que sempre fez durante mais de 40 anos, sozinho ou com o PSD e o CDS.

É por manter no essencial tal matriz que o governo minoritário do PS se mostra incapaz de dar resposta aos grandes problemas nacionais e os adia, quando não deixa que se agravem.

A verdade é que o PS e o seu governo minoritário, por opção de classe não resolveu, nem se mostra capaz de resolver os graves défices estruturais do País e que permanecem como uma consequência duradoura da política de direita, à cabeça dos quais está o défice produtivo.

O PS e o seu governo minoritário, amarrado, tal como PSD e CDS, às imposições e constrangimentos da União Europeia e do Euro, e mantendo a opção de favorecimento dos interesses dos monopólios, não promoveu a política necessária para inverter o processo de afundamento do País.

Vinculado às opções fundamentais que servem os grupos monopolistas, o governo do PS com o apoio do PSD e CDS não só mantém intactos a estrutura e o domínio dos grupos económicos sobre os sectores estratégicos e sobre o conjunto da economia nacional, como continua a canalizar avultados recursos do País em seu benefício.

Recursos que se esvaem para o estrangeiro em dividendos, mas também em juros de uma dívida pública que se impunha renegociarmos. São 100 mil milhões de euros consumidos só em juros desde a adesão ao Euro que faltam ao País para promover o desenvolvimento dos seus sectores produtivos, o investimento público, a melhoria dos serviços de saúde ou da escola pública ou que forçam ao adiamento da solução dos mais importantes problemas sociais e económicos, mas também do investimento no desenvolvimento do País.

Mas enquanto falta dinheiro para investir no desenvolvimento do País, não falta à banca e aos banqueiros, ao grande capital económico e financeiro. 17 mil milhões de euros enterrados nos negócios fraudulentos da banca. E não vai ficar por aqui, como vamos vendo com a factura que o Novo Banco apresentou esta semana para o País pagar.

Mais de 1 100 milhões de euros, em cima dos 4 000 milhões de euros gastos pelo Estado português, na Resolução do BES e dos 2 000 milhões de euros pedidos pelo Novo Banco já depois da sua venda à Lone Star, valor que globalmente pode vir a ser superior a 8 mil milhões de euros.

É este o resultado, mais uma vez, das imposições da Comissão Europeia, que PS, PSD e CDS aceitaram, desde a Resolução do BES até à venda do Novo Banco à Lone Star. É preciso parar este processo da venda do Banco e revertê-lo para a esfera pública, tal como o PCP há muito propôs, porque como temos afirmado: se o Estado paga o Banco, o Estado deve gerir o Banco ao serviço do povo e do País!

Ao contrário do que se impunha fazer para defender os interesses nacionais, o PS e o seu governo minoritário têm criado uma ilusória perspectiva de solução dos nossos problemas nacionais, mantendo a submissão ao colete-de-forças dos constrangimentos e imposições da União Europeia, afirmando a sua compatibilidade com um projecto de desenvolvimento do País que a vida está a desmentir e vai continuar a desmentir.

Está a desmentir em relação à evolução da economia do País e aos ritmos de crescimento económico, já em refluxo e muito abaixo do que é necessário para recuperar anos de atraso. É preciso continuar a elevar as condições de vida do povo potenciadoras de crescimento e de emprego, mas são precisas também outras soluções. É preciso dar resposta no plano do investimento para o País sair dos frustrantes níveis de crescimento económico dos últimos vinte anos. É preciso o País libertar-se das amarras estranguladoras do Tratado Orçamental, do Pacto de Estabilidade, da Governação Económica, da malha cada vez mais apertada de condicionamentos, regras e normas de bloqueio de afirmação de uma política soberana de desenvolvimento capaz de superar os enormes atrasos e retrocessos verificados nos últimos anos.

Portugal não sairá do marasmo em que a política de direita e de submissão à União Europeia o colocou mantendo níveis médios de crescimento de 0,85% como os verificados nos últimos vinte anos. Portugal precisa de crescer muito acima do que hoje cresce!

Na situação actual, afirmar o direito do País ao seu desenvolvimento soberano é uma condição crucial.

É urgente romper com o desastroso caminho que tornou Portugal um país mais injusto, mais dependente, menos democrático, com serviços públicos debilitados, com a permanente alienação dos sectores estratégicos, dos recursos, da capacidade produtiva, da soberania. É necessário e é possível avançar.

Por isso lutamos para concretizar uma alternativa patriótica e de esquerda e por um governo que a realize, para dar resposta aos problemas dos trabalhadores do povo e do País.

O desenvolvimento, alargamento e intensificação da luta de massas é uma questão fundamental e decisiva, em torno de reivindicações concretas e imediatas, convergindo na exigência da ruptura com a política de direita e na afirmação de uma política patriótica e de esquerda.

Saudamos as lutas dos trabalhadores e das populações que estão em desenvolvimento pela reposição e conquista de direitos e pela defesa e valorização dos serviços públicos.

E apelamos ao empenho de todos para a mobilização e participação nas que se vão realizar durante os próximos tempos, em particular – a Manifestação Nacional de Mulheres amanhã dia 9 de Março promovida pelo MDM, a Manifestação da Juventude Trabalhadora a 28 de Março, as Comemorações populares do 45.º aniversário do 25 de Abril e no 1.º de Maio, a grande jornada de luta dos trabalhadores portugueses, convocada pela CGTP-IN.

Este ano de 2019 é um ano de importantíssimos combates eleitorais. Combates muito exigentes para todos nós e com grande influência na evolução da vida política nacional dos próximos anos, nomeadamente aqueles que têm expressão nacional – as eleições para o Parlamento Europeu e para a Assembleia da República.

São batalhas eleitorais travadas num contexto nacional e internacional onde estão presentes e se conjugam elementos que evidenciam que as forças reaccionárias, políticas e económicas, tudo estão a fazer, sem olhar a meios, não só para salvar e eternizar a política de direita, mas para retomar integralmente, e de forma acelerada, o seu projecto de agravada exploração e empobrecimento dos trabalhadores e do povo e de subversão da Constituição. Forças que contam com a complacência e conivência de todos aqueles, como o PS, que não rompem com as suas opções políticas de sempre.

Batalhas eleitorais cujo desfecho pode contribuir para acentuar os visíveis riscos de retrocesso da vida dos portugueses ou dar uma contribuição importante com o reforço da CDU para romper com a política de direita e construir a alternativa política patriótica e de esquerda, com um governo que lhe dê expressão – essa questão central para fazer avançar o País!

Sim, os portugueses estão perante decisivas escolhas neste ano de 2019, entre escolher andar para trás, voltar ao caminho que PS, PSD e CDS impuseram nas últimas quatro décadas ou avançar rompendo as cadeias que nos prendem ao passado e à submissão que conduziram o País ao atraso, e afirmando uma verdadeira política alternativa ao serviço do povo e do País.

Estas batalhas eleitorais que temos pela frente, tendo cada uma a sua especificidade, são batalhas que exigem que se assumam como uma única só batalha, em que cada uma soma e se projecta para a batalha seguinte.

A primeira das grandes batalhas eleitorais deste ano está aí – a eleição para deputados ao Parlamento Europeu e, por ser a primeira, assume uma particular importância, porque precisamos de tudo fazer para que esta seja o início de um caminho de conquista e avanço da CDU!

Ela é o primeiro momento de importantes e decisivas escolhas que estão colocadas ao nosso povo. A escolha entre eleger para o Parlamento Europeu quem defenda os trabalhadores e o povo, ou apoiar quem submete o País às imposições da União Europeia.

O que importa é ter na União Europeia, no Parlamento Europeu quem defenda os interesses do povo e do País. Ou seja deputados eleitos pela CDU.

É saber se afirmamos corajosamente o direito soberano do País ao seu desenvolvimento ou se aceitamos a continuação desta opressão nacional. Se aceitamos que o aprofundamento do projecto supranacional de domínio económico e político que nos submete aos ditames dos grandes interesses e das grandes potências ou se afirmamos a soberania nacional como um elemento fundamental de uma alternativa progressista.

Sim, a escolha que está colocada perante os portugueses em 26 de Maio é entre quem defende a submissão do País às imposições e arbitrariedades da União Europeia – PS, PSD e CDS, ou quem defende Portugal e dá voz aos interesses dos trabalhadores e do povo – a CDU!

Sabemos que o caminho que precisamos de construir, a escolha da solução que está colocada aos democratas e patriotas, aos trabalhadores e ao povo para avançar e dar resposta aos verdadeiros problemas que os portugueses e o País enfrentam, são muito exigentes e cheios de obstáculos.

Ultrapassou-se nesta fase um primeiro obstáculo, o afastamento da versão mais retrógrada e agressiva da política de direita, mas não se derrotou ainda essa política de direita de submissão à União Europeia e ao grande capital. Esse obstáculo permanece pelas opções do PS que numa alteração do quadro de correlação de forças a seu favor se traduzirá em novas e fortes resistências ao avanço de soluções de progresso para o País e de respeito pela soberania dos portugueses, pondo em risco os passos positivos dados, e mantendo e agravando todos os problemas.

Precisamos, por isso, de desfazer as ilusões daqueles que julgavam poder ter sido dada uma resposta aos problemas do País que objectivamente sabíamos não ser possível realizar, mantendo tais orientações.

Hoje, com eleições à porta, anunciam um novo contrato social para os jovens. Há sempre um novo contrato social em cada eleição para a União Europeia. Acenam com a ideia de um emprego melhor e decente. Mas, pode ser levado a sério o seu anúncio de um novo contrato social para um trabalho decente, quando se promove um acordo de concertação social com o grande patronato que deixa a porta aberta à precariedade do trabalho a troco do pagamento de uma taxa? Não é com medidas de legitimação da precariedade que se garante um emprego decente, mas um trabalho sem direitos e mal pago que se reforça com tais soluções!

Teremos que estar preparados para desmentir todas as linhas de mistificação e deixar claro que a resposta para enfrentar os problemas nacionais não será encontrada no PS e nas suas opções, mas sim por uma alteração da correlação de forças que assegure o reforço do PCP e da CDU, condição para a construção de uma política alternativa.

Nem tão pouco a solução para os problemas acumulados por anos de política de direita encontrará resposta no PSD e no CDS, principais responsáveis pela situação do País.

E se a prova está no seu passado o que vemos hoje mais o confirma. Do PSD e do CDS o que os portugueses podem esperar é o regresso ao caminho do retrocesso social e económico, a liquidação de direitos, o saque de salários e rendimentos.

Vejam como falam com desprezo das medidas tomadas a favor das condições de vida do povo. Até o aumento das reformas e pensões lhe causam urticária, particularmente a Rangel!

Como explicam e empolam demagogicamente as dificuldades que hoje enfrentam em certos sectores, dificuldades criadas por eles próprios e as justificam com a política de reposição de direitos e rendimentos.

Veja-se como jogam cada vez mais o jogo da subversão do regime democrático com as suas propostas ditas estruturais que agora renovam. Aí os temos de volta com a velha lengalenga da reforma do Estado. O tal Estado das gorduras a desbastar e que os portugueses hoje sentem como ninguém quando precisam de ir a um Hospital ou a um serviço público. Aí temos Rui Rio com a sua reforma da Segurança Social, a velha contra reforma de Passos e Portas de corte a eito nas pensões de reforma e nas prestações sociais. Aí os temos a glosar o tema da reforma da justiça que querem governamentalizada. Aí os temos a acenar ao consenso de regime com o PS para alterar as leis eleitorais, subverter a representação eleitoral, para formar maiorias artificiais e formar governos que rodam entre PS e PSD com CDS à ilharga.

Portugal não pode voltar para trás. Precisa avançar! Avançar com o PCP e com o reforço da CDU!

A complexidade política decorrente dos desenvolvimentos da situação política actual exige uma ampla acção de esclarecimento, tendo presente a natureza do quadro e a solução política vividas nos últimos anos.

Particularmente quando vemos as forças revanchistas e do grande capital a jogar em vários tabuleiros, fomentando e promovendo vários movimentos e forças políticas de cariz reaccionário e declaradamente contra Abril, campanhas articuladas de intensa e sistemática acção ideológica, incluindo de aberto branqueamento do fascismo, visando confundir e desorientar os trabalhadores e as massas populares, onde a manipulação, a mentira, as acções de diversão e provocação estão quotidianamente presentes no espaço público e mediático.

Exploram as mais sórdidas situações humanas até ao infinito, instigando receios e medos, induzindo apelos a uma ordem autoritária, a própria corrupção é utilizada não com a intenção de a combater nas suas origens – nas traficâncias do grande capital e seus negócios – mas para caluniar tudo o que é público e ocultar os seus verdadeiros beneficiários. No plano político querem fazer crer que os Partidos são todos iguais e com isso dificultar o surgimento de uma alternativa aos seus interesses dominantes e levar mais longe o seu processo contra - revolucionário que se prolonga há anos e de subversão da Constituição.

Sim, é preciso também enfrentar a manipulação, a mentira e a difamação. É preciso intervir com audácia e determinação, priorizando o contacto directo com os trabalhadores e as populações, valorizando o trabalho e intervenção realizados, reafirmando o compromisso com os interesses nacionais e a confiança num Portugal com futuro, ampliando o apoio e mobilizando para a intervenção e o voto, para construir um resultado eleitoral, que com o reforço da CDU, garanta que avançar é possível e dê mais força à construção do necessário caminho alternativo capaz de dar solução e resposta aos problemas nacionais e aos direitos dos trabalhadores e do povo – a política patriótica e de esquerda.

Neste quadro o PCP afirma-se como força decisiva na resistência e na luta pela alternativa, contra o retrocesso e pelos valores de Abril no futuro de Portugal.

Não admira assim que o grande capital, os centros que orienta e os diversos instrumentos que possui, com os seus objectivos de agravamento da exploração, da completa subversão do regime democrático e comprometimento da soberania, vejam o PCP como o principal obstáculo aos seus propósitos e intensifiquem os ataques contra ele, como está a acontecer.

Sim, a campanha de mentiras, calúnias e manipulações contra o PCP não é inocente. Tal como o silenciamento da sua acção. O seu objectivo é destruir o prestígio do PCP, dos seus ideais e valores.

E percebe-se que não esqueçam o papel determinante do PCP, e por isso não perdoam, pelos avanços alcançados e a interrupção do seu projecto de empobrecimento e liquidação de direitos. Temem que o papel do PCP e da CDU na reposição de direitos se traduza no seu reforço, garantindo que o País avança.

As forças reaccionárias, os representantes dos interesses monopolistas, concentram a sua ofensiva contra o PCP, e também contra o movimento operário e sindical, com o objectivo de destruir a força organizada e consequente da classe operária, dos trabalhadores e ficar dessa forma de mãos livres para retomar o caminho de exploração e empobrecimento, de abdicação nacional e de subversão do regime democrático.

Como temos sempre afirmado, não se podem defender as liberdades e a democracia sem o Partido Comunista Português e muito menos contra o Partido Comunista.

Aqueles que pretendem fragilizar o PCP, se o conseguissem, fragilizariam as liberdades e a democracia.

O reforço do PCP e da CDU é hoje um dos factores mais importantes para a defesa dos direitos dos trabalhadores e do Povo, para a defesa da democracia.

O Partido, tem conseguido, sem nunca abdicar dos seus princípios e objectivos supremos pelos quais luta, ter a agilidade e a flexibilidade para avaliar e compreender as novas situações e encontrar as respostas adequadas. Assim tem sido ao longo dos 98 anos do PCP, na resistência antifascista, na luta pela liberdade e pela democracia, na Revolução de Abril, na defesa das conquistas de Abril e na luta contra a política de direita, na defesa do regime democrático e da defesa da soberania e independência nacionais.

O PCP com a sua identidade, projecto e valores faz a diferença na sociedade portuguesa.

Fazendo o balanço aos 98 anos de actividade, ao lembrarmos a sua história, ao extrair os seus principais ensinamentos, encontramos 98 anos de luta, de determinação e confiança.

Não nos intimidam. Com objectividade e verdade combatendo a mentira, a calúnia, a perseguição. Esclarecendo e denunciando, prosseguindo a acção e a iniciativa política, com os trabalhadores e o povo, desenvolvendo a luta de massas, promovendo a convergência dos democratas e patriotas, esclarecendo e mobilizando para que, das eleições, a CDU saia reforçada dando mais força à luta pela alternativa, para não andar para trás. Para avançar.

Sempre com os olhos voltados para o futuro, para o reforço do Partido, para o fortalecimento da organização, para o reforço da sua ligação às massas, para a unidade dos trabalhadores, de todos os democratas e patriotas, pela alternativa patriótica e de esquerda, afirmando a sua identidade e o seu projecto programático de uma democracia avançada com os valores de Abril no futuro de Portugal, e sempre presente no horizonte a construção do socialismo e do comunismo.

 

http://www.pcp.pt/98-anos-historia-inseparavel-luta-trabalhadores-povo-portugues