19 IMCWP, Contribution of Portuguese CP [En, Pt]

11/27/17 11:47 AM
  • Portugal, Portuguese Communist Party IMCWP En Pt

Contribution of Portuguese CP [En, Pt]

The Portuguese Communist Party fraternally greets the parties attending the 19th. International Meeting of Communist and Workers’ Parties and specially the Communist Party of the Russian Federation, which meaningfully hosts us, in the city that was the cradle of the Great October Socialist Revolution, in celebration of the centenary of this major event of the historical process of liberation from all forms of exploitation and oppression, and the struggle of the international Communist and revolutionary movement.

The PCP celebrates the centenary of the October Revolution by promoting under the slogan "Socialism, a demand of the present and the future” a broad range of initiatives in Portugal - prominent among them the big rally to be held on November 7. We emphasize the universal historical significance of the first victorious proletarian revolution, the great value of the achievements of the new society and the decisive influence of the Soviet Union in the progressive and revolutionary advances of the Twentieth Century, as well as the present-day deepening structural crisis of capitalism and the demand for its revolutionary overcoming, with the edification of socialism and communism.

The PCP has carried out other diversified actions, in accordance with the axes of common or convergent action defined by the 18th IMCWP, held in Hanoi in 2016, such as solidarity with Communist parties facing persecution; solidarity with countries and peoples that are the victims of interference, blockade and aggression by imperialism; the struggle against militarism, war and for the dissolution of NATO; actions in defence of peace and disarmament, beginning with the demand for the end of nuclear weapons - among other important actions such as the commemoration of the Centenary of the October Revolution.

-/-

One hundred years after those "ten days that shook the world", the international framework has changed profoundly, but Lenin’s theoretical and practical contribution towards the conquest of power by the workers and the triumph of socialism remains extraordinarily relevant. And if it is true that, as Lenin warned, it would be wrong to mechanically copy the experience of the Bolsheviks, an even greater mistake would be to look at the October Revolution and at Lenin's work as something that is irreparably dated and consigned to the Museum of History. No, the odyssey of the Bolshevik party and Lenin’s work, where theory and practice are dialectically intertwined - among other important aspects, regarding the imperialist phase of capitalism; the State and Revolution; the Party of the new type; the universal and the particular in the struggle for socialism; the role of the working class and its alliances; the diversity of paths to socialism - represents a brilliant legacy, an inexhaustible source of reflection, of experiences and of inspiration for Communists and revolutionaries across the world.

This is what the history of the international Communist and revolutionary movement fully demonstrates in fundamental aspects, and in the case of Portugal, the PCP’s experience has confirmed throughout its 96 years of struggle, namely in what regards:

- the building of the Party as an independent force and vanguard of the working class and of all workers, as a "great Party collective", profoundly democratic with a single general line and a single central leadership, rooted in the workers and the people, and theoretically based on Marxism-Leninism, understood not as dogma, but as a guide for action;

- the drawing up of the Party programme which, based on the experience of the Communist movement, is fundamentally based on our country’s concrete reality, on a correct definition of the stage of revolution, on the corresponding policy of social alliances and its expression at the political level, on the dialectical articulation of the struggle for democracy and the struggle for socialism;

- the conception of working-class unity as the kernel of the unity of all anti-monopoly classes and strata, the priority of shopfloors and workplaces in the Party’s organizational structure and activity, and considering the popular struggle of the masses as the main form of struggle, the driving force of the process of social transformation and of building a new society;

- the definition of the PCP as a Party for which patriotism (and the struggle for national sovereignty and independence, which we consider to be a fundamental condition to fight imperialism) and internationalism (in a broad and diverse anti-imperialist dimension, but anchored on proletarian internationalism and relations between Communist parties) are inseparable and one of the fundamental components of our Party's Communist identity.

As a result of the growth and ripening of the class consciousness of the Portuguese working-class movement, the PCP was founded in 1921 under the influence of the October Revolution, the Bolshevik Party and Lenin. Learning from both the positive and negative experiences of the international Communist and revolutionary movement, it grew and became, during the nineteen-forties, while in clandestinity, the vanguard of the working class and the leading force of anti-fascist resistance, with an irreplaceable role in the Revolution of April 1974. But it was mainly based on a profound knowledge of national reality and its peculiarities, analysed with Marxist criteria, that the Party's strategic and tactical line was drawn up, and the Programme of the Democratic and National Revolution was adopted, which, in its fundamental lines, was confirmed by the April Revolution in Portugal.

In the PCP’s opinion, this experience is an expression of fundamental Leninist theses in which the concrete analysis of a concrete situation, and the dialectical relation between the general and the particular play a key role in the elaboration of the political line and in defining the tasks of the Communist Party. If an exaggerated focus on national particularities has nothing to do with the Communist project, ignoring or underestimating them is completely alien to Lenin, who emphasized that "All nations will reach socialism, this is inevitable, but not all nations will reach socialism in exactly the same way (…)”.

With the advance of the counter-revolutionary process and the submission of Portugal to the dynamics of European capitalist integration, the reflection and experience of the PCP led to the adoption, at its 19th Party Congress, of the Programme "An advanced democracy, the values of April in the future of Portugal" considering the current stage of the revolution in our country as that for an advanced democracy. A democracy that, premised on the reality of the first and only social revolution in Europe after World War II which, although "unfinished", left deep marks in society and in the conscience of the Portuguese, is a simultaneously political, economic, social and cultural democracy, that expresses the interests and aspirations of the overwhelming majority of the Portuguese people; has an anti-monopoly and anti-imperialist class content; and where many of its tasks are already tasks of a socialist society. In other words, between the stage of advanced democracy and the socialist stage of the Portuguese revolution, not only is there not a "big wall of China", as there is a dialectical connection, to be shaped by the struggle of the workers and the masses, in accordance with Lenin’s theory of an "uninterrupted" revolution. Just as the Democratic and National Revolution paved the way for socialism (which is still today enshrined in the preamble to the Portuguese Constitution), the advanced democracy we are fighting for today is also an integral and inseparable part of the struggle for socialism.

These are, in short, some of the fundamental aspects of the PCP’s experience in the struggle to conquer power by the Portuguese workers, a condition for achieving their strategic goals, which are socialism and communism.

-/-

The PCP has, for a long time, considered that there are general laws of revolution - like those concerning the importance of theory, the role of the vanguard revolutionary party, the role of the working class and its alliances, the creative participation of the masses, the issues of the power of the State and ownership of the main means of production, the dialectic between the general and the particular - but that there are no, and nor can there be, "models" and the paths towards the complete liberation from capitalist exploitation are very diverse, as are diverse the concrete realities in which the Communist parties and other revolutionary forces act.

The October Revolution ushered in a new era in the history of Humanity, the era of the transition from capitalism to socialism. The fact that we are living through difficult times, when imperialism carries out a dangerous offensive and the revolutionary forces are temporarily weakened, does not call this reality into question.

For the PCP this does not mean, however, that the conditions are met everywhere for placing the socialist revolution as an immediate goal and task. As the experience of the international communist and revolutionary movement shows, the struggle for socialism does not develop in a straight line. It is developed in stages, which are not determined by our will, nor by arbitrary decisions, but result from the study of the socio-economic characteristics and of the political system in each country. These stages may be more or less clear-cut, more or less interconnected. In the imperialist times in which we live, there is the convergence and even the interweaving of the national-liberation, democratic or other stages, with the socialist stage, it being possible to move from one to another, given the condition of working-class hegemony. The PCP keeps this well in mind, in the concrete situation of Portugal. In any case, the experience of liberation processes throughout the century that has elapsed since October shows that for a revolution to triumph in its goals (of national liberation, democratic or other) it must point to the prospect of socialism.

In view of the maturation of the objective material conditions for the socialist revolution – regardless of the form it may come to embody - the PCP believes that the great challenge confronting the Communists and other revolutionary forces, in global terms – the situation from country to country being diversified - is to overcome the backwardness of the objective factor, first and foremost by strengthening the Communist Parties. The times we live in are of resistance and of gathering forces on a world scale. This requires many sacrifices and much persistence in carrying out the laborious and difficult task of building strong Communist Parties, solidly rooted in the working class and the masses and having real influence in the life of their countries. For the PCP, this is perhaps the greatest challenge confronting the Communist and revolutionary movement, and much can be learned from the experience of the Bolshevik party. For the PCP, nothing can replace the patient work among the masses and persistence in the struggle in defence of their concrete and immediate interests and for the corresponding tactical convergences and alliances, with the awareness that neither this struggle, nor these convergences, can lead us to forget the ultimate goal, nor can we, in the name of the ultimate goal, underestimate the decisive importance of the struggle for limited objectives, or deny the evidence of intermediate phases and stages of struggle.

As stressed at its 20th Party Congress, held in December 2016, the PCP also believes that it is necessary to bear in mind that the difficulties and dangers of the present world situation, as a result of the deepening of all fundamental contradictions of capitalism - between capital and labour; between the development of the productive forces and the relations of production; between the socialization of production and its private appropriation; in a framework in which the tendential law of the falling rate of profit operates - coexist with great potential for progressive and revolutionary advances. That is why it considers essential that Communists should be well rooted in the masses, identified with their interests and committed to their organisation and struggle, and confident in the inevitability that situations of crisis, with a revolutionary dimension, will arise and for which we must prepare ourselves, knowing how to resort to different forms of struggle. A vanguard party will only be so if it does not live for itself, but for the masses. For the PCP, this is also one of the strongest lessons from the experience of the October Revolution where an underground Bolshevik Party became the leading force of the revolution due to its persistent organisational work and its deep links with the interests and aspirations of the working class and the masses.

-/-

The PCP believes that it is a fundamental internationalist duty to contribute to recover and strengthen the international Communist and revolutionary movement. A contribution that requires, in the first place, its own strengthening and greater influence among the workers and the Portuguese people. In the PCP’s view, its foremost internationalist duty is to the working class and the people of Portugal. At the same time, the PCP seeks to strengthen ties of friendship, cooperation and solidarity with other Communist parties (as well as with other revolutionary and anti-imperialist forces), based on an exchange of experiences, the exchange of information for a common analysis of the international situation and on defining initiatives and common or convergent lines of action in the struggle against big capital and in solidarity with the peoples in struggle against imperialism’s interference and aggression.

Without ignoring that there are delays and difficulties along this path and despite advances that we do not underestimate, the PCP believes that the international Communist and revolutionary movement has not yet recovered from the hard blows that it suffered with the defeats of socialism in the Soviet Union and Eastern Europe. Confronted with the violent political and ideological offensive of the ruling class - prominent in which, among other aspects, there is fierce anti-Communism, the persecution and outlawing of Communist parties and other democratic forces, and gigantic operations to falsify History and facts that must be opposed - and confronted with the probability of a long and protracted phase of resistance and gathering of forces, we have seen the development, on one hand, of tendencies to abandon the revolutionary project and adapt to the system and, on the other hand, of dogmatic and sectarian trends and displays of impatience and leaps forward, pointing to the seizure of power by the working class as an immediate universal task. A vast diversity of situations and tasks of each Party, at the national level, has not facilitated the development of multilateral cooperation. It is in this context that the PCP believes it is necessary to strengthen bilateral and multilateral relations and cooperation. The International Meetings of Communist and Workers’ Parties can make an important contribution in this respect, bearing in mind the much that unites us in the struggle for workers’ and peoples' rights and for the revolutionary overcoming of capitalism.

In order to strengthen the international Communist movement and preserve its unity, the PCP believes that it is essential to respect the principles of independence, mutual respect, frank and fraternal debate for better mutual acquaintance and to bring positions closer, non-interference in internal affairs, mutual solidarity. The PCP is well aware of the existence of differences of opinion, even of divergences, which the complexity of the international situation and the diversity of national realities makes practically unavoidable. For the PCP, the problem does not essentially lie in the differences of opinion, as in the methods of work that do not respect tested principles of relationship. The PCP believes that attempts at organisational centralization or political and ideological homogenization do not serve, but rather hamper, the unity of the international Communist and revolutionary movement.

The evolution of the international situation highlights the need for the strengthening and unity of Communists, and between them and all revolutionary, anti-imperialist and peace-loving forces.

Faced with the deepening structural crisis of capitalism and in view of an extensive and complex process of rearrangement of forces at the world level, imperialism is intensifying its exploitative, oppressive and aggressive offensive.

Imperialism, in particular US imperialism, attempts to counter it trend of relative economic decline and to ensure, in articulation with its allies, its hegemony at a world level.

In this context, the exit of the United Kingdom, the growth of the far right, the ongoing militarist drive, among other important aspects that mark the reality of the European Union are an expression of its deep crisis and of an offensive aimed at strengthening its federalist, neo-liberal and militarist pillars.

This is a situation in which there is a growing danger that the most reactionary and aggressive sectors of imperialism will increasingly bet on war and fascism.

Solidarity with the peoples that are victims of imperialism’s threats and aggressions, and a powerful movement for peace and disarmament, are today fundamental tasks.

-/-

At its 20th Party Congress, held at the end of 2016, the PCP reaffirmed its unshakeable determination to continue the struggle in Portugal for an advanced democracy, with the values of the April Revolution in the future of Portugal, as an integral part of the construction of socialism and communism. This struggle needs a break with decades of right-wing policies and a patriotic and left-wing alternative.

A patriotic and left-wing alternative that the PCP proposes, taking into account our national reality, namely the growing economic domination by national and foreign monopoly capital and the political subordination and economic dependence that results from the process of capitalist integration of the European Union.

A patriotic alternative, because the new course and the new policy must break with the growing external subordination and dependence and affirm national sovereignty and a sovereign economic development. A left-wing alternative, because it inscribes the need to value labour and the workers, the materialization of social rights and the social functions of the State, a fairer distribution of income and public control of strategic sectors, with a view to defending workers and the non-monopoly strata and sectors.

This course requires a stronger and reinforced PCP, assuming its vanguard role in close connection with the working class, the workers and the people. It needs daily work in defence of the interests of the workers, the people and the country, for the unwavering and persistent fight against right-wing policies and for the patriotic and left-wing alternative, strengthening the unity of the working class and workers, the commitment to the creation of a broad social front of struggle, for stronger mass organizations and mass movements, the growing activity of the anti-monopoly classes, strata and sectors, the convergence and unity of democrats and patriots, the combination of electoral and institutional action with the action of the masses, the intensification and convergence of the mass struggle, a determining and decisive factor to ensure the success of any project of social change that serves the Portuguese workers and people.

This course raises, as an essential issue, the need for an organisationally stronger PCP, with deeper roots among the workers and the people, linked to the Portuguese reality, articulating the struggle for short-term goals with the struggle for more general goals, reaffirming its Communist identity and its revolutionary project.

-/-

One hundred years after the October Revolution, capitalism, plunged in its structural crisis, is revealing its exploitative, oppressive, aggressive and predatory nature. Capitalism has nothing to offer to the peoples, except an ever greater accumulation, centralization and concentration of wealth, more exploitation, growing injustice and social inequality, attacks against social and labour rights, the denial of democratic freedoms and rights, plunder and destruction of resources, interference and aggression against national sovereignty, militarism and war which, in its imperialist phase, embraces all continents, endangering world peace and the very existence of Humankind. Capitalism is a system that is in permanent confrontation with the aspirations of the workers and peoples.

The disappearance of the USSR and the defeats of socialism in Eastern Europe had an undeniable and profoundly negative impact on the global balance of forces, on the awareness of the masses and on the development of the struggle for socialism. However, the nature of capitalism has not changed, and this reaffirms the demand for its revolutionary overcoming by socialism and communism.

The reality of today's world proves the importance and scope of the October Revolution’s goals and affirms socialism as a demand of the present and the future. The Twentieth Century was not the century of the "death of communism" but the century in which Communism was born as a new and superior form of society. However, this does not erase the recognition that the enterprise of the revolutionary overcoming of capitalism is complex, irregular and uneven, with victories and defeats, advances and setbacks.

Through differentiated paths and stages, in a more or less prolonged historical period, through the struggle for the social and national emancipation of workers and peoples, it is the replacement of capitalism by socialism which, in the 21st Century, remains inscribed as a real possibility and as the most solid prospect for Humankind's development.

It is to this process of struggle and construction that the Portuguese Communists commit themselves with unwavering determination.

Grounded on the firm commitment to the workers and the Portuguese people, affirming its Communist identity, honouring its nature and history as a patriotic and internationalist Party, the PCP will remain steadfast in the struggle for a democratic, developed and sovereign Portugal, in the struggle for an advanced democracy, with the values of the April Revolution in the future of Portugal, having socialism and communism as its goal.


Contribuição do Partido Comunista Português



O Partido Comunista Português saúda fraternalmente os partidos participantes no 19º Encontro Internacional de Partidos Comunista e Operários e, particularmente, o Partido Comunista da Federação Russa, que significativamente nos acolhe na cidade berço da Grande Revolução Socialista de Outubro quando comemoramos o centenário deste acontecimento maior no processo histórico de libertação de todas as formas de exploração e opressão, da luta do movimento comunista e revolucionário internacional.

O PCP celebra o Centenário da Revolução de Outubro promovendo, sob o lema «Socialismo, exigência da actualidade e do futuro», um vasto conjunto de iniciativas em Portugal – com destaque para o grande Comício que realizará a 7 de Novembro –, pondo em evidência o carácter histórico universal da primeira revolução proletária vitoriosa, o grande valor das realizações da nova sociedade e a influência determinante da União Soviética nos avanços progressistas e revolucionários do século XX, assim como o aprofundamento da crise estrutural do capitalismo na actualidade e a exigência da sua superação revolucionária com a construção do socialismo e do comunismo.

O PCP desenvolveu outras diversificadas acções que vão ao encontro de eixos de acção comum ou convergente definidos pelo 18º EIPCO, realizado em Hanoi, em 2016, como: a solidariedade com partidos comunistas que enfrentam a perseguição; a solidariedade com países e povos vítimas da ingerência, bloqueio e agressão do imperialismo; a luta contra o militarismo, a guerra e pela dissolução da NATO; a acção em defesa da paz e pelo desarmamento, a começar pela exigência do fim das armas nucleares – entre outras importantes acções, à semelhança da comemoração do Centenário da Revolução de Outubro.

-/-

Cem anos após aqueles “dez dias que abalaram o mundo” o quadro mundial mudou profundamente, mas a contribuição teórica e prática de Lénine para a conquista do poder pelos trabalhadores e o triunfo do socialismo mantém uma extraordinária actualidade. E se é certo que, como preveniu Lénine, seria errado copiar mecanicamente a experiência dos bolcheviques, erro ainda maior seria olhar para a Revolução de Outubro e para a obra de Lénine como algo irremediavelmente datado e remetido para o museu da História. Não, a odisseia do partido bolchevique e a obra de Lénine, onde teoria e prática se entrelaçam dialecticamente – entre outros importantes aspectos, quanto à fase imperialista do capitalismo, quanto ao Estado e a revolução, quanto ao Partido de novo tipo, quanto ao universal e o particular na luta pelo socialismo, quanto ao papel da classe operária e suas alianças, quanto à diversidade de caminhos para o socialismo – constitui um legado genial, uma inesgotável fonte de reflexão, de experiências e de inspiração para os comunistas e os revolucionários de todo o mundo.

É isso que a história do movimento comunista e revolucionário internacional demonstra inteiramente em aspectos fundamentais, e que, no caso português, a experiência do PCP tem confirmado ao longo dos seus 96 anos de luta, nomeadamente quanto:

- à construção do partido como força independente e vanguarda da classe operária e de todos os trabalhadores, como um “grande colectivo partidário”, profundamente democrático e com uma única orientação geral e uma única direcção central, enraizado nos trabalhadores e no povo, e tendo como base teórica o marxismo-leninismo compreendido não como dogma mas como guia para a acção;

- à elaboração do programa do Partido que, levando em conta a experiência acumulada pelo movimento comunista, assenta fundamentalmente na concreta realidade do nosso País, numa correta definição da etapa da revolução, na correspondente política de alianças sociais e sua expressão no plano político, na articulação dialéctica da luta pela democracia e a luta pelo socialismo;

- à concepção da unidade da classe operária como núcleo da unidade de todas as classes e camadas anti-monopolistas, à prioridade às empresas e locais de trabalho na estrutura orgânica e na acção do Partido, e à consideração da luta popular de massas como forma de luta principal, motor do processo de transformação social e da construção de uma sociedade nova;

- à definição do PCP como partido em que o patriotismo (e a luta em defesa da soberania e independência nacional, que consideramos uma condição fundamental para o combate ao imperialismo) e o internacionalismo (numa ampla e diversificada dimensão anti-imperialista, mas tendo como núcleo o internacionalismo proletário e as relações entre partidos comunistas) são inseparáveis e uma das componentes fundamentais da identidade comunista do nosso Partido.

Fruto do crescimento e do amadurecimento da consciência de classe do movimento operário português, o PCP foi fundado em 1921 sob a influência da Revolução de Outubro, do partido bolchevique e de Lénine, e foi também, aprendendo com as experiências positivas e negativas do movimento comunista e revolucionário internacional que cresceu até se tornar, a partir dos anos quarenta do século passado, em plena clandestinidade, na vanguarda da classe operária e força dirigente da resistência anti-fascista com um papel insubstituível na Revolução de Abril de 1974. Mas foi sobretudo com base no profundo conhecimento da realidade nacional e das suas particularidades, analisadas com critérios marxistas, que foi elaborada a linha estratégica e táctica do Partido e aprovado o Programa da Revolução Democrática e Nacional que, nas suas linhas fundamentais, a Revolução de Abril em Portugal confirmou.

Esta é para o PCP uma experiência que considera ser expressão de teses leninistas fundamentais, em que a análise concreta da situação concreta e a dialéctica do geral e do particular na elaboração da orientação e na definição das tarefas do partido comunista desempenham um papel central. Se um enfoque exagerado nas particularidades nacionais nada tem a ver com o projecto comunista, ignorá-las ou subestimá-las é completamente estranho a Lénine, que sublinhou que «Todas as nações chegarão ao socialismo, isto é inevitável, mas chegarão todas de modo não exactamente idêntico (...)».

Com o avanço do processo contra-revolucionário e a submissão de Portugal à dinâmica da integração capitalista europeia, a reflexão e experiência do PCP levou à adopção, no seu XIX Congresso, do Programa «Uma democracia avançada, os valores de Abril no futuro de Portugal», considerando a actual etapa da revolução no nosso país como a de uma democracia avançada. Uma democracia que, partindo da realidade da primeira e única revolução social na Europa após a Segunda Guerra Mundial e que, apesar de “inacabada”, deixou profundas marcas na sociedade e na consciência dos portugueses, é uma democracia simultaneamente política, económica, social e cultural, que exprime os interesses e aspirações da esmagadora maioria do povo português, tem um conteúdo de classe anti-monopolista e anti-imperialista, e em que muitas das suas tarefas são já tarefas de uma sociedade socialista. Ou seja, entre a etapa da democracia avançada e a etapa socialista da revolução portuguesa, não só não há “uma muralha da China”, como há uma ligação dialéctica a que a luta dos trabalhadores e das massas darão forma, aliás de acordo com a teoria desenvolvida por Lénine da revolução “ininterrupta”. Tal como a Revolução Democrática e Nacional abriu caminho ao socialismo (ainda hoje inscrito no preâmbulo da Constituição Portuguesa) também a democracia avançada por que lutamos na actualidade é parte integrante e inseparável da luta pelo socialismo.

Estes são, em síntese, alguns dos elementos essenciais da experiência do PCP na luta pela conquista do poder pelos trabalhadores portugueses, condição para a realização dos seus objectivos estratégicos que são o socialismo e o comunismo.

-/-

O PCP tem há muito por adquirido que, havendo leis gerais da revolução – como as relativas à importância da teoria, ao papel do partido revolucionário de vanguarda, ao papel da classe operária e das suas alianças, à participação criadora das massas, às questões do poder de Estado e da propriedade dos principais meios de produção, à dialéctica entre o geral e o particular –, não há nem pode haver “modelos” e que os caminhos da completa libertação da exploração capitalista são muito diversificados, como são diversificadas as realidades concretas em que os partidos comunistas e outras forças revolucionárias actuam.

A Revolução de Outubro inaugurou uma nova era na história da Humanidade, a época da passagem do capitalismo ao socialismo, e o facto de vivermos tempos difíceis, em que o imperialismo desenvolve uma perigosa ofensiva e as forças revolucionárias se encontram temporariamente debilitadas, não coloca em causa esta realidade.

Para o PCP tal não significa porém que por toda a parte estejam reunidas as condições para colocar como objectivo e tarefa imediata a revolução socialista. Como a experiência do movimento comunista e revolucionário internacional mostra, a luta pelo socialismo não se desenvolve em linha recta. Desenvolve-se por etapas cuja determinação não é uma questão de vontade nem uma decisão arbitrária, mas o resultado do estudo das características socio-económicas e do sistema político de cada país. Etapas mais ou menos nítidas, mais ou menos ligadas entre si, sendo que na época do imperialismo, em que vivemos, se verifica a aproximação e mesmo o entrelaçamento da etapa nacional-libertadora, democrática ou outra, com a etapa socialista sendo possível transformar uma na outra na condição da hegemonia da classe operária. O PCP tem-lo bem presente na situação concreta de Portugal. Em qualquer caso a experiência dos processos libertadores ao longo do século decorrido desde Outubro mostra que uma revolução para triunfar nos seus objectivos (nacional-libertadores, democráticos ou outros) tem de apontar a perspectiva do socialismo.

Perante o amadurecimento das condições materiais objectivas para a revolução socialista – independentemente da forma que vier a assumir –, o PCP considera que o grande desafio com que os comunistas e outras forças revolucionárias estão confrontados em termos globais – pois a situação é diversificada de país para país – é o de vencer o atraso do factor subjectivo, a começar pelo fortalecimento dos partidos comunistas. Os tempos que vivemos são de resistência e acumulação de forças à escala mundial, que exigem muitos sacrifícios e persistência na realização do laborioso e difícil trabalho de construir fortes partidos comunistas, solidamente enraizados na classe operária e nas massas e dispondo de real influência na vida dos seus países. Para o PCP, este é porventura o maior desafio que se coloca ao movimento comunista e revolucionário e em que muito podemos aprender com a experiência do partido bolchevique. Para o PCP, nada pode substituir o paciente trabalho de massas e a persistência na luta em defesa dos seus interesses concretos e imediatos e as correspondentes convergências e alianças tácticas, com a consciência de que nem esta luta e estas convergências podem levar a esquecer o objectivo final, nem que, em nome do objectivo final, se pode subestimar a decisiva importância da luta por objectivos limitados e negar a evidência de fases e etapas intermédias de luta.

Como sublinhou no seu XX Congresso, realizado em Dezembro de 2016, o PCP considera igualmente que é necessário ter bem presente que as dificuldades e perigos que a actual situação mundial comporta coexistem, em resultado da agudização de todas as contradições fundamentais do capitalismo – entre o capital e o trabalho, entre o desenvolvimento das forças produtivas e as relações de produção, entre a socialização da produção e a sua apropriação privada, num quadro em que opera a lei da baixa tendencial da taxa de lucro – com grandes potencialidades de avanços progressistas e revolucionários. É por isso que considera fundamental que os comunistas estejam bem enraizados nas massas, identificados com os seus interesses e empenhados na sua organização e na sua luta, e confiantes na inevitabilidade da criação de situações de crise de dimensão revolucionária para as quais devem preparar-se, sabendo manejar diferentes formas de luta. Um partido de vanguarda só o será se não o for de e para si mesmo, mas das massas. Esta é também para o PCP uma das mais fortes lições da experiência da Revolução de Outubro, em que, pelo seu persistente trabalho de organização e profunda identificação com os interesses e aspirações da classe operária e das massas populares, o partido bolchevique de partido clandestino se tornou na força dirigente da revolução.

-/-

O PCP considera como um seu dever internacionalista fundamental contribuir para a recuperação e reforço do movimento comunista e revolucionário internacional. Contribuição que passa em primeiro lugar pelo seu próprio reforço e aumento da sua influência junto dos trabalhadores e do povo português. Na concepção do PCP o seu primeiro dever internacionalista é para com a classe operária e o povo de Portugal. Simultaneamente, o PCP procura o estreitamento de laços de amizade, cooperação e solidariedade com os demais partidos comunistas (assim como com outras forças revolucionárias e anti-imperialistas), tendo como eixo o intercâmbio de experiências, a troca de informações para a análise comum da situação internacional e a determinação de iniciativas e linhas de acção comum ou convergente na luta contra o grande capital e de solidariedade com os povos em luta contra as ingerências e agressões do imperialismo.

Não ignorando que existem atrasos e dificuldades neste caminho e apesar de avanços que não subestima, o PCP considera que o movimento comunista e revolucionário internacional ainda não conseguiu recuperar dos duros golpes sofridos com as derrotas do socialismo na União Soviética e no Leste da Europa. Perante a violenta ofensiva politica e ideológica da classe dominante – onde, entre outros aspectos, avultam um feroz anti-comunismo, a perseguição e ilegalização de partidos comunistas e de outras forças democráticas, e gigantescas operações de falsificação da história e da realidade que urge combater – e a probabilidade de uma dura e prolongada fase de resistência e acumulação de forças, desenvolveram-se, por um lado, tendências para o abandono do projecto revolucionário e de adaptação ao sistema, e por outro, tendências dogmáticas e sectárias e manifestações de impaciência e de fuga para diante, apontando a tomada do poder pela classe operária como tarefa universal imediata. Uma grande diversidade de situações e de tarefas de cada partido no plano nacional não facilitaram o desenvolvimento da cooperação multilateral. É neste quadro que o PCP considera necessário reforçar as relações e a cooperação nos planos bilateral e multilateral, para as quais os Encontros Internacionais de Partidos Comunistas e Operários poderão dar um importante contributo, tendo em conta o muito que nos une na luta pelos direitos dos trabalhadores e dos povos e pela superação revolucionária do capitalismo.

Para reforçar o movimento comunista internacional e preservar a sua unidade, o PCP considera fundamental o respeito pelos princípios da independência, respeito mútuo, discussão franca e fraternal para melhor conhecimento recíproco e aproximação de posições, não ingerência nos assuntos internos, solidariedade recíproca. O PCP não desconhece a existência de diferenças de opinião, mesmo de divergências, situação que a complexidade da situação internacional e a diversidade de realidades nacionais torna praticamente inevitáveis. Para o PCP, o problema não está tanto nas diferenças de opinião como em métodos de actuação que não respeitem princípios de relacionamento comprovados. O PCP considera que tentativas de centralização organizativa ou de homogeneização politica e ideológica não servem, antes dificultam, a unidade do movimento comunista e revolucionário internacional.

A evolução da situação internacional coloca em evidência a necessidade do reforço e unidade dos comunistas e entre estes e todas as forças revolucionárias, anti-imperialistas e amantes da paz.

Face ao aprofundamento da crise estrutural do capitalismo e perante um extenso e complexo processo de rearrumação de forças no plano mundial, o imperialismo intensifica a sua ofensiva exploradora, opressora e agressiva.

O imperialismo, em particular o imperialismo norte-americano, procura contrariar a tendência do seu declínio económico relativo e assegurar, em articulação com os seus aliados, a sua hegemonia ao nível mundial.

Neste quadro, a saída do Reino Unido, o crescimento da extrema-direita, a pulsão militarista em curso, entre outros importantes aspectos que marcam a realidade da União Europeia, são expressão da sua crise profunda e de uma ofensiva que visa reforçar os seus pilares federalista, neoliberal e militarista.

Uma situação em que aumenta o perigo dos sectores mais reaccionários e agressivos do imperialismo de apostarem cada vez mais na guerra e no fascismo.

A solidariedade com os povos vítimas das ameaças e agressões do imperialismo e um poderoso movimento pelo desarmamento e a paz, são tarefas fundamentais da actualidade.

-/-

No seu XX Congresso, o PCP reafirmou a sua inabalável determinação de continuar a luta em Portugal por uma democracia avançada, com os valores da Revolução de Abril no futuro de Portugal, parte integrante da construção do socialismo e do comunismo. Este combate passa pela ruptura com décadas de política de direita e por uma alternativa patriótica e de esquerda.

Alternativa patriótica e de esquerda que o PCP propõe tendo em conta a nossa realidade nacional, nomeadamente o crescente domínio económico do capital monopolista nacional e estrangeiro e a consequente subordinação política e dependência económica que resulta do processo de integração capitalista da União Europeia.

Alternativa patriótica, porque o novo rumo e a nova política têm de romper com a crescente subordinação e dependência externas e afirmar a soberania nacional e um desenvolvimento económico soberano. Alternativa de esquerda, porque inscreve a necessidade de valorização do trabalho e dos trabalhadores, a efectivação dos direitos sociais e funções sociais do Estado, uma distribuição do rendimento mais justa e o controlo público dos sectores estratégicos, assumindo a defesa dos trabalhadores e das camadas e sectores não monopolistas.

Esse caminho passa por um PCP mais forte e reforçado, assumindo o seu papel de vanguarda em estreita ligação à classe operária, aos trabalhadores e ao povo. Passa por uma acção quotidiana em defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo e do País, pelo combate firme e persistente à política de direita e pela alternativa patriótica e de esquerda, pelo reforço da unidade da classe operária e dos trabalhadores, pelo empenhamento na formação de uma vasta frente social de luta, pelo fortalecimento das organizações e movimentos unitários de massas, pela crescente intervenção do conjunto das classes, camadas e sectores anti-monopolistas, pela convergência e unidade dos democratas e patriotas, pela conjugação da acção eleitoral e institucional com a acção de massas, pela intensificação e convergência da luta de massas factor determinante e decisivo para assegurar o êxito de qualquer projecto de transformação social que sirva os trabalhadores e o povo português.

Um caminho que coloca como questão essencial o reforço orgânico do PCP, aprofundando o seu enraizamento nos trabalhadores e no povo, a sua ligação à realidade portuguesa, articulando a luta por objectivos imediatos com a luta pelos seus objectivos mais gerais, reafirmando a sua identidade comunista e o seu projecto revolucionário.

-/-

100 anos após a Revolução de Outubro, o capitalismo, mergulhado na sua crise estrutural, expõe a sua natureza exploradora, opressora, agressiva e predadora. O capitalismo nada mais tem a oferecer aos povos senão uma cada vez maior acumulação, centralização e concentração da riqueza, o agravamento da exploração, o aumento das injustiças e desigualdades sociais, o ataque a direitos sociais e laborais, a negação de liberdades e direitos democráticos, a usurpação e destruição de recursos, a ingerência e a agressão à soberania nacional, o militarismo e a guerra, que na sua fase imperialista leva a todos os continentes, pondo em perigo a paz mundial e a própria existência da humanidade – o capitalismo é um sistema que está em permanente confronto com as aspirações dos trabalhadores e dos povos.

O desaparecimento da URSS e as derrotas do socialismo no Leste da Europa tiveram um inegável e profundo impacto negativo na correlação de forças mundial, na consciência das massas e no desenvolvimento da luta pelo socialismo. No entanto, a natureza do capitalismo não se alterou, o que reafirma a exigência da sua superação revolucionária pelo socialismo e o comunismo.

A realidade do mundo de hoje comprova a importância e alcance dos objectivos da Revolução de Outubro e afirma o socialismo como exigência da actualidade e do futuro. O século XX não foi o da «morte do comunismo», mas o século em que o comunismo nasceu como forma nova e superior de sociedade. No entanto. tal não anula o reconhecimento de que o empreendimento da superação revolucionária do capitalismo é complexo, irregular e acidentado, comportando vitórias e derrotas, avanços e recuos.

Por diferenciados caminhos e etapas, num prazo histórico mais ou menos prolongado, através da luta da emancipação social e nacional dos trabalhadores e dos povos, é a substituição do capitalismo pelo socialismo que, no século XXI, continua inscrita como uma possibilidade real e como a mais sólida perspectiva de evolução da humanidade.

É nesse processo de luta e de construção que os comunistas portugueses se entregam com inabalável determinação.

Alicerçados no firme compromisso com os trabalhadores e o povo português, afirmando a sua identidade comunista, honrando a sua dimensão e percurso de partido patriótico e internacionalista, o PCP continuará firme na luta por um Portugal democrático, desenvolvido e soberano, por uma democracia avançada, com os valores da Revolução de Abril no futuro de Portugal, tendo como objectivo o socialismo e o comunismo.

Events

September 18, 2020 - September 19, 2020 - Barcelona 2nd Congress of Communists of Catalonia
November 27, 2020 - November 29, 2020 - Portugal XXI Congress of the Portuguese Communist Party
September 3, 2021 - September 5, 2021 - Portugal 45th edition of the «Avante!» Festival