15 IMCWP, Contribution of CP of Israel [En., Pt.]

11/10/13 12:10 PM
  • Israel, Communist Party of Israel IMCWP En Pt

Contribution by Dr. Ofer Casif, member of the Political Bureau of the C.C. of the Communist Party of Israel, to the15th International Meeting of Communist and Workers Parties held in Lisbon, Portugal on 8-10 November 2013

Dear Comrades and friends,

The CPI salutes you all – communist and workers' parties of the world, and convey revolutionary greetings to all the delegates that participate in this distinguished conference. Special greetings to the PCP whose courageous revolutionary history is well known and appraised by all: its continuous struggle under the leadership of comrade Álvaro Cunhal against the authoritarian Estado Novo and its colonialist and fascist tendencies, its role in the Carnation Revolution and the democratization of Portugal – are all celebrated by communists and workers' movements around the globe. I would also like to take this opportunity and send our greetings to the Lebanese and to the Syrian Communist Party on their 89th anniversary, and salute them on their continuous struggle against imperialist and Zionist intervention, and for free and just Lebanon and Syria.

Dear comrades,

If I may quote comrade Rosa Luxemburg, it seems that particularly nowadays the world as a whole faces two options only: socialism or barbarism. When capitalism runs amok and destructively tries to invade wherever and however it can; when imperialist powers (primarily USA and EU) are systematically in the offense, when the people's rights to democracy and social justice, control of natural resources and wellbeing are under vicious attack by imperialism, capitalism, chauvinism and xenophobia – it's our obligation, not solely right, to join forces and fight back our common enemies, namely capitalists and their allies. If we fail in doing so, thus pave the way to our foes and their malicious master plan, we will be doomed forever. Let us unite and defeat that evil empire of poverty and corruption, violence and exploitation, wars and depression.

Dear friends,

The situation in Israel proper as well as in the Palestinian Occupied Territories is grave. As far as the occupation is concerned, Israel colonization of the territories is not only going on under the auspices of USA and its financial and political support, but actually only getting deeper and crueler. Natural resources like water and land are regularly robbed by Israeli Zionist authorities for the sake of Jewish settlers; Palestinians' freedom of movement, worship and assembly are strictly limited; peaceful demonstrators and non-violent protesters are often arrested, beaten, and occasionally even shot; and trees, fields and other assets owned by Palestinians are burnt and damaged on a daily basis by Jewish settlers, while Israeli soldiers and other officials ignore that fascist vandalism – as if we were talking about KKK in Alabama under George Wallace.

The levels of poverty and unemployment in the Palestinian territories are also significant, primarily due to Israeli blockade on Gaza and the constraints the Israeli government imposes on the Palestinian economy in the West Bank and East Jerusalem (e.g., the massive prevention of Palestinian workers to work within Israel proper). PCBS (Palestinian Central Bureau of Statistics) reports that 25.7% of Palestinians live in poverty, and nearly one quarter of Palestinian youth are classified as poor. Poverty rates are higher in the Gaza Strip with 38% living in poverty, compared to 18.3% in the West Bank. Also, about 33% of Palestinian youth are unemployed, with the highest unemployment rate among young people with higher education (nearly half of all graduates are unemployed). Israeli authorities also repeatedly employ arbitrary detentions and house demolitions, and frequently harass human rights organizations (e.g., Addameer).

The brutal colonialist regime that Israeli Zionist governments have been retaining for decades in the Palestinian occupied territories is accompanied by vicious capitalist and racist policies in Israel proper. Israel has one of the highest poverty levels in the OECD, one of the highest levels of inequality, and one of the lowest achievement levels in international school tests.

According to the Israel Central Bureau of Statistics, a third of Israelis are in risk of falling below the poverty line, whereas no less than 40% of Israel’s children are at risk of poverty. The statistic shows a 5% increase during the decade since 2001 – the sharpest rise in comparison to the European Union, aside from Germany and Sweden. Taub Center for Social Policy Studies in Israel found that 21% of the elderly in Israel live below the poverty line even after receiving assistance. A recent report by OECD shows that Israel has become the poorest of all developed countries, as it were, and fifth with regard to rich-poor gap – only after Chile, Mexico, Turkey and USA. In fact, the real situation in Israel is much worse – given that the definitions of poverty, income gaps and alike that are employed by the OECD and the Israel Central Bureau of Statistics (e.g., the Gini Coefficient) are rather biased and underrate the genuine facts so as to present a better picture at the service of the ruling classes and their bourgeois governments.

Needless to say, the socioeconomic state of affairs in Israel is a direct by-product of the neo-conservative policy of Israeli governments, at least in the last decade, whose gist is basically one: privatization, privatization, and more privatization. Another result of that policy, apparently an intentional one, is the socioeconomic circumstances of the Arab-Palestinian citizens in Israel, which constitute more than 20% of the overall citizenry. The rates of unemployment and poverty among them is the highest. Thus, according to Adalah report, over half of all Arab families in Israel live in poverty and of the 40 towns in Israel with the highest unemployment rates, 36 are Arab towns.

The most deprived population in Israel is the Arab Palestinian Bedouin of Al Naqab. Not only that that population is the poorest, with the least access to healthcare, education and other social services, but a great part of its communities live in historic villages which the governments of Israel consistently refuse to recognize and supply with elementary goods such as running water and electricity. Furthermore, just a few weeks ago the Israeli parliament (the Knesset) enacted the infamous Prawer Law whose realization is going to confiscate 800,000 dunums of land in Al Naqab and expel over 50,000 Bedouins from their native land and residence. This inhumane plan will also lead to the demolition of 35 historic Arab villages that the governments of Israel continuously refuse to recognize, and will confine 30% of Arab Bedouins in Al Naqab to 1% of the land.

Dear comrades,

In the last few years, the Zionist capitalist governments of Israel have been waging a war of a fascist character against the remnants of bourgeois democracy that still exist in Israel. A sequence of governmental bills were proposed aiming to abolish the independence of the courts, limit the freedom of the press, simplify the persecution of asylum seekers and refugees (primarily from Africa), repress the right to strike, and to restrict civil society – practically human rights organizations and leftist groups. I would like to draw your attention to two particularly heinous laws, the first would be the "Bill for prevention of damage to the State of Israel through boycott", which was enacted in July 2011. In this law, "Anyone who publishes a public call for a boycott of the state of Israel and its content, and circumstances may reasonably be expected to lead to a boycott, and the publisher is aware of this possibility – is committing a civil wrong and the law of Tort [new version] shall apply to him/her."

The other law is the racist "Israel Lands Law (Amendment No. 3)", from April 2011. The Law dictates that "foreigners" shall not have land rights, i.e., a right of ownership, or a right to lease land for periods that total more than five years. Foreign, says the law, includes those who are not "entitled to immigrate to Israel under the Law of Return", i.e., non-Jews.

Dear comrades,

As Marxist-Leninists, we know that reality should be analyzed as a totality. Indeed, the abovementioned elements are dialectically interrelated and together constitute one whole: a totality of capitalism interwoven with Zionist colonialism and racism. In the case of Israeli governments and ruling classes, Zionism and politics of fear are regularly used in order to divide the working class and the exploited strata as a whole and rule them by means of panic and intimidation. Thus, instead of directing their rage against their exploiters and oppressors, Israeli masses (especially the Jewish ones) are encouraged by those ruling forces to aim their anger and frustration at Arabs, refugees and other "outsiders". Incidentally, that is the way we have to analyse Netanyahu's enthusiasm to describe Iran as the archenemy of humankind: fear serves him and his allies better than any peace or compromise, let alone justice or democracy.

If thus far the picture I depicted was quite gloomy, I would like to conclude with some optimism. The Philosopher Voltaire said that the history of humanity consists of all maladies, crimes, disasters and madness. Voltaire might have been right, but his words depicted only one-half of the picture; the other half would be the struggle against those maladies, crimes, disasters and madness. Led by the Arab-Jewish partnership of the CPI and Hadash (The Democratic Front for Peace and Equality), the aforementioned misconducts and criminalities committed by Zionist governments and their allies always encounter public objection; wherever and whenever there is a misconduct, there we are opposing it with all possible power. On behalf of the CPI, I would like to call you to support our struggle against the occupation, against Zionist racism and injustice, for real democracy and socialism in Israel, and for the establishment of a truly sovereign and independent Palestinian state on the territories occupied by Israel in June 1967, with East Jerusalem as its capital.

It is important to bear in mind that fighting capitalism and imperialism necessitates a struggle against their collaborators and associates; in the Middle-East, it means an unequivocal battle against Zionism just as against Arab reactionary regimes and movements.

Hasta la victoria siempre! Venceremos!

Partido Comunista de Israel

Contribuição do Partido Comunista de Israel ao XV Encontro Internacional de Partidos Comunistas e Operários realizado em Lisboa, Portugal, de 8 a 10 de novembro de 2013.

Queridos camaradas e amigos,

O Partidos Comunista de Israel saúda revolucionariamente a todos vocês, delegados dos partidos comunistas e operários do mundo que participam desta importante conferência.

Saudações especiais ao PCP, cuja corajosa história de luta revolucionária é conhecida e apreciada por todos: sua luta contínua, sob a liderança de Álvaro Cunhal, contra o Estado Novo autoritário e suas tendências colonialistas e fascistas; seu papel na Revolução dos Cravos e na democratização de Portugal. Toda esta história é celebrada pelos movimentos comunistas e operários ao redor do mundo. Também gostaria de aproveitar a oportunidade para saudar os Partidos Comunistas Libanês e Sírio em seu 89º aniversário, e parabenizá-los por sua luta contínua contra as intervenções imperialistas e sionistas e por liberdade e justiça no Líbano e na Síria.

Queridos camaradas,

Citando a camarada Rosa Luxemburgo, parece que hoje em dia mais do que nunca o mundo como um todo enfrenta a alternativa: socialismo ou barbárie. Quando o capitalismo entra em fúria e tenta, destrutivamente, invadir onde e como possa; quando as potências imperialistas (tendo à frente EUA e UE) passam sistematicamente à ofensiva; quando os direitos dos povos à democracia e justiça social, controle sobre os recursos naturais e Bem-Estar são todos postos sob o ataque perverso do imperialismo, do capitalismo, do chauvinismo e da xenofobia; quando tudo isto ocorre, é nossa obrigação somar esforços e revidar contra nossos inimigos, nomeadamente o capitalismo e seus asseclas. Se falharmos no cumprimento desta tarefa, o caminho estará pavimentado para nossos inimigos e seu plano daninho, e nós estaremos condenados. Nos unamos e derrotemos o império da pobreza e da corrupção, da violência e da exploração, das guerras e da depressão.

Caros amigos,

A situação em Israel e nos Territórios Palestinos Ocupados é grave. No que diz respeito à ocupação, a colonização israelense dos territórios não apenas continua – sob os auspícios e o apoio financeiro e político dos EUA –, mas se torna cada vez mais profunda e cruel. Recursos naturais como água e terras são reiteradamente roubados pelas autoridades sionistas israelenses em favor dos colonos judeus; as liberdades de movimento, de culto e de reunião dos palestinos são estritamente limitadas; manifestantes pacíficos e adeptos da não-violência são frequentemente presos, agredidos e por vezes mesmo baleados; árvores, campos e outros bens de propriedade de palestinos são queimados e danificados diariamente por colonos judeus, sob os olhares complacentes do Exército israelense que ignora este vandalismo fascista – como na época da KKK no Alabama sob George Wallace.

Os níveis de pobreza e desemprego nos territórios palestinos são significativos, primeiramente devido ao bloqueio israelense em Gaza e às restrições que Israel impõe à economia palestina na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental (como aquelas relativas ao trabalho de palestinos em Israel). O ECPE (Escritório Central Palestino de Estatísticas) mostra que 25,7% dos palestinos vivem na pobreza, e cerca de um quarto dos palestinos jovens pode ser classificado como pobre. Os níveis de pobreza são ainda mais altos na Faixa de Gaza, com 38% vivendo na pobreza, contra 18,3% na Cisjordânia. Ainda: 33% dos jovens palestinos estão desempregados, sendo a taxa mais alta de desemprego entre jovens com educação superior (cerca da metade de todos os graduados está desempregada). As autoridades israelenses repetidamente recorrem a detenções arbitrárias e demolições de casas, além de perseguirem organizações de defesa dos direitos humanos (por exemplo Addameer).

O brutal regime colonialista que os governos sionistas de Israel vêm sustentando por décadas nos territórios ocupados é acompanhado por perversas políticas capitalistas e racistas dentro de Israel. O país tem, em consequência, um dos níveis mais altos de pobreza na OCDE, um dos níveis mais altos de desigualdade social, e um dos mais baixos em testes escolares internacionais.

De acordo com o Escritório Israelense de Estatísticas, um terço dos israelenses corre o risco de cair abaixo da linha de pobreza, sendo que não menos de 40% das crianças israelenses correm o mesmo risco. As estatísticas mostram um acréscimo de 5% durante a década seguinte a 2001 – o maior acréscimo em comparação com a União Europeia à exceção de Alemanha e Suécia. O Centro Taub de Estudos em Políticas Sociais, em Israel, mostrou que 21% dos idosos em Israel vivem abaixo da linha de pobreza mesmo após receberem assistência. Um relatório recente da OCDE mostrou que Israel se tornou o mais pobre dentre os países desenvolvidos, ocupando o quinto lugar no quesito distância entre ricos e pobres – ficando atrás apenas de Chile, México, Turquia e EUA. Na verdade, a situação real em Israel é ainda pior, já que as definições de pobreza, de desigualdades de renda e outras são distorcidas para subestimar os fatos reais e apresentar um quadro menos desfavorável, em benefício das classes dominantes e de seus governos burgueses.

Não deveria ser nem necessário dizer que o estado socioeconômico de Israel é um produto direto das políticas neoconservadoras dos governos israelenses, cuja palavra de ordem na última década tem sido apenas uma: privatização, privatização e privatização. Outro resultado desta política, aparentemente intencional, são as circunstâncias socioeconômicas em que vivem os cidadãos árabes-palestinos – que constituem mais de 20% do número total de cidadãos – em Israel. As taxas de desemprego e pobreza entre eles são as mais altas. De acordo com o relatório Adalah, mais da metade de todas as famílias árabes de Israel vive abaixo da linha de pobreza e, das 40 cidades em Israel com os mais altos índices de desemprego, 36 são cidades árabes.

O povoado mais carente em Israel é Al Naqab, árabe palestino beduíno. Os problemas não são apenas a pobreza, a falta de acesso a cuidados médicos, educação e outras políticas sociais. Grande parte das comunidades constitutivas do povoado vive em vilas históricas que o governo de Israel se recusa a reconhecer e prover com os serviços básicos como saneamento básico e eletricidade. Ainda mais: há poucas semanas, o parlamento israelense (o Knesset) aprovou a infame Lei Prawer, cuja implementação confiscará 800.000 dunums de terra em Al Naqab e expulsará 50.000 beduínos de suas residências e da terra em que nasceram. Este plano desumano também acarretará na demolição de 35 vilas árabes históricas, que os governos de Israel continuam se recusando a reconhecer, e confinará 30% dos beduínos árabes em Al Naqab em 1% da terra.

Queridos camaradas,

Nos últimos anos, os governos capitalistas sionistas de Israel vêm conduzindo uma guerra de caráter fascista contra os vestígios de democracia burguesa que ainda existem em Israel. Uma sequência de decretos governamentais foi proposta objetivando abolir a independência dos tribunais, limitar a liberdade de imprensa, desobstruir a perseguição de refugiados e asilados políticos (principalmente provenientes da África), reprimir o direito à greve, restringir a vida da sociedade civil – praticamente composta por organizações em defesa dos direitos humanos e grupos de esquerda. Gostaria de chamar a atenção para duas leis particularmente chocantes. A primeira, o “Decreto para a prevenção do dano ao Estado de Israel através de boicote”, que foi aprovado em julho de 2011. De acordo com esta lei, “Qualquer um que faça uma chamada pública por um boicote ao Estado de Israel e a seu conteúdo, ou no caso em que as circunstâncias deixem clara a expectativa de tal boicote e que isto esteja claro a quem publicar o texto, está cometendo um delito civil e a lei Tort (nova versão) se aplicará a ele ou a ela”. A outra lei é a racista “Lei de Terras de Israel (Emenda 03)”, de abril de 2011. De acordo com esta lei, “estrangeiros” não têm direitos sobre a terra, por exemplo o direito de propriedade, nem tampouco o direito de alugar a terra por mais de 05 anos. Estrangeiros, diz a lei, são todos aqueles que “não tem o direito de imigrar para Israel sob a Lei do Retorno”, ou seja: todos os não-judeus.

Queridos camaradas,

Como marxistas-leninistas, sabemos que a realidade deve ser analisada como uma totalidade. De fato, os elementos enumerados acima estão dialeticamente inter-relacionados e juntos constituem um todo: um todo de capitalismo mesclado com colonialismo sionista e racismo. No caso do governo de Israel e das classes dominantes, a política do medo e o sionismo são utilizados regularmente para dividir a classe trabalhadora e os setores explorados como um todo, e governar por meio do pânico e da intimidação. Por isso, ao invés de dirigir sua fúria contra os exploradores e opressores, as massas israelenses (especialmente os setores judeus) são encorajadas pelos poderes constituídos a dirigir a raiva e a frustração aos árabes, aos refugiados e aos outros “outsiders”. É este o caminho para compreendermos o entusiasmo de Netanyahu descrevendo o Irã como o arqui-inimigo da humanidade: o medo serve a ele e a seus aliados melhor do que qualquer compromisso de paz, do que a justiça ou a democracia.

Sabendo que o quadro que apresentei é muito sombrio, gostaria de concluir com algum otimismo. Voltaire afirmou que a história da humanidade se constitui de doenças, crimes, desastres e loucura. Voltaire talvez estivesse certo, mas suas palavras mostravam apenas um lado do cenário: o outro lado é a luta contra estas doenças, crimes, desastres e loucura. Conduzida em Israel pela parceria árabe-judia do Partido Comunista de Israel e do Hadash (a Frente Democrática pela Paz e pela Igualdade), as desmandos e crimes cometidos pelo Estado sionista de Israel e seus aliados sempre encontram objeção pública: sempre e em todo lugar em que há um desmando, estamos lá nos opondo com toda a força. Em nome do PC israelense eu gostaria de chamá-los a apoiar nossa luta contra a ocupação, contra o racismo sionista e contra a injustiça, por democracia real e socialismo em Israel, pelo estabelecimento de um Estado Palestino verdadeiramente independente e soberano nos territórios ocupados por Israel em junho de 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital.

É importante ter sempre em mente que lutar contra o capitalismo e o imperialismo exige que lutemos contra seus colaboradores e associados; no Oriente Médio, isso significa uma batalha sem tréguas e sem concessões contra o sionismo, assim como contra os regimes e movimento reacionários árabes.

Hasta la victoria siempre! Venceremos!

Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB).

Events

September 4, 2020 - September 6, 2020 - Atalaia - Seixal Avante Festival
October 2, 2020 - October 4, 2020 - Torrejón de Ardoz (Madrid, Spain) XI Congress of CP of the Peoples of Spain
November 27, 2020 - November 29, 2020 - Portugal XXI Congress of the Portuguese Communist Party