15 IMCWP, Contribution of CP of Brazil [En., Pt.]

11/10/13 7:20 PM
  • Brazil, Communist Party of Brazil IMCWP En Pt

Contribution of the Communist Party of Brazil (PC do B) to the 15th International Meeting of Communist and Workers Parties (IMCWP)

Lisbon, Portugal

Comrades,

  1. The Communist Party of Brazil (PC do B) welcomes the Portuguese Communist Party, and in its name, the workers and the people of Portugal, waging a robust and combative struggle in defense of the nation, the gains of the April Revolution, democracy, economic and social rights development in a context of great difficulties. At this time, when honoring the PCP, we join the tributes to the great Portuguese communist revolutionary, Álvaro Cunhal, whose centenary birth is celebrated this year.
  2. In our days, the international situation is characterized by uncertainty, instability, conflicts and threats to peace, national independence and sovereignty and the rights of peoples. The crisis of capitalism, entering its sixth consecutive year, persists and shows no signs of cooling; on the contrary, proves to be of long and unpredictable duration.

  3. Monopolies, composed of large financial conglomerates, and the political forces and governments that serve to them, seek to throw the burden of the crisis onto the workers, reducing labor's share in national income levels and increasing the dramatic situation of exploitation and unemployment. Internationally, the U.S. and the imperialist countries of Europe maneuver with measures that seek to impose on developing countries the effects of the crisis, manipulating the exchange rate with the so-called "unconventional" monetary policies and proposing new round of trade liberalization through asymmetric treaties, seeking to increase exports to developing countries at any cost.

  4. Developing countries, especially those endowed with large domestic mass markets and under expansion, seek to resist the crisis advocating, to a greater or lesser degree, their national economies. This is the case of the BRICS countries, which not only denounce the maneuvers of the imperialist countries, but also take important measures to resist the impositions of the dominant international financial system. Measures such as trade among BRICS in their national currency – putting into question the domain of the dollar as dominant currency –, the recent creation of a common fund reserves, and the imminent creation of the Development Bank of the BRICS are some examples of these important actions.

  5. The alliance of the BRICS countries is perhaps the most visible movement of a major contemporary international trend of transition in the context of the world powers, with the decline of U.S. hegemony. The current capitalist crisis accelerates this transition, which simultaneously generates, as we said, more uncertainty, instability and conflict.

  6. This escalation of instability we fear can lead to a new wave of wars of aggression. The U.S. president, Barack Obama, in a recent speech at the UN, breaks down any illusions about his conversion to multilateralism. On that occasion, Obama not only declared his adhesion - if anyone doubted it - to the thesis of American exceptionalism, but also renewed its threats against Syria, continuing the State action that moves the United States in an attempt to reconfigure the Middle East. At this time, the communists of the world should reaffirm their support and solidarity with the Syrian people, for the defense of the sovereignty and territorial integrity of Syria, now in the spotlight of the continuing onslaught of American imperialism against the peoples of the world.

  7. Likewise, in the analysis of the international situation, we propose that the communist parties renew their solidarity with the peoples of Latin America, important popular resistance laboratory and which has been giving it contribution to the revival of the struggle for socialism in the world, based on its unique conditions - "no decal or copy," as the distinguished Peruvian Marxist, José Carlos Mariategui, said in his famous quote. At this point, the countries of Latin America face an imperialist and rightwing counteroffensive in each country, but follow the course of deepening progressive changes, seeking to renew the goals and objectives of the political cycle that began in 1998, and which has completed 15 years in 2013 .

  8. The countries of the socialist regime, in Asia – China, Vietnam, Laos and the People´s Republic of Korea –, as well as in Latin America the Caribbean – Cuba –, have played a prominent role in the struggle of the peoples. Their strength as sovereign nations, their efforts to make their people, under the leadership of communist parties, in order to enable the national development strategies and the transition to socialism, their actions and international cooperation for peace, have support and solidarity of PCdoB.

  9. In the current phase, the new struggle for socialism, beyond the socialist regimes, one must understand and also support the new capabilities and new revolutionary processes that begin to awaken and develop, especially in Latin America.

Comrades,

  1. In just one week begins the 13th Congress of the Communist Party of Brazil, to be held in São Paulo and to which many of your parties will give us the honor of attending. The biggest event of the Brazilian communists under the motto "Advancing on changes," big challenge for the next period for our Party and our people.
  2. The central theme of the 13th Congress of PCdoB is holding a large stock of advances and dilemmas faced by democratic and popular forces in the last decade, a period in which a broad coalition of political and social forces is ahead of the government of Brazil. That is, since 2003, a new government takes office in Brazil, as the product of the protracted struggle against the previous government and its neoliberal policies. To take stock of the meaning of this decade is the basis for renewing the goals aimed at advancing more, which is the greatest aspiration of the Brazilian communists and our people´s.

  3. President Lula took over the national government in Brazil inheriting what was called "a cursed legacy”. Since the crisis of the national developmental period of the late 70´s, Brazil entered into two decades of regression and prevalence of neoliberal orientation. The "cursed legacy" prevented further progress and limited the pace of change.

  4. Having participated and been active player in the unit that led the leftist parties and a broad coalition to the national government since 2003, the Communist Party of Brazil from the beginning assumed, for the first time in its history of over 90 years, responsibilities under the federal government. Since then, the party is replaced by a new tactical guidance to advance the accumulation of revolutionary forces, and popular mobilization as a driving force of change and jockeying for position in the elections, parliamentary and majoritarian elections, as occurs today in most countries of Latin America.

  5. Participation in the federal government and sub-national governments and parliaments is combined with two other dimensions of a system of party work aiming to promote the accumulation of revolutionary forces. Other dimensions are the movement of workers and popular masses and the struggle of ideas.

  6. PCdoB carries out the balance of this decade of democratic and progressive governments in Brazil - first with the election of President Lula in 2002 and since 2010, with President Dilma - with reference to the Socialist Program of our Party. A decade that begins with what our Party understands to be a period of transition and of struggle for a new National Development Program to pave the way to a achievement of the political power by the vanguard forces and for a revolutionary rupture to lead Brazil into socialism. This Brazilian path to socialism is not without contradictions, and even partial defeats.

  7. We understand that in the last decade our country has recorded significant progress. The country had a sovereign foreign policy, advocating causes dear to developing countries and peoples, especially platforms such as the opposition to imperialist wars and the defense of the rights of peoples to develop autonomous national projects. Brazil also promoted the integration with the countries of South America and Latin America and the Caribbean, and alliances with developing countries in other continents. We have progressed in the democratization of the State, now more open to the people and their organizations, even though we still face a struggle for the democratization of the media. We have also progressed in terms of more rights for workers and peoples through active policies of income distribution and valoration of labor, fighting against a legacy of high levels of social inequality.

  8. A strong reaction of the right-wing forces, supported by the media monopoly, tried to destabilize the government of President Lula in 2005. At this time the labor movement and other social movements defended the mandate of the president and rejected the action coup. The second Lula government, from 2007, marked a new phase, with a resumption of the state's role in promoting economic development, particularly in fostering infrastructure, in the expansion of social policies, and soon after, in the search to regain control by the State over the huge oil reserves discovered in the South Atlantic and also over Petrobras itself.

  9. The election of President Dilma Rousseff in 2010 marks the third victory of democratic and popular forces. Her election gives rise to a third phase in the trajectory experienced during the decade, where advances in macroeconomic policy change, making a strong cut in interest rates and devaluing the currency, seeking to create conditions more conducive to economic development.

  10. In June this year, massive popular demonstrations came about in all large and medium cities. The schedule of events, diffuse, seeked to defend better living conditions, particularly higher quality in health and education. Quickly, the monopolized media and sectors of the rightwing attempted to influence the mobilization campaign against strong political organization, trade unions and popular organizations - with outstanding destabilizing purposes.

  11. PCdoB, which since its 2009 Congress had been advocating the need for profound structural reform agenda as the basis for the government to go further in achieving changes, reaffirmed and continues to reaffirm this question. President Dilma rightly proposed to rely on the strength of the streets to carry out these reforms and thus proposed initiatives that are based on the schedule that you hear on the streets - and in turn, the thesis that our party had been arguing with emphasis, for example the allocation of resources of the oil revenues of the pre-salt to education and health, and the binding of 10% of GDP to education by 2020.

  12. The next period poses a challenge that our 13th Congress has been describing as the need for a "new rush"; that is, the need to advance the progressive agenda. For this, the great challenge facing the national plan is to win a fourth victory of the people in the presidential and parliamentary elections in 2014, developing a clearer progressive program, and strengthening a popular and advanced block to fight for change.

Comrades,

  1. We conclude with the appreciation of the critical importance of the unity of the international communist movement in the current global context. The current process of International Meeting of Communist and Workers Parties need to continue in the next period as an important forum for discussion and united action of our movement.

  2. For this we must promote our political and ideological unity, which exists and is based on Marxism-Leninism, while respecting the different strategic positions and tactics of each party, defined based on specific national and continental realities.

  3. We must absolutely not get lost in smaller debates on organizational forms. In our opinion, long has been the time when the international communist movement needed a single center and had a unique strategy. Our challenge is to get the highest possible degree of ideological and political unity, and develop joint actions and internationalist campaigns.

  4. There are major challenges which summon the communist and workers parties in a historical context of structural and systemic crisis of capitalism, instability, wars and uncertainties. A lot of drive and a lot of determination and perseverance will be needed to face this historical period, in the long journey towards the emancipation of the world proletariat.

Long live Marxism-Leninism and internationalism!

Long live the unity of the communist and workers parties!

Contribuição do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) ao 15º Encontro Internacional de Partidos Comunistas e Operários (EIPCO) Lisboa, Portugal

Camaradas,

  • O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) saúda o Partido Comunista Português, e em seu nome, os trabalhadores e o povo de Portugal, que travam uma robusta e combativa luta em defesa da nação, das conquistas da Revolução de Abril, da democracia, do desenvolvimento econômico e dos direitos sociais, num quadro de grandes dificuldades. Neste momento, ao homenagear o PCP, nos somamos às homenagens ao grande comunista e revolucionário português, Álvaro Cunhal, que este ano completa seu centenário de nascimento.
  • Em nossos dias persiste e se aprofunda uma situação internacional caracterizada por incertezas, instabilidades, conflitos e ameaças à paz, à independência e soberania nacional e aos direitos dos povos. A grave crise do capitalismo, ao entrar em seu sexto ano consecutivo, persiste e não dá sinais de arrefecimento, ao contrário, demonstra ser de longa e imprevista duração.
  • Os monopólios, hoje grandes conglomerados financeiros, e as forças políticas e os governos que a eles servem, buscam jogar o ônus da crise aos trabalhadores, diminuindo a participação do trabalho na renda nacional e aumentando a níveis dramáticos a situação de exploração e desemprego. No plano internacional, os EUA e os países imperialistas da Europa manobram com medidas que buscam fazer recair sobre os países em desenvolvimento os efeitos da crise, através de manipulações do câmbio e das chamadas politicas monetárias “não-convencionais”, e por meio da proposição de nova rodada de liberalização comercial através de tratados assimétricos, buscando a qualquer custo aumentar as exportações aos países em desenvolvimento.
  • Os países em desenvolvimento, sobretudo aqueles dotados de grandes mercados internos de massas e em expansão, buscam resistir à crise defendendo, em maior ou menor grau, suas economias nacionais. É o caso dos países BRICS, que não apenas denunciam as manobras do países imperialistas, como tomam medidas importantes para resistir às imposições dominantes do sistema financeiro internacional. Medidas como o comércio entre os BRICS em sua moeda nacional – pondo em questão, tendencialmente, o domínio do dólar como moeda dominante –, a criação recente de um fundo comum de reservas, e a iminente criação do Banco de Desenvolvimento dos BRICS são alguns exemplos dessas importantes ações.
  • A aliança dos países BRICS talvez seja o movimento de maior visibilidade de uma grande tendência internacional contemporânea que é a transição no quadro mundial de forças, com o declínio da hegemonia estadunidense. A atual crise capitalista acelera essa transição, o que ao mesmo tempo gera, como dissemos, mais incertezas, conflitos e instabilidade.
  • Nesta escalada de instabilidade, preocupa uma nova onda de guerras de agressão. O presidente norte-americano, Barack Obama, em recente discurso na ONU, faz cair por terra qualquer ilusão sobre sua conversão ao multilateralismo. Nessa ocasião, Obama não apenas declarou sua adesão – se é que alguém o duvidava – à tese do excepcionalismo estadunidense, como renovou suas ameaças à Síria, dando continuidade à ação de Estado que move os Estados Unidos no sentido de tentar reconfigurar o Oriente Médio. Nesse momento, os comunistas do mundo devem reafirmar seu apoio e sua solidariedade ao povo sírio, à defesa da soberania e da integridade territorial da Síria, alvo da vez da permanente investida do imperialismo norte-americano contra os povos do mundo.
  • Da mesma maneira, na análise da situação internacional, propomos que os partidos comunistas renovem sua solidariedade aos povos da América Latina, importante laboratório de resistência popular que vem dando sua contribuição ao relançamento da luta pelo socialismo no mundo, a partir de suas condições singulares – “sem decalque nem cópia”, como dizia o amauta marxista peruano, José Carlos Mariategui, na sua celebre frase. Nesse momento, os países da América Latina enfrentam uma contra-ofensiva imperialista e da direita em cada país, mas seguem aprofundando o curso de transformações progressistas, buscando renovar os objetivos e metas do ciclo político iniciado em 1998, que já completou 15 anos em 2013.
  • Os países de regime socialista – na Ásia, China, Vietnã, Laos e Coreia Popular e, na América Latina e Caribe, Cuba – têm tido um papel de destaque na luta dos povos. O seu fortalecimento como nações soberanas, os esforços que fazem os seus povos, sob a direção dos partidos comunistas dirigentes do Estado, para viabilizar as estratégias nacionais de desenvolvimento e a transição ao socialismo, as ações de cooperação internacional e em prol da paz, têm o apoio e a solidariedade do PCdoB.
  • Na fase atual, de nova luta pelo socialismo, além dos regimes socialistas, há que perceber e apoiar também as novas potencialidades e os novos processos revolucionários que começam a despertar e se desenvolvem, sobretudo na América Latina.

Camaradas

  • Em uma semana apenas inicia-se o 13º Congresso do Partido Comunista do Brasil, que se realizará em São Paulo e ao qual muitos de vossos partidos nos darão a honra de comparecer. O evento máximo dos comunistas brasileiros ocorre sob o lema “Avançar nas mudanças”, grande desafio para o próximo período para nosso Partido e para nosso povo.
  • O tema central do 13º Congresso do PCdoB é a realização de um grande balanço dos avanços e dilemas enfrentados pelas forças democráticas e populares no último decênio, período no qual uma ampla e coalização de forças políticas e sociais está à frente do governo do Brasil. Ou seja, desde 2003, assume um novo governo no Brasil, como produto de prolongada luta contra os governos anteriores e suas políticas neoliberais. Fazer um balanço do significado deste decênio, é base para renovar os objetivos visando avançar mais, grande aspiração dos comunistas brasileiros e de nosso povo.
  • O presidente Lula assume o governo nacional recebendo o que no Brasil foi chamada de “herança maldita”. Desde a crise do período nacional-desenvolvimentista no final dos anos ’70, o Brasil entrou em duas décadas de retrocesso e predomínio da orientação neoliberal. A “herança maldita” impediu maiores avanços e limitou o ritmo das mudanças.
  • Tendo participado e sido ativo ator da unidade que levou os partidos de esquerda e uma ampla coalizão ao governo nacional, desde 2003, o Partido Comunista do Brasil desde o início assumiu, pela primeira vez em sua história de mais de 90 anos, responsabilidades de governo federal. Desde então, o Partido passa a ter uma nova orientação tática, para avançar na acumulação revolucionária de forças, tendo a mobilização popular como força motriz das mudanças, e disputando posições no plano eleitoral, nas eleições majoritárias e parlamentares, assim como ocorre hoje em grande parte dos países da América Latina.
  • A participação no governo federal, e em governos sub-nacionais e nos parlamentos, é combinada com outras duas dimensões de um sistema de trabalho partidário cujo objetivo central é promover a acumulação revolucionária de forças. As outras dimensões são o movimento dos trabalhadores e das massas populares, e a luta de ideias.
  • O PCdoB realiza o balanço desta década de governos democráticos e progressistas no Brasil – primeiro com a eleição do presidente Lula em 2002 e desde 2010, com a presidenta Dilma – tendo como referência o Programa Socialista do Partido. Uma década que inicia o que nosso Partido entende como um período de transição e de luta por um Novo Projeto Nacional de Desenvolvimento, que abra caminho para a conquista do poder político pelas forças de vanguarda e para uma ruptura revolucionária, para daí o Brasil transitar ao socialismo. Esse caminho brasileiro ao socialismo não está isento de contradições, e mesmo de derrotas parciais.
  • Compreendemos que no último decênio nosso país registrou importantes avanços. O país teve uma política externa soberana, defendendo causas caras ao países em desenvolvimento e aos povos, sobretudo bandeiras como a oposição às guerras imperialistas e a defesa do direito dos povos a desenvolver projetos nacionais autônomos. O Brasil também promoveu a integração com os países da América do Sul e da América Latina e Caribe, e alianças com países em desenvolvimento de outros continentes. Avançamos na democratização do Estado, hoje mais aberto ao povo e suas organizações. No Brasil trava-se hoje uma luta pela democratização dos meios de comunicação. Também avançamos em mais direitos para os trabalhadores e o povo, através de politicas ativas de distribuição de renda e de valorização do trabalho, lutando contra uma herança de altos níveis de desigualdades sociais.
  • Uma forte reação das forças de direita, apoiada no monopólio midiático, tentou desestabilizar o governo do presidente Lula em 2005. Neste momento o movimento de trabalhadores e demais movimentos sociais defenderam o mandato do presidente e rechaçaram a ação golpista. O segundo governo de Lula, a partir de 2007, marcou uma nova fase, com uma retomada do papel do Estado na promoção do desenvolvimento econômico, em especial no fomento a obras de infraestrutura na ampliação das políticas sociais, e logo em seguida, na busca por retomar o controle pelo Estado sobre as imensas reservas petrolíferas descobertas no Atlântico Sul e sobre a própria Petrobras.
  • A eleição da presidente Dilma Rousseff em 2010 marca a terceira vitória das forças democráticas e populares. Sua eleição dá margem para uma terceira fase na trajetória vivida no decênio, onde se avança na mudança da política macroeconômica, realizando um forte corte nas taxas de juros e desvalorizando o câmbio, buscando criar condições mais propícias ao desenvolvimento econômico.
  • Em junho deste ano, eclodem massivas manifestações populares em todas as grandes e médias cidades brasileiras. A agenda das manifestações, difusa, busca defender melhores condições de vida, sobretudo maior qualidade na saúde e educação. Rapidamente, os meios de comunicação monopolizados e setores da direita buscam influenciar as mobilizações com forte campanha contra a organização politica, os sindicatos e as organizações populares – com notórios fins desestabilizadores.
  • O PCdoB, que desde o seu Congresso de 2009 vinha defendendo a necessidade de uma agenda de profundas reformas estruturais como base para que o governo avance mais na realização das mudanças, reafirmou e continua a reafirmar essa questão. A presidente Dilma, corretamente, propôs apoiar-se na força das ruas para realizar estas reformas e assim, propôs iniciativas que se baseiam na agenda que se ouve nas ruas – e por sua vez, nas teses que nosso Partido vinha defendendo com ênfase, por exemplo a destinação dos recursos da renda petroleira do pré-sal para a educação e a saúde, e a vinculação de 10% do PIB para a educação até 2020.
  • O próximo período coloca o desafio do que as teses de nosso 13º Congresso vem denominando como a necessidade de “uma nova arrancada”, isto é, a necessidade de avançar na agenda mudancista. Para isso, o grande desafio que se coloca no plano nacional é conquistar uma quarta vitória do povo nas eleições presidenciais e parlamentares de 2014, desenvolvendo com mais nitidez um programa mudancista, e fortalecendo um bloco popular avançado para lutar pelas mudanças.

Camaradas,

  • Queremos concluir com a valorização da importância determinante da unidade do movimento comunista internacional diante do atual contexto mundial no próximo período. O atual processo de Encontro de Partidos Comunistas e Operários precisará seguir no próximo período como importante foro de debate e unidade de ação de nosso movimento.
  • Para isso devemos promover a nossa unidade política e ideológica, que existe e tem como base comum o marxismo-leninismo, e ao mesmo tempo respeitar as diferentes posições estratégicas e táticas de cada partido, definidas com base em realidades nacionais e continentais específicas.
  • Não devemos, absolutamente, nos perder em debates menores, sobre formas organizativas. Em nossa opinião, já foi o tempo em que o movimento comunista internacional necessitou de centro único e teve uma estratégia única. Nosso desafio é buscar o maior grau possível de unidade política e ideológica, e desenvolvermos juntos ações e campanhas internacionalistas.
  • São grandes os desafios a que são chamados os partidos comunistas e operários, em um contexto histórico de crise sistêmica e estrutural do capitalismo, instabilidade, guerras e incertezas. Será preciso muita unidade e muita determinação e perseverança para enfrentarmos este período histórico, na longa jornada do proletariado mundial por sua emancipação.

Viva o marxismo-leninismo e o internacionalismo!

Viva a unidade dos partidos comunistas e operários!