Portuguese CP, Communiqué of the Central Committee of the PCP of April 8, 2019

4/15/19 3:34 PM
  • Portugal, Portuguese Communist Party En Pt Europe Communist and workers' parties

The Central Committee of the PCP, having met on April 8, analysed the evolution of the national political, economic and social situation and aspects of the international situation, underlined the development of the mass struggle, stressed the importance of the electoral battles and defined the main lines of intervention, political initiative and strengthening of the Party.

 

I - International situation

 

  1. The developments in the international situation confirm the deepening structural crisis of capitalism, which manifests itself in various aspects, namely the accumulation of factors that can lead to a new peak of economic and financial crisis, and the development of a complex process of international realignment of forces, which indicates the trend of the decline in US world hegemony and a multifaceted crisis of the process of European capitalist integration.

Confronted with this framework, imperialism's most reactionary and aggressive sectors increasingly bet on fascism and war as a “way out” from  the difficulties and contradictions with which capitalism struggles and a means to further the exploitation and attack on the peoples’ rights and sovereignty. Sectors of the ruling class are resorting to, and stimulating, extreme right-wing and fascist forces, increasingly and openly feeding anti-communism – a particularly provocative example of which was the recent meeting between Trump and Bolsonaro. They multiply and intensify securitary policies,  attacking  freedoms and fundamental rights - as in France - and insist on increasing military expenditure and aggressive military movements.

On several fronts, there is an ideological offensive using powerful Media, which is owned and controlled by big capital. In an attempt to whitewash and legitimise exploitation, war and the criminal role of imperialism, the workers and peoples are subjected to various lines of ideological manipulation,  which target, in particular,  the younger generations.

 

  1. The USA and the EU and their allies continue, despite contradictions, their coordination to intensify imperialist interference and aggression in the Middle East, Latin America and Africa.

The abandonment by the USA of the Treaty on medium-range nuclear missiles is particularly serious, pointing to a very dangerous arms race which poses a major threat to security and peace, particularly on the European continent.

The generalisation of blockades and "sanctions" on sovereign states imposed by the USA, in a complete subversion of international law (as is the case with Cuba, Venezuela, Syria, Iran, the Democratic People's Republic of Korea, and even the Russian Federation) constitutes a criminal policy which violates the most basic human rights and international law and poses grave dangers to peace.

The Central Committee of the PCP draws attention to the seriousness of the situation in the Middle East where, despite the victories of the Syrian people against imperialist interference and aggression, the US and Israel continue to carry out various acts of provocation and aggression, serious examples of which are the attacks against Syrian territory and the provocation against its sovereignty on the Golan Heights, illegally occupied by Israel; the continuing threats against Iran; the criminal war in Yemen; and the Israeli State's policy of terrorism against the Palestinian people, as in  the recent Israeli bombings  of the Gaza Strip.

 

  1. In a year marked by the 70th anniversary of the founding of NATO, an aggressive political-military bloc that had the Portuguese fascist regime as one of its founding members, the Central Committee of the PCP denounces the continued strengthening and enlargement [of NATO] in Eastern and Southeastern Europe, and the association with countries from several continents - recently in Latin America. The Central Committee of the PCP calls for the intensification of the struggle for the crucial goal of dissolving NATO,  in articulation with  the process of untying Portugal from its structures.

The PCP strongly opposes strengthening the militaristic component of the EU, whether more or less articulated with the USA and NATO, and in particular the creation of a "European army", and reaffirms its determination to defend national sovereignty and independence and to fight for a Europe of cooperation, progress and peace.

 

  1. The Central Committee of the PCP denounces the goals of the aggression carried out by the US Administration, with the active complicity of the so-called Lima Group and the European Union, against Venezuela. A campaign of lies, slander, open interference, sanctions, blockade and threat of military aggression, inseparable from the strategy of US imperialism to recover positions in Latin America and the Caribbean, defend its planetary hegemony and hold back the liberating struggle of the workers and people.

With the putschist operation against the legitimate government of Nicolas Maduro, imperialism seeks to seize the country’s huge wealth and liquidate the example of a progressive alternative which the Bolivarian Revolution represents. US imperialism is targetting all the countries that exercise their sovereignty in Latin America, such as Bolivia, Nicaragua and Cuba. Bolivarian Venezuela is at the forefront of the peoples’ struggle  in defence of freedom, sovereignty, social progress and peace. The Central Committee of the PCP condemns the position of the PS Government, of alignment with imperialism, a position which is contrary to the Constitution and interests of Portugal and of the Portuguese community in Venezuela, and salutes the resistance of the Venezuelan people and of the political and military power, whilst reaffirming to the CPV, PSUV and other progressive forces of Venezuela, the firm solidarity of the Portuguese Communists.

 

  1. The Central Committee of the PCP stresses the importance of pursuing and intensifying the struggle against the exploitative and aggressive policies of imperialism, promoting solidarity with peoples struggling for their sovereignty and national independence, for disarmament and for peace.

 

  1. In view of the tragic cyclone that struck Mozambique, which killed several hundred people and left a trail of destruction, the Central Committee of the PCP expresses to the FRELIMO party and to the Mozambican people its feelings of deep friendship and solidarity, and considers that the Portuguese Government, in close cooperation with the Mozambican Government, should provide all necessary assistance.

 

II - National situation

 

  1. The domestic situation, in its most marking features and foreseeable developments for the near future, with the central role of the mass struggle and the intervention of the PCP, is fundamentally characterised by three aspects.

 

Firstly, the undeniable contribution of the advances in defending, restoring and achieving rights and income, not only in social terms, by improving the living conditions of the workers and people, but also in economic terms, with the impetus it has given to growth, to the drop in unemployment and the creation of jobs.

Secondly, the persistence of economic and social problems which, having become particularly acute during the years of the previous PSD/CDS Government,  have not  been overcome by the  PS minority government,  which has chosen to  converge with the PSD and the CDS  in its commitment to defend the interests of big capital and its submission to the impositions of the Euro and the European Union, which  are hallmarks  of the right-wing policies.

Finally, and inseparable from the previous aspects, the intensification of the offensive which, stemming from the centres of monopoly capital and the most reactionary sectors, aims to whitewash the action of the PSD/CDS Government, to conceal the projects for increased exploitation and to elude past responsibilities, instrumentalizing problems that are not, nor  can  they be, solved with right-wing policy options, either by the hand of the PSD and the CDS, or by the hand of the PS. This  offensive  directly targets the PCP, due to its role, nature and project.

 

  1. The Central Committee of the PCP stresses the value, significance and impact of the advances that have been made in addressing the problems of the workers and people, even if they are limited and fall well short of what is necessary and possible. Advances that were often achieved, despite the resistance and even the opposition of the PS and its Government, only thanks to the workers' struggle and the intervention of the PCP, and  which only went no further because the PS, converging with the PSD and CDS in structural areas and choices, did not allow it.

At a time when new positive measures that were adopted with the decisive action of the PCP, both in the State Budget for 2019 and in previous Budgets - such as the decrease in the price of social [transportation] passes; the end of the Advanced Special Payment [of Income Tax by independent workers] for thousands of micro, small and medium-sized entrepreneurs; the new extra increase in pensions and the increase in family allowances; the increase in income  resulting from cuts in the Income Tax due to the increase in the number of tax brackets and cuts in taxes; as well as the new impetus in wage hikes in May, resulting from career progression in the Public Administration - it is necessary to  proclaim that what is required are decisive steps forward along this path and a break with the right-wing policy options. It is in this way that the country can find answers to the structural problems that confront the workers and people.

These concrete advances add up with those that were materialized in the past four years, due to the determined intervention of the PCP. Among other aspects, it should be recalled that several  rights that had been stolen were restored, such as wages, holidays, the right to transport for railwaymen, and retirement supplements for workers in the State  entrepreneurial  sector. The National Minimum Wage has been increased, although it falls short of what is necessary and possible. Collective bargaining tools were restored in the Public  Entrepreneurial Sector and the restrictions on hiring workers in Local  Government were lifted. The privatisations of Carris [Lisbon bus transport], Metropolitano de Lisboa [Lisbon Underground] and the STCP [Oporto urban bus transport] were reversed and, although only partially, also of TAP [Airliner]. The cuts in pensions were brought to an end and there were new increases. Family allowances were raised, the prenatal allowance and support for people with disabilities were extended. Protection for the unemployed has been extended by creating support for the long-term unemployed and eliminating the cuts in unemployment benefit. The right to full payment of the Christmas allowance was reinstated. The long contributory careers have been valued and the conditions of access to the retirement of the mine and quarry workers were improved. Public Administration workers saw the 35 hour-week re-instated, together with the right to career advancement and measures to combat precarious jobs. Free textbooks were introduced in the 12 years of compulsory schooling. School Social Action was strengthened and new workers were hired  for schools. The cost of tuition [for Higher Education] was reduced and components of the School Social Action were  increased. It was possible to reduce healthcare costs, hire more doctors and nurses, reduce the cost of medicines, add new vaccines to the National Vaccination Plan, and secure the commitment for the construction of new hospitals. Museum entrances were made free on Sundays and public holidays, and programmes to benefit them were reintroduced; support for the arts and artistic creation was increased, and support was given to the Cinemateca Portuguesa and the National Archive of Moving Image; VAT on shows and musical instruments was reduced, and the National Museum of Resistance and Freedom was created in the Fortress of Peniche, and is currently being set up. Income Tax on labour income was reduced, namely for lower incomes and minimum existence amount, with the creation of two new tax brackets, as well as the elimination of the Income Tax surcharge. The cut in the price of energy and public transport was accompanied by a significant increase in guaranteed mobility for users. VAT was reduced in the  restaurants and coffee shops and the Advanced Special Payment [of Income Tax] was eliminated. Support was provided for family farming, reduction of fuel costs for farmers and fishermen, measures benefiting fisheries and fishermen's incomes, among others. It was also possible to cut benefits for the real estate funds, to tax the most expensive real estate property with the introduction of the surcharge on IMI [Municipal tax on real estate] and increased taxation on large profits by increasing the State Surtax on Corporate Tax.

These advances have been one of the  key factors  ensuring economic growth, as is proved by the already published figures. In fact, a decisive factor for the average annual GDP growth, which in the past three years was 2.3% per year - contrasting with the average annual growth of only 0.5% between 2013 and 2015 – resided in domestic demand, and especially in private consumption, associated with available household income.

 

  1. The Central Committee of the PCP points out that, as it has been stating, the national problems are not addressed with a policy subordinated to the constraints and impositions associated with the Euro and the process of capitalist integration of the European Union, which is subjected to the monetarist rules of the Fiscal Compact and the so-called Economic Governance, strangled by a debt service that consumes resources that are essential for investments, the running of public services and the country's productive development.

In this context, the figures now released on the budget deficit are particularly significant. This deficit is even smaller than forecast by the Government,  reflecting the option to comply with the European Union's impositions,  rather than meeting the country’s needs. In fact, the reduction of the deficit by 570 million, even beyond what the Government foresaw last October, compares with the more than 600 million investments that had been forecast by the Government but did not materialise.

Subordination to the interests of monopoly capital, in particular the refusal by the State to recover public control over strategic sectors, is constraining development and even sovereignty. Recent examples of this subordination include the surrender of the Government to the interests of Vinci [company] by abdicating the requirement to build a new international airport [in Lisbon] with its strategic role; tolerating the  destruction of the public postal service that the current private management of the CTT has carried out; preserving the public-private partnership with Fertagus [railway company], which maintains in private hands a rail link operated on public infrastructure and with rolling stock of the State; or the announcement of a new injection of capital in the Novo Banco, in an endless drain of thousands of millions of Euros of public money without the State taking over the bank.

To these must be added the commitment by the PS Government, always accompanied by PSD and CDS and big business, to keep in place the grievous rules of the Labour Code, which facilitate labour deregulation and deny workers’ rights with the aim of increasing exploitation and profits. Such options are evident in all issues that value labour and the workers, such as the counting of service time for the purpose of career progression, as is the case with teachers, but also  judicial workers, the military and security forces, among others.

 

  1. The Central Committee of the PCP warns of the intensifying activity of reactionary forces that, after having lost space and time with their defeat in the 2015 elections and in implementing the anti-democratic projects that they ambitioned and still ambition, are revealing new initiatives that must be denounced and fought. Their action has in the PCP its  direct and immediate target, but aims to attack democracy itself, questioning democratic values and the Constitution of the Portuguese Republic.

The promotion of far-right values, the whitewashing of fascism, the attempt to manipulate and enhance real problems, in order to use them against democracy and public service, are part of a strategy which, more than momentarily seeking to promote this or that reactionary force, focuses on the creation and diffusion of an environment that can feed the emergence of saviour-like and judicial-based solutions of a populist and fascist nature. Examples of the present lines of ideological distortion are provocative operations that seek to attack and challenge public services and social functions of the State; to create a widespread environment of disquiet and insecurity; to create and amplify racial and inter-generational conflicts, and conflicts between men and women.

The persecutory campaign launched against the PCP by the more reactionary sectors associated with monopoly capital, using the tools at their disposal, is on the one hand, rooted in the acknowledgement by these sectors of the PCP’s decisive role in halting their projects and, on the other hand, in the perception that  a just and broad recognition of this role by the workers and people could strengthen the Party. The campaign of lies, smears and slander targets the  singular path and role of the PCP in national political life and in the exercise of public office.

 

  1. The workers and the people face decisive choices. The year 2019 is decisive for the evolution of the national situation, not only because there are elections for the European Parliament, for the Legislative Assembly of the Autonomous Region of Madeira and for the Assembly of the Republic [Parliament], but also because, several factors are converging around them and beyond them, that may determine the course of the country for many years to come.

The workers and the people face the option of choosing to move forward rather than to move backwards. To advance their rights and not go back to their  destruction; to advance  the conditions that can ensure the path towards the country's sovereign development and not to go back to further interference and impositions of submission to the interests and diktats of the European Union and the Euro. To move forward with a policy that bets on investment, the funding of public services and support for production, and not to move back with new privatisations, more dependence and larger structural deficits.

To advance,  asserting what the April [Revolution] represented, implementing its values and materialising its achievements and not to go back in the  spreading of anti-democratic concepts that would throw the country back into the dark days of deprivation, backwardness, corruption and repression; to advance in achieving the rights set down in the Constitution of the Portuguese Republic and not to go back to  their subversion and destruction; to advance towards a  comprehensive response to the country's problems, asserting the alternative policy that can break with right-wing policies and ensure the sovereign development of the country.

 

III - Mass struggle, elections, the Party’s activity and political initiative

 

The Central Committee of the PCP stresses the Party’s role and decisive intervention; the need to strengthen and intensify its political initiative; the  importance of the mass struggle and its development; and the importance of the electoral battles to strengthen CDU and pave the way for an alternative, patriotic and left-wing policy.

 

  1. Political initiative of the Party

1.1 The results of PCP’s action and of the workers’ struggle are real, and should be valued for what they represent in terms of advances in defending, restoring and achieving rights and improving living conditions, and also for what they represent in encouraging the struggle. Nothing was handed down, everything was won by the workers' struggle and by the PCP’s action, and this is the essential conclusion regarding the options needed for the future.

1.2 The PCP has taken and continues to take the initiative of the struggle for day-to-day advances, which are inseparable from the struggle for a patriotic and left-wing policy; for an advanced democracy with the values of April in the future of Portugal; for a new society freed from capitalism’s exploitation, oppression, aggression, rapacity; for socialism and communism.

 

The Central Committee points out, among others, the following immediate features of the Party's initiative to advance in the rights and living conditions:

 

  • The implementation and generalization throughout the country of the intermodal social transportation pass in every municipality, metropolitan area and inter-municipal community and between these entities; enhance the means of transportation so as to fully meet the needs, with advantages for family budgets and living standards and ensuring ecological and environmental protection, with the ultimate goal of ensuring that public transportation is essentially free;

 

  • The valuing of work and workers by eliminating  grievous regulations of the labour legislation and the expiry of collective agreements; by reintroducing the principle of more favourable treatment for workers, combating deregulation of work times and cutting them to 35 hours of weekly work for all workers, protecting those who work shifts; by combating precariousness, ensuring that a permanent job corresponds to a permanent employment contract;

 

  • Ensuring a general wage increase, including in the National Minimum Wage, and recognition and valuing of careers as an essential strategy for  valuing work, fighting poverty, improving living conditions, ensuring future increases in pensions, stimulating economic activity and national production, achieving greater incorporation of domestic goods [in production], strengthening social security and State revenues for investment in public services and the development of the country.

 

  1. The mass struggle

2.1. The Central Committee of the PCP underlines the strategic and determining role of the mass struggle and values the struggles of workers and  communities in the first quarter of this year. A vast and diversified front of struggle [has arisen] for rights and wages, against deregulation of working times and precariousness in companies, in the workplace and in the streets. Noteworthy are the struggles in the sectors of metallurgy, chemical industry, electrical and electronic industries, pharmaceutical, pulp and paper, mines, quarries and glass, textile, footwear and clothing, postal and telecommunications, insurance, media, private hospitals, IPSS [private social service institutions], commerce, services, catering, food, road passenger transport, teachers, nurses, security forces, local and central Public Administration. A struggle that had particular expression in the national demonstration of the working youth, on March 28, promoted by the CGTP-IN/Interjovem, with the participation of thousands of young workers.

2.2. The Central Committee of the PCP  stresses the great scale of this year’s International Women's Day celebrations, highlighting in particular, due to the participation and its combativeness, the National Demonstration of Women  convened by  MDM [Democratic Movement of Women] on March 9, as well as the action of the CGTP- IN and numerous popular structures and local authorities.

2.3. The Central Committee of the PCP also highlights the demonstrations of students from secondary and higher education, as well as the actions of users and  communities in defence of public services, namely for the right to healthcare, in defence of the National Health Service and for more and better public transport.

2.4. The Central Committee of the PCP calls for the development of the workers' struggle in companies and workplaces and highlights the national  rally convened  by CGTP-IN for April 11, for the repeal of the grievous rules of the labour code and against the Government’s proposals to change the labour legislation. This  series of  struggles will converge on the celebrations of May 1st, convened and organised by  CGTP-IN, which will take place all over the country. The PCP calls for a vast participation, to make this a great day of struggle of the Portuguese workers.

2.5. The Central Committee of the PCP renews its call for the April 25th celebrations to be strengthened by affirming and projecting the Values of April in the future of Portugal, as expressed by the resolution adopted at its meeting on last December 10, regarding the 45th anniversary of the April Revolution.

 

  1. Elections 2019

3.1. The Central Committee stresses that the electoral battles are an opportunity to carry out major political and mass action, favouring the mobilisation and explanation of workers and  communities, presenting solutions for the problems of the country.

A  major political and mass action that demands  from the members of the Party and of JCP and from all CDU activists a redoubled commitment to broaden  contacts and connections with the workers, the populations, the anti-monopoly social sectors, the patriots, the democrats and independent personalities who want a different course for the country, so that, with their struggle and their vote  for the CDU, they may pave the way for the construction of the patriotic and left-wing alternative.

3.2. In the context of the intense ideological offensive, it is essential to further a style of campaigning that favours direct and personal contact, to carry out mobilisation and explanation as far as possible, stimulating a sustained line of intervention based on holding information sessions, mini-rallies, actions at the gates of companies and in workplaces and other places of concentration, and individual mobilisation to express support for the CDU. These are decisive factors for the construction of the electoral result.

It is necessary in every organisation to identify companies, workplaces, specific sectors, schools, neighbourhoods, parishes, among others, where it will be possible to set up committees, lists or other forms for ensuring and extending support for the CDU.

3.3. The Central Committee draws attention to the changes in the voter registration system and the resulting differences, in particular the end of voter card number and the new organisation of voters per polling station. This new reality requires a broad explanation and is, at the same time, an opportunity in every parish to stimulate massive contact with all voters, clarifying what is at stake and calling for a vote for the CDU.

3.4. The Central Committee  values the work carried out so far within the context of the electoral battle for the European Parliament and underlines the opportunity that the elections represent to assert the need and the potential for a break with the path of inequality, dependence and national surrender imposed upon the country and the Portuguese people, and to pave the way for a patriotic and left-wing alternative that will unwaveringly confront the submission to the Euro and the impositions and constraints of the European Union and recover for Portugal the necessary instruments for its sovereign development, within a framework of a Europe of peace, cooperation and progress.

Strengthening  the CDU and the number of its MPs is a  decisive step for the workers and the people to move the country ahead, along  the path of economic development and social progress and to assert national sovereignty; to raise  living standards, public investment and the funding of public services, and to assert the democratic regime and the values of April.

Every vote for the CDU is a vote for a fairer distribution of wealth and against surrender in the face of injustice and inequality; it is the vote of those who have confidence in the national potential and resources and in the workers, to ensure the development, progress and improvement of the living standards of the Portuguese people and which rejects exploitation, impoverishment and exclusion; it is the vote  for work, honesty and competence and which does not collude with cronyism, corruption, abuse of power, submission of the public interest to private interests.

 

 

IV - The Party

 

  1. The Party operates in a very demanding international and national situation, with hurdles and potentialities, which must be understood in its various dimensions in order to intervene with the rigour and determination that is needed.

The PCP is the  decisive force in the resistance and in the struggle for the alternative, against regression and for the values of April in the future of Portugal.

It is no wonder, therefore, that  big capital, the centres which it leads and the various tools it has as its disposal, sees in the PCP the main obstacle for its goals of increasing exploitation,  the complete subversion of the democratic regime and jeopardizing sovereignty.

They do not forget the historic path of the PCP and its role in recent times, but what concerns them most is the future and the strength of the PCP as a decisive factor of resistance and progress.

The strength of a Party that, without wasting any possibility for  improving  living standards, asserts itself as the Party of the patriotic and left-wing alternative policies, of the convergence of democrats and patriots, of the unity and mobilisation of the workers and popular masses.

Discrimination, silencing, manipulation, lies, persecution are weapons that have served to attack the PCP since its founding. They have tried everything, but the PCP has fulfilled its role and with the workers and the people has resisted, resists and transforms each attack into even greater activity among the workers and the people, presenting solutions for the country, affirming its values, goals and priorities.

 

  1. The Central Committee of the PCP emphasizes and values the intense activity and initiative of the Party, the intervention of the organisations and the militant action of Party members in the most diverse situations and tasks.

A wide range of action and initiative in which the following stand out: the contribution for the development of the mass struggle and the strengthening of  broad-based mass organisations and movements; internationalist solidarity work; the work in the Assembly of the Republic, in the Legislative Assemblies of the Autonomous Regions, in local government and in the European Parliament; the holding of meetings of [Party] organisations and plenary meetings of its members and public sessions; the action to explain the problems and aspirations of the workers and the population, the advances made with the struggle of the workers and the PCP’s intervention, regarding  rights, sovereignty and the development of Portugal, for a Europe of the workers and the peoples, for a patriotic and left-wing alternative; the great success of the National Meeting of the PCP on the country’s situation and the elections, held on February 2 in Matosinhos, with the motto «Patriotic and Left Alternative - Solutions for a Portugal with a future»; the strong start of the work for the elections to the European Parliament, with great initiatives of presentation of the candidates and an intense contact with the workers and the people; participation in the events for the PCP's 98th anniversary celebrations; the start of the commemorations of the 45th anniversary of the April Revolution, namely the Public Session held on April 2, on the anniversary of the adoption and promulgation in 1976 of the Constitution of the Portuguese Republic.

 

  1. The Central Committee of the PCP emphasizes the work carried out to strengthen the Party, namely by entrusting cadres with responsibilities; the convening of organizational assemblies; the process of handing over the Party membership card; organisational work in companies and workplaces; the campaign of 5,000 contacts with active workers to talk to them about the PCP and explain to them the need to join the Party, an initiative in which so far, over 3,100 workers have been contacted, having already joined the Party more than 900 new members, strengthening it, increasing the number of companies and workplaces where there are Party members and enabling the creation and strengthening of cells.

 

  1. The Central Committee considers that it is essential to continue strengthening the Party by implementing the guidelines and priority measures for a stronger PCP, a task of all organisations and militants in conjunction with political initiative, electoral action and mass struggle.

A stronger Party, ensuring stronger leadership work and collective work, individual responsibility, initiative, coordination and discipline, political and ideological formation. Giving responsibilities to cadres, militancy, ensuring regular and efficient functioning of leadership bodies. Continuing to hand over the Party member card to those who have not yet received it. Prioritizing the intervention and organisation with the workers, with the creation and dynamization of company and workplace cells, highlighting the task of continuing the action of 5,000 contacts with workers to join the Party. Stimulating local organisations, their renewal and rejuvenation, political initiative and work with the younger generations and the retired and pensioners. Promoting the organisation of propaganda work, systematising and  broadening the use of electronic media, increasing the  circulation and reading of the Party press, namely Avante!. Ensuring the Party's financial independence, having as essential feature of the importance of increasing dues. Already preparing the Avante! Festival, which takes place on September 6, 7 and 8.

 

★★★

 

Throughout its 98 years of existence, the PCP has faced and experienced great dangers and difficulties, always finding the ways that allowed it to resist and move ahead. A Party that, proud of its history, learning from its own experience, firm and determined in the present, assumes with energy and audacity the demands of the future.

A Party that assumes and  asserts its Communist identity, and which is where it has always been, at the vanguard of the struggle for the rights and interests of the workers and the people, for a patriotic and left-wing policy, for an Advanced Democracy with the Values of April in the Future of Portugal, for a new society freed from exploitation and oppression: socialism and communism.

 

http://www.pcp.pt/en/communique-central-committee-pcp-april-8-2019

 


 

Comunicado do Comité Central do PCP de 8 de Abril de 2019

 

O Comité Central do PCP, reunido a 8 de Abril, procedeu à análise da evolução da situação política, económica e social nacional e de aspectos da situação internacional, apontou o desenvolvimento da luta de massas, sublinhou a importância das batalhas eleitorais e definiu as grandes linhas de intervenção, de iniciativa política e de reforço do Partido.

 

I - Situação Internacional

 

  1. Os desenvolvimentos da situação internacional confirmam o aprofundamento da crise estrutural do capitalismo – que se expressa em diversas dimensões, nomeadamente com a acumulação de elementos que podem conduzir a um novo pico de crise económica e financeira – e o desenvolvimento de um complexo processo de rearrumação de forças no plano internacional, em que se expressa a tendência do declínio da hegemonia mundial dos EUA e uma multifacetada crise do processo de integração capitalista europeu.

Face a este quadro, os sectores mais reaccionários e agressivos do imperialismo jogam cada vez mais no fascismo e na guerra como “saída” para as dificuldades e contradições com que o capitalismo se debate e para levar ainda mais longe a exploração e o ataque a direitos sociais e à soberania dos povos. Sectores da classe dominante estão a recorrer e a estimular forças de extrema- -direita e fascistas, a alimentar de forma crescente e aberta o anticomunismo – de que o recente encontro entre Trump e Bolsonaro deu testemunho particularmente provocatório –, a multiplicar e intensificar políticas securitárias com o ataque a liberdades e direitos fundamentais – como em França – e a insistir no aumento das despesas e movimentações militares agressivas.

Aprofunda-se, em várias vertentes, uma ofensiva ideológica por via de poderosos meios de comunicação que o grande capital detém e controla. Procurando branquear e legitimar a exploração, a guerra e o papel criminoso do imperialismo, os trabalhadores e os povos são sujeitos a diversas linhas de manipulação ideológica, direccionadas, nomeadamente, para as novas gerações.

 

  1. Os EUA e a UE, e os seus aliados, prosseguem, apesar de contradições, a sua articulação para intensificar a política de ingerência e agressão imperialista no Médio Oriente, na América Latina e em África.

O abandono pelos EUA do Tratado sobre mísseis nucleares de médio alcance reveste-se de particular gravidade, apontando para uma perigosíssima corrida aos armamentos que representa uma enorme ameaça para a segurança e a paz, nomeadamente no continente europeu.

A generalização de bloqueios e “sanções” a Estados soberanos impostos pelos EUA, em completa subversão do direito internacional (como acontece em relação a Cuba, à Venezuela, à Síria, ao Irão, à República Popular Democrática da Coreia, e mesmo à Federação Russa), constitui uma política criminosa, que viola os mais básicos direitos humanos e o direito internacional e que encerra grandes perigos para a paz.

O Comité Central do PCP chama a atenção para a gravidade da situação no Médio Oriente onde, não obstante vitórias do povo sírio contra a ingerência e agressão imperialista, se continuam a desenvolver várias linhas de provocação e agressão protagonizadas pelos EUA e Israel, de que são graves expressões os ataques contra o território sírio e a provocação contra a sua soberania sobre os Montes Golã, ocupados ilegalmente por Israel, as constantes ameaças ao Irão, a criminosa guerra no Iémen e a política de terrorismo do Estado de Israel contra o povo palestiniano, de que os bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza são recente exemplo.

 

  1. No ano em que se assinalam setenta anos da fundação da NATO, bloco político-militar agressivo que contou com o regime fascista português como um dos seus fundadores, o Comité Central do PCP denuncia o seu continuado reforço e alargamento ao Leste e Sudeste da Europa, e a associação com países de vários continentes – como é o caso mais recente da América Latina. O Comité Central do PCP apela à intensificação da luta pelo objectivo crucial da dissolução da NATO e com o qual o processo de desvinculação de Portugal das suas estruturas deve estar articulado.

O PCP opõe-se firmemente ao reforço da componente militarista da UE, mais ou menos articulada com os EUA e com a NATO, e em particular à criação de um “exército europeu”, e reafirma a sua determinação na defesa da soberania e independência nacionais e na luta por uma Europa de cooperação, progresso e paz.

 

  1. O Comité Central do PCP denuncia os objectivos da agressão conduzida pela Administração norte-americana, com a activa cumplicidade do denominado Grupo de Lima e da União Europeia, contra a Venezuela. Uma campanha de mentiras, calúnias, aberta ingerência, sanções, bloqueio e ameaça de agressão militar, inseparável da estratégia do imperialismo norte-americano para recuperar posições na América Latina e Caraíbas, defender a sua hegemonia planetária e conter a luta libertadora dos trabalhadores e dos povos.

Com a operação golpista contra o legítimo Governo de Nicolas Maduro, o imperialismo visa apoderar-se das enormes riquezas do País e liquidar o exemplo da alternativa progressista que constitui a Revolução Bolivariana. O imperialismo norte-americano tem na mira todos os países que na América Latina exerçam a sua soberania, como a Bolívia, a Nicarágua e Cuba. A Venezuela bolivariana está na primeira linha da luta dos povos em defesa da liberdade, da soberania, do progresso social e da paz. O Comité Central do PCP condena a posição do Governo do PS de alinhamento com o imperialismo, contrária à Constituição e aos interesses de Portugal e da comunidade portuguesa na Venezuela, e saúda a resistência do povo e do poder político e militar venezuelanos e reafirma ao PCV, ao PSUV e demais forças progressistas da Venezuela, a firme solidariedade dos comunistas portugueses.

 

  1. O Comité Central do PCP sublinha a importância de prosseguir e intensificar a luta contra a política exploradora e agressiva do imperialismo, promovendo a solidariedade com os povos em luta pela sua soberania e independência nacional, pelo desarmamento e pela paz.

 

  1. Perante o trágico ciclone que atingiu Moçambique, que vitimou várias centenas de pessoas e deixou um rastro de destruição, o Comité Central do PCP expressa ao partido FRELIMO e ao povo moçambicano os seus sentimentos de profunda amizade e solidariedade, e considera que o Governo português, em estreita cooperação com o Governo moçambicano, deverá prestar todo o auxílio necessário.

 

II - Situação Nacional

 

  1. A situação nacional, nos seus traços mais marcantes e nos desenvolvimentos que previsivelmente conhecerá no futuro próximo, com o papel central da luta de massas e da intervenção do PCP, é no fundamental caracterizada por três elementos.

Em primeiro lugar, o que resulta do inegável contributo que os avanços verificados no percurso de defesa, reposição e conquista de direitos e rendimentos deram, não só no plano social, com a melhoria das condições de vida dos trabalhadores e do povo, mas também no plano económico, com o impulso que dele resultou em termos de crescimento, redução do desemprego e criação de emprego.

 

Em segundo lugar, a persistência de problemas no plano económico e social que, tendo conhecido um particular agravamento nos anos do último Governo PSD/CDS, não encontraram a resposta necessária para os superar por parte do Governo minoritário do PS, devido a opções que mantém em convergência com o PSD e o CDS de compromisso de defesa dos interesses do grande capital e de submissão às imposições do Euro e da União Europeia, que têm marcado a política de direita.

Por último, e inseparável dos anteriores, a intensificação da ofensiva que, a partir dos centros do capital monopolista e dos sectores mais reaccionários, visa branquear a acção do Governo PSD/CDS, esconder projectos de agravamento da exploração no futuro e iludir responsabilidades passadas instrumentalizando problemas que não encontram, nem podem encontrar, resposta nas opções da política de direita, seja pelas mãos do PSD e do CDS, seja pela mão do PS. Uma ofensiva que tem como alvo directo o PCP, pelo seu papel, natureza e projecto.

 

  1. O Comité Central do PCP salienta o valor, significado e repercussões dos avanços alcançados na resposta a problemas dos trabalhadores e do povo, ainda que limitados e aquém do necessário e possível. Avanços que, concretizados em muitas situações, apesar da resistência e mesmo da oposição do PS e do seu Governo, só foram possíveis com a luta dos trabalhadores e a intervenção do PCP, e que só não foram mais longe porque o PS, convergindo com o PSD e o CDS em domínios e opções estruturais, o não permitiu.

Num momento em que ganham expressão concreta novas medidas de sentido positivo aprovadas com a acção decisiva do PCP, quer no Orçamento do Estado para 2019, quer decorrente de Orçamentos anteriores – de que é exemplo a redução do preço dos passes sociais, a eliminação do Pagamento Especial por Conta para milhares de micro, pequenos e médios empresários, o novo aumento extraordinário das pensões de reforma e a majoração dos abonos de família, o aumento dos rendimentos por via da redução do IRS decorrente do alargamento do número de escalões e de redução das taxas, assim como o novo impulso na valorização remuneratória na progressão de carreiras na Administração Pública, em Maio –, é necessário afirmar que o que se impõe é o avanço decidido nesse caminho e na ruptura com as opções da política de direita e que é aí que o País pode encontrar resposta para os problemas estruturais que os trabalhadores e o povo enfrentam.

Avanços concretos que se somam aos que nos últimos quatro anos foi possível concretizar pela intervenção determinada do PCP. Entre outros aspectos, recorde-se que foram repostos vários direitos roubados como: salários, feriados, direito ao transporte dos ferroviários e complementos de reforma aos trabalhadores do sector empresarial do Estado. O Salário Mínimo Nacional foi aumentado, ainda que aquém do necessário e possível. Repuseram-se os instrumentos de contratação colectiva no Sector Público Empresarial e eliminaram-se as restrições à contratação de trabalhadores na Administração Local. Reverteram-se as privatizações da Carris, do Metropolitano de Lisboa e dos STCP e, ainda que parcialmente, na TAP. Pôs-se fim aos cortes nas pensões e promoveu-se o seu aumento. Valorizou-se o abono de família, alargou-se o abono pré-natal e o apoio às pessoas com deficiência. Ampliou-se a protecção aos desempregados, com a criação do apoio aos desempregados de longa duração e a eliminação do corte no subsídio de desemprego. Foi reposto o direito ao pagamento por inteiro do subsídio de Natal. Valorizaram-se as longas carreiras contributivas e melhoraram-se as condições de acesso à reforma dos trabalhadores das minas e das pedreiras. Na Administração Pública foram repostas as 35 horas, o direito à progressão na carreira, tomadas medidas de combate à precariedade. Garantiu-se a gratuitidade dos manuais escolares nos 12 anos de escolaridade obrigatória. Reforçou-se a Acção Social Escolar e a contratação de funcionários nas escolas. Reduziu-se o valor das propinas e reforçaram-se componentes da Acção Social Escolar. Foi possível reduzir taxas moderadoras, alargar a contratação de médicos e enfermeiros, reduzir os custos com medicamentos, inscrever como objectivo o alargamento de novas vacinas no Plano Nacional de Vacinação, fixar compromissos para a construção de novos hospitais. Assegurou-se a gratuitidade do acesso aos museus aos domingos e feriados e retomaram-se programas para a sua valorização, reforçou-se o apoio às artes e à criação artística, inscreveu-se a valorização e apoio à Cinemateca Portuguesa e ao Arquivo Nacional de Imagem em Movimento, reduziu-se o IVA dos espectáculos e dos instrumentos musicais, procedeu-se à criação, na Fortaleza de Peniche, do Museu Nacional da Resistência e Liberdade, cuja instalação está em curso. Aliviou-se o IRS sobre os rendimentos do trabalho, designadamente dos mais baixos rendimentos, com o alargamento do mínimo de existência e a criação de dois novos escalões, bem como com a eliminação da sobretaxa. Concretizou-se a redução do preço da energia e dos transportes públicos acompanhada de um significativo alargamento da mobilidade garantida aos utentes. Reduziu-se o IVA na restauração e eliminou-se o Pagamento Especial por Conta. Garantiu-se apoio à agricultura familiar, a redução dos custos com combustíveis para agricultores e pescadores, medidas de valorização do pescado e dos rendimentos dos pescadores, entre outras. Foi ainda possível cortar benefícios aos fundos imobiliários, tributar o património imobiliário mais elevado com a introdução do adicional ao IMI e aumentar a tributação sobre os grandes lucros por via do aumento da derrama estadual do IRC.

Avanços que têm sido um dos factores centrais do crescimento económico, como demonstram os dados conhecidos. Na verdade o crescimento médio anual do PIB, que nos últimos três anos foi de 2,3% ao ano – contrastando com o crescimento médio anual de apenas 0,5% entre 2013 e 2015 –, teve na procura interna, e em especial no consumo privado, associado ao rendimento disponível das famílias, elemento determinante.

 

  1. O Comité Central do PCP salienta que, como tem afirmado, os problemas nacionais não encontram resposta numa política amarrada aos constrangimentos e imposições associados ao Euro e ao processo de integração capitalista da União Europeia, submetidos às regras monetaristas do Tratado Orçamental e da chamada Governação Económica, garrotados por um serviço da dívida que consome recursos indispensáveis ao investimento, ao funcionamento dos serviços públicos e ao desenvolvimento produtivo do País.

Neste quadro, são particularmente significativos os dados agora divulgados sobre o défice orçamental. A sua fixação em valor ainda abaixo das previsões do Governo traduz a opção de privilegiar a satisfação das imposições da União Europeia, em vez de corresponder às necessidades do País. De facto, a redução do défice em 570 milhões, para lá do que o próprio Governo previra em Outubro passado, compara com os mais de 600 milhões de investimento que o Governo não concretizou face ao que também nesse momento havia previsto.

A subordinação aos interesses do capital monopolista, designadamente pela recusa de recuperação pelo Estado do controlo público de sectores estratégicos, constitui um factor de condicionamento ao desenvolvimento e à própria soberania. São exemplos recentes dessa subordinação a rendição do Governo perante os interesses da Vinci, ao abdicar da exigência da construção de um novo aeroporto internacional com o papel estratégico que assume; a contemplação com o processo de destruição do serviço postal público que a actual gestão privada dos CTT tem conduzido; a manutenção da parceria público-privada com a Fertagus, que mantém em mãos privadas uma ligação ferroviária operada em infraestrutura pública e com material circulante do Estado; ou o anúncio de uma nova injecção de capital no Novo Banco, num esvair sem fim à vista de milhares de milhões de Euros de dinheiro público sem que o Estado assuma a posse do banco.

A estes deve adicionar-se a assumida atitude de compromisso do Governo do PS, sempre acompanhado por PSD e CDS, com o grande patronato para manter as normas gravosas no Código do Trabalho, que facilitam ao capital as condições de desregulação laboral e a negação de direitos aos trabalhadores com o objectivo do aumento da exploração e do lucro. Opções evidenciadas em todas as matérias que se relacionam com a valorização do trabalho e dos trabalhadores, como sucede com a contagem do tempo de serviço para efeitos de progressão, como é o caso dos professores, mas também dos trabalhadores judiciais, dos militares e forças de segurança, entre outros.

 

  1. O Comité Central do PCP alerta para a intensificação da acção das forças reaccionárias que, perante o espaço e tempo perdidos, com a derrota sofrida nas eleições de 2015, na concretização dos projectos anti-democráticos que ambicionavam e ambicionam, conhece novos desenvolvimentos que se impõe denunciar e combater. Uma acção que, tendo como alvo directo e mais imediato o PCP, visa atingir a própria democracia, questionar valores democráticos e a Constituição da República Portuguesa.

A promoção de valores de extrema-direita, as operações de branqueamento do fascismo, a tentativa de instrumentalizar e empolar problemas reais contra a democracia e o serviço público, são parte de uma estratégia que, mais do que a aposta momentânea na promoção desta ou daquela força reaccionária, se centra na criação e difusão de um ambiente favorável ao surgimento de soluções salvíficas e justicialistas de carácter populista e fascizante. As linhas de diversão ideológica em presença, as operações provocatórias, dirigidas para atacar e justificar o questionamento de serviços públicos e funções sociais do Estado, a tentativa de generalização de um ambiente de intranquilidade e insegurança, a criação e amplificação de conflitos raciais, geracionais, e até entre homens e mulheres, são exemplos da acção em curso.

A campanha persecutória lançada contra o PCP por sectores mais reaccionários associados ao capital monopolista, e pelos instrumentos ao seu serviço, radica, por um lado, na constatação por parte desses sectores do papel decisivo do PCP na interrupção dos seus projectos e, por outro lado, na percepção de que o justo e mais alargado reconhecimento desse papel por parte dos trabalhadores e do povo se pode traduzir no reforço do Partido. Uma campanha de mentiras, difamação e calúnia que visa atingir o percurso e o posicionamento distintivos do PCP na vida política nacional e no exercício de cargos públicos.

 

  1. Estão colocadas aos trabalhadores e ao povo opções decisivas. O ano de 2019 assume-se como determinante para a evolução da situação nacional, não apenas porque se vão realizar as eleições para o Parlamento Europeu, para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira e para a Assembleia da República mas porque, em torno delas e para além delas, se estão a conjugar elementos que podem determinar o curso do País por largos anos.

Aos trabalhadores e ao povo está colocada a opção de escolher avançar e não de andar para trás. Avançar em direitos e não andar para trás na sua liquidação; avançar nas condições para assegurar o caminho do desenvolvimento soberano do País e não andar para trás com novas imposições e ingerências de submissão aos interesses e ditames da União Europeia e do Euro. Avançar com uma política que aposte no investimento, no financiamento dos serviços públicos e no apoio à produção, e não andar para trás com novas privatizações, mais dependência e maiores défices estruturais.

Avançar na afirmação do que Abril representou, afirmando os seus valores e concretizando as suas conquistas e não andar para trás na difusão de concepções anti-democráticas que remetem o País para os tempos sombrios de miséria, atraso, corrupção e repressão; avançar na concretização dos direitos inscritos na Constituição da República Portuguesa e não andar para trás na sua subversão e destruição; avançar no sentido da resposta plena aos problemas do País, na afirmação da política alternativa capaz de romper com a política de direita e assegurar o desenvolvimento soberano do País.

 

III - Luta de massas, eleições, intervenção e iniciativa política do Partido

 

O Comité Central do PCP sublinha o papel e a intervenção decisiva do Partido, a necessidade do seu reforço e da intensificação da sua iniciativa política, o valor da luta de massas e o seu desenvolvimento e reafirma a importância das batalhas eleitorais para, pelo reforço da CDU, abrir caminho a uma política alternativa, patriótica e de esquerda.

 

  1. Iniciativa política do Partido

1.1. Os resultados da acção do PCP e da luta dos trabalhadores são reais, e devem ser valorizados pelo que representam em si de avanço na defesa, reposição e conquista de direitos e melhoria das condições de vida, e pelo que significam de incentivo à luta, porque nada foi oferecido, tudo foi conquistado pela luta dos trabalhadores e pela acção do PCP, e essa é a conclusão essencial sobre as opções necessárias para o futuro.

1.2. O PCP tomou e toma a iniciativa da luta pelos avanços de todos os dias indissociável da luta por uma política patriótica e de esquerda, pela democracia avançada com os valores de Abril no futuro de Portugal, por uma sociedade nova liberta da exploração, da opressão, da agressão, da predação, do capitalismo, pelo socialismo e o comunismo.

1.3. O Comité Central aponta, entre outros, como elementos imediatos da iniciativa do Partido para avançar nos direitos e nas condições de vida:

 

  • A efectivação e generalização a todo o País do passe social intermodal no âmbito de cada concelho, área metropolitana e comunidade intermunicipal e entre estas entidades, o reforço dos meios de transporte que permitam a resposta plena às necessidades, com vantagens para o orçamento e condições de vida familiares e a protecção ecológica e ambiental, tendo no horizonte o objectivo do transporte público ser no essencial gratuito;
  • A valorização do trabalho e dos trabalhadores com a eliminação das normas gravosas da legislação laboral da caducidade dos contratos colectivos, a reintrodução do princípio do tratamento mais favorável aos trabalhadores, o combate à desregulação dos horários e a sua redução para 35 horas de trabalho semanal para todos os trabalhadores, a protecção dos trabalhadores em regime de turnos, o combate à precariedade, garantindo que a um posto de trabalho permanente corresponda um contrato de trabalho efectivo;
  • A concretização do aumento geral dos salários, incluindo do Salário Mínimo Nacional, e o reconhecimento e valorização das carreiras como estratégia essencial de valorização do trabalho, combate à pobreza, melhoria das condições de vida, aumento futuro das pensões de reforma, estímulo à actividade económica e à produção nacional, maior incorporação nacional, reforço da segurança social e das receitas do Estado para o investimento nos serviços públicos e no desenvolvimento do País.

 

  1. Luta de massas

2.1. O Comité Central do PCP sublinha o papel estratégico e determinante da luta de massas e valoriza as lutas dos trabalhadores e das populações no primeiro trimestre do ano. Uma vasta e diversificada frente de luta por direitos e salários, contra a desregulação dos horários e a precariedade, nas empresas, nos locais de trabalho e nas ruas, em que se destacam as lutas desenvolvidas nos sectores da metalurgia, química, indústrias eléctricas e electrónicas, farmacêutica, celulose e papel, minas, pedreiras e vidro, têxtil, calçado e vestuário, correios e telecomunicações, seguros, comunicação social, hospitalização privada, IPSS, comércio, serviços, hotelaria, alimentar, dos transportes rodoviários de passageiros, portos marítimos, professores, enfermeiros, forças de segurança, Administração Pública local e central. Uma luta que teve particular expressão na manifestação nacional da juventude trabalhadora, a 28 de Março, promovida pela CGTP-IN/Interjovem, com a participação de milhares de jovens trabalhadores.

2.2. O Comité Central do PCP assinala a grande expressão que atingiram este ano as comemorações do Dia Internacional da Mulher, destacando em particular, pela participação e combatividade, a Manifestação Nacional de Mulheres convocada pelo MDM a 9 de Março, bem como a acção da CGTP-IN e de numerosas estruturas populares e autarquias locais.

 

2.3. O Comité Central do PCP salienta ainda as manifestações de estudantes dos ensinos secundário e superior, bem como as acções dos utentes e das populações pelos serviços públicos, nomeadamente pelo direito à saúde, em defesa do Serviço Nacional de Saúde e por mais e melhores transportes públicos.

2.4. O Comité Central do PCP apela ao desenvolvimento da luta dos trabalhadores nas empresas e locais de trabalho e destaca a concentração nacional convocada pela CGTP-IN para 11 de Abril, pela revogação das normas gravosas do Código de Trabalho e contra as propostas do Governo de alteração da legislação laboral. Um caudal de lutas que convergirá nas comemorações do 1.º de Maio, convocadas e organizadas pela CGTP-IN, que se realizarão em todo o País, e para cuja participação o PCP apela, como grande Jornada de luta dos trabalhadores portugueses.

2.5. O Comité Central do PCP renova o apelo para que as comemorações populares do 25 de Abril sejam reforçadas, afirmando e projectando os Valores de Abril no futuro de Portugal, no quadro da Resolução aprovada na sua reunião do 10 de Dezembro último, sobre o 45º aniversário da Revolução de Abril.

 

  1. Eleições 2019

3.1. O Comité Central sublinha que as batalhas eleitorais constituem uma oportunidade para levar por diante uma enorme acção política e de massas, privilegiando a mobilização e o esclarecimento dos trabalhadores e das populações, apresentando soluções para os problemas do País.

Uma grande jornada política e de massas que exige dos membros do Partido e da JCP e de todos os activistas da CDU um redobrado empenho em alargar o contacto e a ligação aos trabalhadores, às populações, aos sectores sociais antimonopolistas, aos patriotas, aos democratas e personalidades independentes que querem outro rumo para o País, para que, com a sua luta e o seu voto na CDU, abram caminho à construção da alternativa patriótica e de esquerda.

3.2. No quadro da intensa ofensiva ideológica, o aprofundamento de um estilo de campanha privilegiando a conversa e o contacto directo, que leve o mais longe possível a mobilização e o esclarecimento, dinamizando uma linha de intervenção sustentada na realização de sessões de esclarecimento, mini-comícios, acções à porta das empresas e locais de trabalho e outros locais de concentração, e a mobilização individual para o apoio expresso à CDU, constituem elementos determinantes para a construção do resultado eleitoral.

É necessário, em cada organização, identificar as empresas, locais de trabalho, sectores em concreto, escolas, bairros, freguesias, entre outros, onde se constituam comissões, listas ou outras formas de assegurar e alargar o apoio à CDU.

3.3. O Comité Central chama a atenção para as modificações no recenseamento eleitoral e as alterações que daí decorrem, em particular o fim do número de eleitor e a nova organização dos eleitores por mesa de voto. Esta nova realidade exige um amplo esclarecimento e constitui, simultaneamente, uma oportunidade para, em cada freguesia, dinamizar o contacto massivo com todos os eleitores, esclarecendo o que está em causa e apelando ao voto na CDU.

3.4. O Comité Central valoriza o trabalho até agora desenvolvido no âmbito da batalha eleitoral para o Parlamento Europeu, e sublinha a oportunidade que as eleições constituem para afirmar a necessidade e a possibilidade de uma ruptura com o rumo de desigualdade, dependência e abdicação nacional imposto ao País e ao povo português e de abrir caminho a uma alternativa patriótica e de esquerda que enfrente, sem hesitações, a submissão ao Euro e às imposições e condicionalismos da União Europeia, e recupere para Portugal os instrumentos necessários ao seu desenvolvimento soberano, num quadro de uma Europa de paz, cooperação e progresso.

O reforço da CDU e do seu número de deputados constitui elemento decisivo para que os trabalhadores e o povo façam avançar o País no caminho do desenvolvimento económico e do progresso social e da afirmação da soberania nacional; na elevação das condições de vida, no investimento público e no financiamento dos serviços públicos, e na afirmação do regime democrático e dos valores da Abril.

Cada voto na CDU é o voto por uma mais justa distribuição da riqueza e de não resignação perante as injustiças e desigualdades; é o voto de quem confia nas potencialidades e riquezas nacionais e nos trabalhadores para garantir o desenvolvimento, o progresso e a melhoria das condições de vida dos portugueses e que rejeita a exploração, o empobrecimento e a exclusão; é o voto no trabalho, honestidade e competência e que não pactua com o compadrio, a corrupção, o abuso de poder, a submissão do interesse público aos interesses privados.

 

IV - O Partido

 

  1. O Partido age numa situação internacional e nacional muito exigente, com obstáculos e potencialidades, que importa compreender nas suas várias dimensões para intervir com o rigor e a determinação que se impõe.

O PCP é a força decisiva na resistência e na luta pela alternativa, contra o retrocesso e pelos valores de Abril no futuro de Portugal.

Não admira, assim, que o grande capital, os centros que orienta e os diversos instrumentos que possui, com os seus objectivos de agravamento da exploração, da completa subversão do regime democrático e comprometimento da soberania, vejam o PCP como o principal obstáculo aos seus propósitos.

Não esquecem todo o percurso histórico do PCP, nem o seu papel nos tempos mais recentes, mas o que mais os preocupa é o futuro e a força do PCP como elemento decisivo de resistência e avanço.

A força de um partido que, não desperdiçando nenhuma possibilidade de levar mais longe a melhoria das condições de vida, se afirma como o Partido da política e da alternativa patriótica e de esquerda, da convergência dos democratas e patriotas, da unidade e mobilização dos trabalhadores e das massas populares.

Discriminação, silenciamento, manipulação, mentira, perseguição, são armas que servem para atacar o PCP desde a sua criação. De tudo se valeram, mas o PCP cumpriu o seu papel e com os trabalhadores e o povo resistiu, resiste e transforma cada ataque em acrescida intervenção junto dos trabalhadores e do povo, apresentando as soluções para o País, afirmando os seus valores, projecto, objectivos e prioridades.

  1. O Comité Central do PCP destaca e valoriza a intensa actividade e iniciativa do Partido, a intervenção das organizações e a acção militante dos membros do Partido nas mais diversas situações e tarefas.

Uma vasta acção e iniciativa em que se destaca: o contributo para o desenvolvimento da luta de massas e para o fortalecimento de organizações e movimentos unitários de massas; a acção de solidariedade internacionalista; o trabalho na Assembleia da República, nas Assembleias Legislativas das Regiões Autónomas, nas autarquias locais e no Parlamento Europeu; a realização de reuniões dos organismos e de plenários de militantes e sessões públicas; a acção de esclarecimento sobre os problemas e aspirações dos trabalhadores e da população, sobre os avanços verificados com a luta dos trabalhadores e a intervenção do PCP, sobre os direitos, a soberania e o desenvolvimento de Portugal, por uma Europa dos trabalhadores e dos povos, por uma alternativa patriótica e de esquerda; o grande êxito do Encontro Nacional do PCP sobre a situação do País e as eleições, realizado dia 2 de Fevereiro, em Matosinhos, com o lema – Alternativa Patriótica e de Esquerda – Soluções para um Portugal com futuro; o forte arranque do trabalho das eleições para o Parlamento Europeu, com grandes iniciativas de apresentação dos candidatos e intenso contacto com os trabalhadores e o povo; uma grande participação nas iniciativas das comemorações do 98.º aniversário do PCP; o início das comemorações do 45.º aniversário da Revolução de Abril, designadamente a Sessão Pública realizada a 2 de Abril, no dia do aniversário da aprovação e promulgação, em 1976, da Constituição da República Portuguesa.

 

  1. O Comité Central do PCP salienta o trabalho desenvolvido para o reforço do Partido, designadamente a responsabilização de quadros, as assembleias das organizações realizadas, o prosseguimento da entrega do cartão de membro do Partido, a organização nas empresas e locais de trabalho, nomeadamente a acção 5 mil contactos com trabalhadores no activo para lhes falar do PCP e lhes colocar a necessidade da adesão ao Partido, acção em que foram até agora contactados mais de 3100 trabalhadores, tendo já mais de 900 aderido ao Partido, fortalecendo-o, alargando o número de empresas e locais de trabalho onde existem membros do Partido e permitindo criar e reforçar células.
  2. O Comité Central considera essencial o prosseguimento da acção de reforço do Partido, concretizando as orientações e medidas prioritárias para um PCP mais forte, um trabalho de todas as organizações e militantes em articulação com a iniciativa política, a acção eleitoral e a luta de massas.

Um Partido mais forte, assegurando o fortalecimento do trabalho de direcção e do trabalho colectivo, a responsabilidade individual, a iniciativa, coordenação e disciplina, a formação política e ideológica. Promovendo a responsabilização de quadros, a militância, o funcionamento regular e eficaz dos organismos de direcção. Procedendo à entrega do cartão de membro do Partido a quem ainda não o recebeu. Dando prioridade à intervenção e organização junto dos trabalhadores, com a criação e dinamização de células de empresa e de locais de trabalho, uma tarefa em que se destaca o prosseguimento do contacto no âmbito da acção 5 mil contactos com trabalhadores para a adesão ao Partido. Dinamizando as organizações locais, a sua renovação e rejuvenescimento, a iniciativa política e o trabalho com as novas gerações e com os reformados e pensionistas. Promovendo a organização do trabalho de propaganda, sistematizando e alargando o aproveitamento dos meios electrónicos, elevando a difusão e a leitura da imprensa do Partido, nomeadamente o Avante!. Assegurando a independência financeira do Partido, tendo como elemento essencial a elevação da importância das quotizações. Preparando desde já a Festa do Avante!, que se realiza a 6, 7 e 8 de Setembro.

 

★★★

 

Ao longo dos seus 98 anos de existência, o PCP enfrentou e passou por situações de grandes perigos e dificuldades, encontrando sempre os caminhos que lhe permitiram resistir e avançar. Um Partido que, orgulhoso da sua história, aprendendo com a sua própria experiência, firme e determinado no presente, assume com energia e audácia as exigências do futuro.

Um Partido que assume e afirma a sua identidade comunista, que está onde sempre esteve, na vanguarda da luta pelos direitos e interesses dos trabalhadores e do povo, por uma política patriótica e de esquerda, por uma Democracia Avançada com os Valores de Abril no Futuro de Portugal, por uma sociedade nova liberta da exploração e da opressão: o socialismo e o comunismo.

 

http://www.pcp.pt/comunicado-do-comite-central-do-pcp-de-8-de-abril-de-2019