Portuguese CP, Statement by Jerónimo de Sousa, General Secretary «You can count on the PCP to resist difficulties and to defend rights»

3/24/20 2:21 PM
  • Portugal, Portuguese Communist Party COVID-19 En Pt Europe Communist and workers' parties

«You can count on the PCP to resist difficulties and to defend rights»
Statement by Jerónimo de Sousa, General Secretary

 

Lisbon, 20 March 2020

 

I would like to share with you this feeling of unease that assails us in the face of the situation we are experiencing.

But also to affirm and share the hope that we will overcome the difficulties and dangers that we face, where words have to give way to action, preventive measures and clinical treatment that safeguard life, health and rights.

They ask us for how long. We are sure of only one thing: we will overcome this difficult moment.

And we must do so by confronting the problems and reacting to adversity, not underestimating the epidemic outbreak but responding with courage and determination.

All preventive and containment measures must be taken, but without letting fear block our collective life. The example that has been set by the Portuguese people with voluntary compliance with the measures determined by the Health authorities is a decisive element in successfully addressing the health problem we face. And it is essential that this be associated with the effort to ensure that the country continues to function as normally as possible, within the context that results from these measures.

At this moment, it is imperative to take measures of reinforcement and investment in the National Health Service, in order to equip it for the present requirements, both of this pathology and in ensuring healthcare for all the other response needs.

People and their health come before budget deficits or surpluses.

At this very sensitive moment, I want to greet the healthcare workers, as well as all others who are involved in responding to the population’s needs, for their dedication and example.

The situation we live in helps to understand that it is in public services and in the National Health Service that the people find the guarantee of their rights, in particular the right to healthcare. May this lesson be retained for the future and not only in times of public health crisis.

A message in particular for workers. For all workers. We know that there are those who are already taking advantage of the situation, adding to fear and panic, in order to take advantage of the legitimate concern of workers so as to impose more exploitation.

Fighting and liquidating the virus, yes. But it is unacceptable to invoke that to liquidate rights, to cut wages, tomake redundancies, to impose the law of the jungle. The situation requires an immediate emergency ban on dismissals and the adoption of measures to safeguard rights.

The country must continue to live, in new conditions, undoubtedly. Ensuring national production so as to meet the population’s needs of goods and services, at the same time that the country's dependence forces us to come up with new solutions to confront the problems that arise. Guaranteeing support for families, for the elderly, for workers, for small and medium-sized entrepreneurs. Overcoming the logic of capitalism, which, even in this moment of crisis, puts interests and rights in second place, when viewing the possibilities of accumulating immediate profits through speculation and price increases, including of essential goods or indispensable health products.

To overcome all these problems, we need courage, determination and correct political options. Today the need for a patriotic and left-wing policy becomes clearer.

Here we are, this Party with one hundred years of history that the workers and the people can count on. In all the difficult times, when others deserted, the PCP always said ‘Present!’

Once again, when the workers and the people need the PCP the most, I can say that we are here and will be here, with our action but also with our presence wherever necessary.

You can count on the PCP for the immediate response that is needed to safeguard Healthcare, to resist difficulties and defend rights, to open the path of sovereignty and development that Portugal needs.

 

http://www.pcp.pt/en/you-can-count-pcp-resist-difficulties-and-defend-rights

 

Some of other PCP statements on the Covid-19 epidemic outbreak

 

«On the measures decided by the Government in the application of the State of Emergency»
Statement by Vasco Cardoso, Member of the Political Committee of the Central Committee
Lisbon, March 19 2020

http://www.pcp.pt/en/measures-decided-government-application-state-emergency

«On the request of authorization for declaration of state of emergency»
Speech by João Oliveira in Assembly of the Republic
Lisbon, March 18 2020

http://www.pcp.pt/en/request-authorization-declaration-state-emergency

«The COVID-19 epidemic outbreak - Short-term and medium-term repercussions, and the responses and policies that must be adopted to address them»
Statement by Jorge Pires, member of the Political Committee of the Central Committee
Lisbon, March 17 2020

http://www.pcp.pt/en/covid-19-epidemic-outbreak-short-term-and-medium-term-repercussions-and-responses-and-policies-must

«About the evolution of COVID-19 and the measures announced by the Government»
Release from the PCP Press Office
Lisbon, March 13 2020

http://www.pcp.pt/en/about-evolution-covid-19-and-measures-announced-government

 

-/-

 

«Podem contar com o PCP para resistir às dificuldades e defender os direitos»
Declaração de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral

 

Lisboa, 20 de Março 2020 

Queria partilhar convosco este sentimento de inquietação que nos assalta perante a situação que vivemos.

Mas também afirmar e partilhar a esperança de que havemos de ultrapassar as dificuldades e perigos que aí estão, onde as palavras têm de dar lugar à acção, às medidas de prevenção e de tratamento clínico que salvaguardem a vida, a saúde e os direitos.

Perguntam-nos até quando. Só temos uma certeza: havemos de dobrar esta curva apertada.

E havemos de o fazer, enfrentando os problemas e reagindo às adversidades, não subestimando o surto epidémico mas respondendo com coragem e determinação.

Todas as medidas de prevenção e contenção devem ser tomadas sim, mas sem deixar que o medo tolha a nossa vida colectiva. O exemplo que tem sido dado pelo povo português com o cumprimento voluntário das medidas determinadas pelas autoridades de saúde, é um elemento decisivo para enfrentar com êxito o problema de saúde que enfrentamos. E é essencial que a isso se associe o esforço para garantir que o País continue a funcionar dentro da normalidade possível no contexto que resulta dessas medidas.

Impõem-se, neste momento, medidas de reforço e investimento no Serviço Nacional de Saúde para o capacitar para as exigências presentes, quer desta patologia quer para manter os cuidados de saúde a todas as outras necessidades de resposta.

As pessoas e a sua saúde estão primeiro que os défices ou excedentes orçamentais.

Neste momento tão sensível quero saudar os trabalhadores da saúde, bem como todos os outros envolvidos na resposta às necessidades das populações, pela sua dedicação e exemplo.

A situação que vivemos ajuda a perceber que é nos serviços públicos e no Serviço Nacional de Saúde que o povo encontra a garantia dos seus direitos, em particular do direito à saúde. Que esta lição fique retida para o futuro e não apenas em tempos de crise de saúde pública.

Uma palavra em particular para os trabalhadores. Para todos os trabalhadores. Sabemos que há quem se esteja já a aproveitar da situação, agigantando o medo e o pânico aproveitam-se da legítima preocupação dos trabalhadores para impor mais exploração.

Combater e liquidar o vírus sim, mas é inaceitável em nome disso, liquidar direitos, cortar salários, fazer despedimentos, impor a lei da selva. A situação impõe a emergência da proibição imediata dos despedimentos e da adopção de medidas de salvaguarda dos direitos.

O País tem de continuar a fazer a sua vida, em novas condições é certo. Garantindo a produção nacional para responder às necessidades de bens e serviços para a população, ao mesmo tempo que a dependência do País obriga a que avancemos com soluções novas para os problemas que vão surgindo. Garantindo apoios às famílias, aos idosos, aos trabalhadores, aos pequenos e médios empresários. Vencendo as lógicas do capitalismo que, também neste momento de crise, põem em segundo lugar os interesses e direitos perante as possibilidades de acumular lucros imediatos com a especulação e os aumentos de preços, incluindo de bens essenciais ou de produtos de saúde indispensáveis.

Para vencer todos estes problemas é necessário coragem, determinação e acerto nas opções políticas a tomar. Hoje fica mais clara a necessidade de uma política patriótica e de esquerda.

Aqui estamos, este Partido com cem anos de história com que os trabalhadores e o povo podem contar. Em todas as horas difíceis, quando outros desertaram, o PCP disse sempre Presente!

Uma vez mais, quando os trabalhadores e o povo mais precisam do PCP, posso afirmar que cá estamos e cá estaremos, com a nossa acção mas também com a nossa presença onde for necessário.

Podem contar com o PCP para a resposta imediata que se impõe na salvaguarda da saúde, para resistir às dificuldades e defender os direitos, para abrir o caminho de soberania e desenvolvimento que Portugal precisa.

 

http://www.pcp.pt/podem-contar-com-pcp-para-resistir-dificuldades-defender-direitos

 

Algumas outras tomadas de posição do PCP sobre o surto epidémico de Covid-19

 

«Sobre as medidas decididas pelo Governo na aplicação do Estado de Emergência»
Declaração de Vasco Cardoso, Membro da Comissão Política do Comité Central do PCP
19 Março 2020

http://www.pcp.pt/sobre-medidas-decididas-pelo-governo-na-aplicacao-do-estado-de-emergencia

 

«Sobre o pedido de autorização da declaração do estado de emergência»
Intervenção de João Oliveira na Assembleia de República
18 Março 2020

http://www.pcp.pt/sobre-pedido-de-autorizacao-da-declaracao-do-estado-de-emergencia

 

«O surto epidémico COVID-19 - As repercussões imediatas e de médio prazo, e as respostas e as políticas a adoptar para as enfrentar»
Declaração de Jorge Pires, membro da Comissão Política do Comité Central
17 Março 2020

http://www.pcp.pt/surto-epidemico-covid-19-repercussoes-imediatas-de-medio-prazo-respostas-politicas-adoptar-para

 

«Sobre os desenvolvimentos do COVID-19 e as medidas anunciadas pelo Governo»
Nota do Gabinete de Imprensa do PCP
13 Março 2020

http://www.pcp.pt/sobre-desenvolvimentos-do-covid-19-medidas-anunciadas-pelo-governo