18 IMCWP, Contribution of the Portuguese CP [En, Pt]

10/28/16 10:45 AM
  • Portugal, Portuguese Communist Party IMCWP En Pt

Contribution of the Portuguese CP [En, Pt]

The Portuguese Communist Party expresses its fraternal greetings to the parties participating in the 18th. International Meeting of Communist and Workers' Parties and particularly to the Communist Party of Vietnam, reaffirming its everlasting solidarity and friendship to the heroic Vietnamese people and wishing the best success to the CPV in the important tasks it is engaged in, in the economic and social development of their homeland, to answer the aspirations of the Vietnamese workers and people, to build socialism.

The PCP participates in this International Meeting reaffirming its commitment to contribute to the strengthening of the international communist and revolutionary movement, its cooperation and internationalist solidarity, with the conviction that it will contribute to the exchange of information and experiences among our parties, for better mutual understanding, for the development of our common or convergent action for peace, for the rights of the workers and peoples, for socialism – exchange and action all the more important when the current international situation is characterised by the structural crisis of capitalism and the violent imperialist offensive.

-/-

In PCP’s view, the international situation remains marked by the deepening of the structural crisis of capitalism and the continuation of a complex and contradictory process of rearrangement of forces on a world scale, a context where imperialism intensifies a violent and all-round offensive which increasingly meets the resistance and struggle of the workers and peoples in defence of their rights and sovereignty and of States in defence of their independence and development.

A situation where, among other expressions of the worsening of the more negative traits of capitalism, stand out the domination of financial and speculative capital on the economy and the heightening of centralisation and concentration of capital, monopolistic appropriation of wealth and raw materials, exploitation, assault on social rights, attack on freedoms, democratic rights and national sovereignty and independence, the liberalisation of world trade as a tool for economic and political domination or the centralisation of power in supranational bodies dominated by the major imperialist powers.

The world continues to face a cyclical crisis that started in 2007/8. A crisis centred on the Triad (US, EU, Japan) – where the situation is of stagnation or anaemic growth – whose effects spread to the entire planet. A cyclical crisis that is inseparable from a deeper reality, the structural crisis of capitalism, reflected in the inability of the dominant system to find solutions to overcome it. Determined by big financial and speculative capital and without tackling the real causes, the measures that are taken to overcome the crisis only protract it and turn even more violent the peak of the explosion of the next crisis.

Although, in the context of inter-imperialist concertation-rivalry, class concertation continues to dominate against the workers and against the people, with the deepening of the crisis the contradictions among the great imperialist powers will tend to sharpen.

The complex and dangerous situation in Europe is the consequence of the deepening structural crisis of capitalism and, simultaneously, of the development of the European capitalist integration. The EU's class nature – an instrument of domination at the service of big capital and of major powers in Europe, deeply contrary to the rights, interests and aspirations of the peoples - intensifies the contradictions around the class issue, the national question and inter-imperialist rivalries. These contradictions are present in recent and major developments such as the referendum in Britain.

The response of big capital to the crisis in and of the European Union is itself a deepening factor of these contradictions. The fact that today the possibility of deep reconfiguration, or end, of the euro and even of the European Union is openly considered is an example of these deepening contradictions.

Faced with the violent offensive against social, labour, democratic and sovereign rights the peoples of Europe increasingly look towards the European Union not as a solution to their problems but as a problem. The militarist and securitarian drift, the deepening reactionary character of the European Union policies – of which the EU policy regarding the refugees humanitarian crisis is a clear example – deepen further the imperialist character of the European Union.

The big capital, the major powers and the forces that have driven the capitalist integration process – right-wing and social democracy – are now trying to launch a new leap forward based on the idea of ​​saving Europe of the threat of the extreme right. But the question is exactly the opposite. To save Europe from this and other dangers passes by defeating the European Union.

The question posed to people, to communist parties and other progressive forces in Europe, is how to deepen the struggle leading to the defeat of the European capitalist integration. In our opinion the path to build another Europe of workers and peoples, of sovereign states equals in rights, of peace, progress and cooperation, depends on the convergence of several factors that are interrelated: the development of the workers' a peoples’ struggle defending their rights and sovereignty and political awareness of the class nature of the European Union; the affirmation of the right to sovereign economic development; changing the correlation of forces in different countries, including through the strengthening of the communist and workers' parties; the coordination and cooperation of progressive and left forces, especially the communists, based on a clear position of breaking with the process of European capitalist integration, rejecting illusions about the refounding and the so called democratization of the European Union.

In view of the exploitative and oppressive offensive, the class struggle sharpens and narrows the social base of support of capitalism, adding to the struggle of the working class and workers other classes and social strata who fight to defend of their specific interests.

In a situation where there are setbacks, but also significant advances by the progressive and revolutionary forces, the struggle of the workers and peoples is characterised by a persistent and determined resistance. Various struggles are taking place all over the world. Struggles for the right to work and other labour rights, trade union rights, social rights, implementation of the social functions of the States, like healthcare, education and Social Security; struggles against the privatisation of strategic sectors and in defence of public services, the right to water, the conservation and sustainable use of natural resources; fights for the right to land and food sovereignty and safety; struggles against all types of exploitation and discrimination; struggles in defence of freedoms, guarantees and democratic rights, against anti-communism, against the rise of fascism; struggles in defence of national sovereignty, for democracy, against blackmail and supranational impositions dictated by the interests of big business and the major powers, against free trade and services agreements.

Imperialism, particularly US imperialism – the great hegemonic power of the capitalist world – tries to counter the decline of its relative economic weight by intensifying exploitation, asserting its supremacy in economic relations and sharpening its aggressive escalade, aiming to yield or destroy those who in one way or another resist it, like forces and countries (and various articulations among countries) which, affirming and defending their sovereignty and national independence, choose paths for their development outside the hegemonic rule of imperialism, in particular of US imperialism.

In this context, imperialism seeks to deny the right to self-determination of the peoples and condemns several countries to underdevelopment, is bent on disregarding the principles of the United Nations Charter and of International Law and in the instrumentalization of the UN, promotes militarism and war, reinforces NATO and a multitude of alliances and offensive military partnerships, intensifies the arms race and the installation of new and sophisticated weapons, fosters terrorism, including State terrorism, interference, destabilization and aggression against sovereign States, practically on every continent, with the danger, and even the threat of an escalade and spreading of military conflicts around the world of incalculable proportions.

The US, NATO, with their allies, are responsible for all major military conflicts of today, with their offensive constituting the great threat that the peoples face.

Expression of the escalade of imperialist confrontation are the wars of aggression in the Middle East - as in Syria, Iraq, Yemen or the occupation of Palestine by Israel – and in Central Asia; the destabilizing offensive in Latin America - as in Brazil, Venezuela and other member countries of ALBA, including the blockade against Cuba; the processes of destabilization and re-colonisation in Africa; the advance of NATO towards Eastern Europe and the instrumentalization and fasciszation of Ukraine, aimed at the Russian Federation; or the growing militarization in Asia and the Pacific promoted by the US and Japan, aimed at China.

A reality that brings urgency to the strengthening of solidarity with the peoples victims of imperialist destabilization and war and to the struggle for peace, against militarism and war, against NATO and the militarization of the European Union.

Imperialism’s aggressive offensive aimed at the sovereignty of the peoples and the independence of States extends and diversifies the forces that objectively converge for the anti-imperialist struggle.

The international situation makes clear the interconnection between the defence of national sovereignty and independence, the struggle for peace and the struggle for social progress and emancipation, highlighting the intrinsic relationship between the class issue and the national issue in the process of emancipation of the workers and peoples.

-/-

In this context, the PCP considers of utmost importance the strengthening, unity and increase of the capacity for action of the international communist and revolutionary movement. A goal that necessarily involves the strengthening of every Communist Party or other revolutionary force – their connection with the masses and their national reality, their ability to define their programme and tasks – and the strengthening of solidarity and cooperation.

To this effect, the PCP is committed to the strengthening of mutual solidarity and cooperation between communist parties, contributing to further debate, valorising at every moment what favours unity in action and asserting the communist identity, ideal and project, be it in the context of their bilateral relations or in a multilateral framework – like the process of the International Meetings of Communist and Workers' Parties (IMCWP).

.

The PCP considers that what harms the strengthening of the communist movement is both the growth of liquidationist and social democratizing trends and the dogmatic and sectarian concepts and practices which, in the opinion of the PCP, do not contribute to strengthen the communist movement and its unity in action, bringing about factors of division, distancing and misunderstanding that hamper the necessary progress in their internationalist solidarity, and their relation with other progressive and left-wing forces.

Based on its own experience and the historical experience of the communist movement, the PCP considers essential in the relationship between communist parties the observance of principles, such as equal rights, independence, mutual respect, non-interference in internal affairs, openness and mutual solidarity. Similarly, the PCP considers that natural differences, and even divergences, in the analysis of the international situation and the strategy and tactics in the struggle for socialism, should not preclude frank and fraternal discussion in order to examine common problems and approximation of positions, and prevent the unit and intervening capacity of the international communist and revolutionary movement, including their cooperation, their common or convergent action in the fight against the common enemy and for the emancipation of workers and peoples.

To the PCP, these are teachings all the more important and topical when the present international situation places such large and complex demands on the communist parties and other revolutionary forces, and when they, having differentiated paths and fighting in different conditions, face different immediate tasks and are at different stages of the struggle for socialism.

Similarly, the PCP considers that the communist and revolutionary movement has a special responsibility (and a unique experience and heritage) in the construction of social and political alliances, to hold back and place under retreat imperialism’s offensive.

To the PCP, the current international situation poses with particular urgency the need of approximation, the strengthening of the ties of solidarity and the development of cooperation among the communist parties and other revolutionary forces – with the statement of their own objectives and without diluting their identity – with other forces of peace, patriotic, democratic, progressive and anti-imperialist, contributing to the exchange of experiences and for unity in action around immediate objectives of struggle corresponding to the defence of the rights of workers and peoples.

Solidarity which does not mean, requires or is conditioned to a total identification with the forces which carry out resistance and struggle, not necessarily with all the options and solutions that they take, but places at the forefront the defence of principles and objectives, namely the fundamental rights of the peoples, which is a condition for the advance of the struggle towards social and national emancipation.

In this context, particularly important is the strengthening of international broad-united bodies, such as the World Peace Council (WPC), the World Federation of Democratic Youth (WFDY), the Women's International Democratic Federation (WIDF), the World Federation of Trade Unions (WFTU) and the International Federation of Resistance Fighters (FIR), ensuring their broad-united and anti-imperialist character.

At the European level, the PCP has been acting to bring closer the communist parties and these with other progressive forces, taking into account differences of situation, reflection and proposal and respecting their independence, placing at the forefront the most heartfelt issues of the workers and the peoples and the fight against the European Union and for a Europe of cooperation among sovereign States with equal rights, of progress and peace. To this effect, the PCP has integrated the Confederal Group of the European United Left/Nordic Green Left (GUE/NGL) in the European Parliament, a position it assumes on the basis of respect and safeguard of its confederal nature, its own identity – alternative to social democracy – and its independence in relation to other spaces or structures – like the European Left Party, a structure of supranational and reformist nature.

Around the world, in a situation that is still of resistance and gathering of forces, even in the toughest conditions, the workers and the peoples resist and fight for their rights, for freedom from oppression, including national oppression, to conquer freedom, democracy, in defence of national sovereignty and independence, for justice and social progress, for democratic changes, anti-monopolist and anti-imperialist changes, for socialism – resistance and struggles, converging in the struggle against imperialism, are interconnected in the same liberated universal ideal and process.

To the PCP, the structural crisis capitalism and the violent offensive by imperialism brings the need to strengthen a broad anti-imperialist front that holds back imperialism’s offensive and opens the way for the construction of a new international order, of peace, sovereignty and social progress. Similarly, reality shows the need for a strong and vigorous international communist and revolutionary movement, the existence of strong communist and revolutionary parties that promote resistance and struggle of the workers and peoples to defend their rights, the advancement of social change and revolutionary overthrow of capitalism.

-/-

Portugal faces problems accumulated as a result of four decades of right-wing policies and thirty years of capitalist integration in the EEC/EU, which PS, PSD and CDS-PP implemented.

A policy at the service of big business and of regression of the achievements of the April revolution. A counter-revolutionary process which, interlinked with the process of European capitalist integration, led the country into a situation of characteristics typical of state monopoly capitalism, in a framework in which the Portuguese State is increasingly sidelined and dominated within the European Union, and broadly by imperialism. A process which promoted economic decline, increased exploitation, social regression, cultural regression, perversion of the democratic regime, a marked dependence that threatens national sovereignty and independence and jeopardizes the present and future of the country.

The four and a half years of the previous PSD/CDS-PP government and the enforcement of the “memorandum” – an authentic pact of aggression – signed by PS, PSD and CDS-PP with the European Union, the European Central Bank and the International Monetary Fund, were marked by an attack on the rights of the workers and Portuguese people, enhancement of concentration of wealth and the worsening of exploitation, social inequalities and impoverishment, by a severe economic and social crisis, the deterioration of democratic regime, the reconfiguration of the State at the service of monopoly capital.

The workers and the Portuguese people responded to this violent attack with a persistent and intense struggle – where the broad-united trade union movement, the CGTP-IN, the great trade union central of the Portuguese workers assumed a key role – against the right-wing policy and to defend their rights, interests and aspirations.

The October 4, 2015 legislative elections reflected the condemnation of the PSD/CDS-PP government, expressing the political and social isolation determined by the struggle of the masses and the desire to prevent the continuation of its policy of worsening exploitation and impoverishment, of deepening national decline and dependence.

It was this demand for change that the PCP echoed by taking the initiative, in the context of a new correlation of forces resulting from the elections, to help cease the destructive action of the PSD/CDS-PP government and not squander the opportunity to respond to the problems and pressing needs and achieve progress, albeit limited, giving political expression to the struggle and the important immediate claims of the workers and the Portuguese people in defence of their rights and interests.

Although not fulfilling the essential goal of a rupture with the right-wing policy and the implementation of a patriotic and left-wing policy, which the PCP advocates, the new correlation of forces has resulted: not in the constitution of a "left-wing government" but the formation and coming into office of a minority PS government with its own programme; not in the existence of a parliamentary “left-wing majority”, but the existence of a relationship of forces where PSD and CDS-PP are in minority, and at the same time, the parliamentary groups of the PCP and PEV [parties that are part of Broad-united Democratic Coalition – CDU], influence decisions and are crucial and indispensable for the restoration and achievement of rights and incomes; not in a situation where the PCP is a supporting force to the government by means of any "agreement of parliamentary incidence”, but a situation where, having contributed for the government to begin office, the PCP maintains full political freedom and independence, all the time guiding its analysis and decisions based on what best serves the interests of the workers, the people and the country.

A political solution, in which the PCP fully assumes its independence and identity, reaffirms its Programme and project and holds as objectives its intervention to achieve a rupture with the right-wing policy and a patriotic and left-wing policy.

The new phase of political life in Portugal portrays the contradictory context of the possibilities and limitations that are inherent to it. On the one hand, the implementation of a set of advances, albeit limited, resulting from the struggle of the workers and the people and the intervention of the PCP expressed: in the interruption and reversal of the continuation and intensification of the PSD/CDS-PP government’s offensive; in the progress achieved on a return of rights, wages and income; in witnessing, even though circumstantially, the existence of a course other than the one which the PSD/CDS-PP government and the European Union presented as inevitable and as the one and only. On the other hand, the confirmation of the limitations, of more crucial and indispensable advances, resulting from the PS government's options of submission to the policies, impositions and conditionings of the European Union and the interests of monopoly capital.

Notwithstanding, the replacement of wages which were cut and the 35-hour work time in Public Administration, the elimination of the surcharge on the income tax, the replacement of the holidays that were dropped, the reversal of the process of privatisation of public companies of public transport, the increase in the national minimum wage, increased child benefits and solidarity supplement for the elderly, the cut in healthcare user fees, the protection of the family residence resulting from tax foreclosures, the introduction of free school textbooks, the extra support for unemployed workers, the cut in VAT in restaurant bills, are examples of measures that meet important claims of the struggle of the workers and the Portuguese people that need to be consolidated and is necessary to continue to go further in the defence, replacement and achievement of rights, restoring hope and confidence that a better life is possible.

The PCP does not ignore the complexity and demands of the current phase of political life in Portugal and is fully aware of its deep divergences with the PS, of the different programmatic options of the PS, its path and its assumed attitude of not breaking with external constraints, whether in relation to the impositions of the Union European, of submission to the Euro or to the debt, or not breaking with the interests of big business. These options of the PS remain in its government action, being structural options associated to a right-wing policy.

The removal of PSD and CDS-PP corresponded not only to the pressing need to stop their destructive work but also to the legitimate expectations of the electoral defeat of those parties portraying the defeat of their policy – a policy that is necessary to prevent from returning, either by the hand of these parties or that of PS.

The possibility now open, although in a limited way, to address the most pressing problems and the need to ensure the continuity and consolidation of this path, face not only the conditionings and the constraints arising from the process of European capitalist integration, but also pressures and blackmail from big business.

Without denying the political significance of the current situation in Portugal which shows that there can be another course other than just more exploration, destruction of rights and impoverishment, this situation also shows the increasingly irreconcilable nature of the impositions of the European Union and the Euro and a policy which effectively answers the economic and social development that the country needs.

The reaction of transnational capital centres is here is to prove that, however feeble the affirmations of sovereignty or questioning of their interests, they spare no means to preserve their aims, and it is necessary to combat any illusion about the possibility of consolidating a path of affirmation of the right to a sovereign development submitted to the impositions and rules of the European Union.

The effective answer to the country's problems continues to be affected by the suffocation of the burden of public debt, by the constraints of the mechanisms and blackmail of the Euro and the European Union, by the succession of scandals in banking, which consume thousands of millions of Euros of public funds, or the domination of monopoly groups on the national economy.

Notwithstanding the value and important significance of the defeat of the PSD/CDS-PP government and the most immediate projects of big business, made possible by the persistent struggle of the workers and the people and the action of the PCP, the reality of the country increasingly shows the need and urgency of a rupture with the right-wing policy, rupture with the power of monopoly capital and with the limitations and constraints stemming from the capitalist integration of the European Union and the Euro and their instruments of domination.

The defence of all the positive measures meanwhile obtained and the combat against all negative measures and aspects and guidelines of the right-wing policy that still remain, are part of the struggle for a rupture with the right-wing policy and an alternative patriotic and left-wing policy proposed by PCP.

A policy which, due to its patriotic dimension, inscribes national sovereignty and independence as a central goal, affirming the inalienable right of the Portuguese people to decide their present and future and the prevalence of this sovereign will on any and all constraints and external impositions.

A left-wing policy that assumes a rupture with the right-wing policy and inscribes the aim of valorisation of the rights and incomes of the workers and people, raising the living conditions of other anti-monopoly classes and strata, the promotion of justice and social progress.

PCP’s immediate political proposal, with anti-monopolistic and anti-imperialist character, holds eight prioritary aspects: the liberation of the country from submission to the Euro and from the impositions and constraints of the European Union which, with other expressions of a sovereign foreign policy, of peace and cooperation, affirms a free and sovereign Portugal; the renegotiation of the public debt, in its terms, interest and amounts, to ensure a debt service consistent with public investment needs, development and creation of jobs; the valorisation of work and workers, based on full employment, on wage increases, shorter working hours, in defence of work with rights, fight against unemployment and precariousness and higher pensions and retirement pays; the defence and promotion of domestic production and of productive sectors, with the development of a policy in defence of manufacturing and mining, agriculture and fisheries, placing national resources to serve the people and the country and reduce structural deficits; ensure public control of banking, return to the public sector of strategic basic sectors of the economy, creating a strong and dynamic State Business Sector, support to micro, small and medium-sized enterprises and to the cooperative sector; the guarantee of Public Administration and services to serve the people and the country, valuing the National Health Service as a general, universal and free service; a public school, free and of quality; a public and universal Social Security system; the defence of a fair fiscal policy to ease the tax burden on the income of workers and the people and cut down the scandalous favouring of big business; the defence of the democratic regime and compliance with the Constitution of the Portuguese Republic, furthering rights, freedoms and guarantees, fight against corruption and implementation of an independent judiciary accessible to all.

The materialisation of an alternative patriotic and left-wing policy requires: the broadening of the organisation, unity and struggle of the working class and workers; the increasing intervention of all anti-monopoly classes, strata and sectors, of all those were affected by the right-wing policy, of democrats and patriots interested in reversing the course of national politics, in a large anti-monopolist social front; the strengthening of the PCP and its political and ideological, social and electoral influence.

The development of the mass struggle around concrete objectives, for labour, social, economic and political claims is a determining factor for enhancing social and political awareness and extending the social front of struggle to make a rupture with the right-wing policy and for a patriotic and left-wing alternative.

A patriotic and left-wing policy based on the principles and values of the Constitution of the Portuguese Republic and which falls within PCP’s programme "An Advanced Democracy - The values of the April Revolution in the Future of Portugal", a constituent part of the construction of socialism.

-/-

It is in times of great political challenges in national and international political life that the PCP holds its XX Congress this coming December 2, 3 and 4.

Aware of the complexity of the situation and the demands it entails, the PCP sets as an essential aim its organic strengthening, deepening its roots among the workers and the people, its connection to the Portuguese reality, articulating the struggle for immediate goals with the struggle for its wider goals, reaffirming its communist identity and its revolutionary project.

Organic strengthening of the Party which, among other important aspects, entails: strengthening of the leadership work; increasing the number of comrades with permanent responsibilities; recruitment and integration of new members; creation and promotion of company and workplace cells; structuring of local organisations; development work with the newer generations, with retirees and pensioners and other strata and prioritary sectors; increase of political initiative; improving the propaganda work and of the Party press; ensuring its financial independence.

Party that assumes and affirms with its practice, guideline and concept the essential characteristics of its communist identity: a party of the working class and of all workers, which upholds the interests of the anti-monopoly classes and strata, free from the influence, interests, ideology and policies of forces of capital and whose characteristics and concern is a close bond with the working class, the workers and the people; a party whose supreme goal is the construction of socialism and communism, a society free from capitalist exploitation and oppression; a party that has Marxism-Leninism, as theoretical basis, a materialist and dialectical concept, as tool for analysis, a guide for action, critical and transforming ideology; a party which has working principles arising from the creative development of democratic centralism, based on a deep internal democracy, a single general guideline and a single central leadership; a patriotic and internationalist party.

PCP, the party of anti-fascist resistance, party of the April revolution and defence of its achievements, affirms itself as a force for action and transformation, of hope and confidence, with its identity and project, with a determined and decisive intervention, always faithful to its internationalist duties, always at the service of the workers, the people, the Portuguese homeland.

In the times we live, 100 years after the October Socialist Revolution and following the developments that took place in the twentieth century, in which the capitalist system, with its exploitative, oppressive, aggressive and predatory nature, with the destructive and tragic consequences it holds, suffers the deterioration of its structural crisis, becomes even clearer the importance and achievements of the aims of this major event in the history of Mankind and the affirmation of socialism as a requirement of the present and of the future.

After millennia where societies in which the socio-economic systems were based on the exploitation of man by man, the October Revolution began a new era in the history of Mankind, an era of transition from capitalism to socialism.

To mark this centennial we keep in mind the teachings of the processes of building socialism in the Soviet Union and other countries, the successes and defeats, the setbacks and advances, the long struggle that preceded it, as important experiences that enrich and enliven the continuing struggle for socialism and communism. The twentieth century was not of the "death of communism", but the century in which communism was born as a new and superior form of society.

The disappearance of the USSR and the defeats of socialism in Eastern Europe had an undeniable and profound negative impact on the world balance of forces, on the social and political awareness of the masses and in the development of the struggle for socialism. But this fact does not change the fundamental content of our time, or calls into question the direction of historical development. Capitalism has not changed its nature, its revolutionary overthrow becomes a necessity.

The working class, the workers and the peoples, with their unity, organisation and struggle, have in their hands the success of the resistance to the current attack by big business, imperialism, and the achievement of social and national emancipation.

The PCP points as aim to the Portuguese people the construction of a socialist society, based on the reality and experience of the Portuguese Revolution, critically absorbing the world revolutionary experience. In proposing its programme '”An advanced democracy - The April values in the future of Portugal', the PCP believes that the materialisation of this process of profound transformation and development of the Portuguese society is, in itself, an integral part of building socialism in Portugal. The struggle that the PCP undertakes for the defence, restoration and achievement of rights, for a rupture with the right-wing policy and the implementation of a patriotic and left-wing policy begins with the struggle for an advanced democracy, and it is part of the struggle for socialism.

Socialism, by different paths and stages, affirms itself as the goal of the struggle of peoples, as prospect and future condition inseparable from full human liberation and achievement.

It is with confidence that the PCP believes that, in a more or less prolonged historical period, through the struggle for social and national emancipation of the workers and peoples, the replacement of capitalism by socialism, in the twenty-first century, remains inscribed as a real possibility and as the most solid prospect of the evolution of Mankind.

It is to this process of struggle and construction that the Portuguese communists commit themselves with unwavering determination.

Contribuição do Partido Comunista Português

18º Encontro Internacional de Partidos Comunista e Operários

28 a 30 de Outubro de 2016, Hanói, República Socialista do Vietname

O Partido Comunista Português expressa as suas saudações fraternais aos partidos participantes no 18º Encontro Internacional de Partidos Comunista e Operários e, particularmente, ao Partido Comunista do Vietname, reafirmando a sua solidariedade e amizade de sempre com o heróico povo vietnamita e formulando os melhores êxitos ao PCV nas importantes tarefas em que está empenhado, no desenvolvimento económico e social da sua pátria, na resposta aos anseios dos trabalhadores e povo vietnamita, na construção do socialismo.

O PCP participa neste Encontro Internacional reafirmando o seu empenho em contribuir para o fortalecimento do movimento comunista e revolucionário internacional, da sua cooperação e solidariedade internacionalista, com a convicção de que este contribuirá para o intercâmbio de informações e experiências entre os nossos partidos, para um melhor conhecimento mútuo, para o desenvolvimento da nossa acção comum ou convergente em prol da paz, dos direitos dos trabalhadores e dos povos, do socialismo – intercâmbio e acção tão mais importantes quando a actual situação internacional é caracterizada pela crise estrutural do capitalismo e pela violenta ofensiva imperialista.

-/-

Na opinião do PCP a situação internacional continua marcada pelo aprofundamento da crise estrutural do capitalismo e pelo prosseguimento de um complexo e contraditório processo de rearrumação de forças à escala mundial, quadro em que o imperialismo intensifica uma violenta e multifacetada ofensiva que se confronta crescentemente com a resistência e luta dos trabalhadores e dos povos em defesa dos seus direitos e soberania e de Estados em defesa da sua independência e desenvolvimento.

Uma situação onde, entre outras expressões do agravamento dos traços mais negativos do capitalismo, sobressai o domínio do capital financeiro e especulativo sobre a economia e a acentuação da centralização e concentração do capital, da apropriação monopolista de riquezas e matérias-primas, da exploração, da investida contra direitos sociais, do ataque a liberdades, a direitos democráticos e à soberania e independência nacionais, da liberalização do comércio mundial como instrumento de domínio económico e político ou da centralização do poder em instâncias supranacionais dominadas pelas grandes potências imperialistas.

O mundo continua confrontado com uma crise cíclica desencadeada em 2007/8. Uma crise centrada na Tríade (EUA, UE, Japão) – onde a situação é de estagnação ou crescimento anémico –, cujos efeitos se estendem a todo o planeta. Crise cíclica que é indissociável de uma realidade mais profunda, a crise estrutural do capitalismo, reflectida na incapacidade do sistema dominante em encontrar soluções para a ultrapassar. Determinadas pelo grande capital financeiro e especulativo e não atacando as suas verdadeiras causas, as medidas tomadas para debelar a crise apenas a prolongam e tornam mais violenta a explosão do pico de crise seguinte.

Contudo, no contexto da concertação-rivalidade inter-imperialista, a concertação de classe contra os trabalhadores e os povos continua a dominar, com o aprofundamento da crise as contradições entre as grandes potências imperialistas tenderão a agudizar-se.

A complexa e perigosa situação na Europa é consequência do aprofundamento da crise estrutural do capitalismo e, simultaneamente, do processo de integração capitalista europeu. A natureza de classe da União Europeia – um instrumento de domínio ao serviço do grande capital e das grandes potências europeias, profundamente contrário aos ditireitos, interesses e aspirações dos povos – intensifica as contradições em torno da questão de classe, da questão nacional e das rivalidades inter-imperialistas. Estas contradições estão presentes nos recentes e importantes desenvolvimentos, como é o caso do referendo britânico.

A resposta do grande capital à crise na e da União Europeia é ela própria um factor de aprofundamento destas copntradições. O facto de hoje se considerar abertamente a possibilidade de uma profunda reconfiguração, ou mesmo do fim, do Euro e até da União Europeia, é um exemplo do aprofundamento destas contradições.

Confrontados com a violenta ofensiva contra os direitos sociais, laborais e de soberania, os povos da Europa olham de forma crescente para a União Europeia não como uma solução para os seus problemas, mas como um problema. A deriva securitária e militarista, o aprofundamento do carácter reaccionário das políticas da União Europeia – da qual a política relativa à crise humanitária dos refugiados é um claro exemplo – aprofunda ainda mais o carácter imperialista da União Europeia.

O grande capital, as grandes potências e as forças que têm conduzido o processo de integração capitalista – direita e social-democracia – tentam agora uma nova fuga em frente baseada na ideia de salvar a Europa da ameaça da extrema-direita. Mas a questão é exactamente a oposta, salvar a Europa deste e doutros perigos, passa por derrotar a União Europeia.

A questão que está colocada aos povos, aos partidos comunistas e a outras forças progressistas na Europa é como aprofundar a luta que conduza à derrota do processo de integração capitalista. Na nossa opinião, o caminho para construir uma outra Europa dos trabalhadores e dos povos, de Estados soberanos e iguais em direitos, de paz, de progresso e cooperação, depende da convergência de vários factores que se interrelacionam: o desenvolvimento da luta dos trabalhadores e dos povos em defesa dos seus direitos e soberania e a consciência da natureza de classe da União Europeia; a afirmação do direito ao desenvolvimento economico soberano; a alteração da correlação de forças em diferentes países, nomeadamente por via do fortalecimento dos partidos comunistas e operários; a coordenação e cooperação das forças progressistas e de esquerda, especialmente dos comunistas, baseada numa posição de ruptura com o processo de integração capitalista, rejeitando ilusões sobre a refundaçao e a chamada democratização da União Europeia.

Perante a ofensiva exploradora e opressora, agudiza-se a luta de classes e estreita-se a base social de apoio do capitalismo, agregando à luta da classe operária e dos trabalhadores outras classes e camadas sociais que lutam em defesa dos seus interesses específicos.

Num quadro em que verificam recuos, mas também importantes avanços por parte das forças progressistas e revolucionárias, a luta dos trabalhadores e dos povos é caracterizada por uma persistente e decidida resistência. Por todo o mundo têm lugar diversificadas lutas. Lutas pelo direito ao trabalho e outros direitos laborais, por direitos sindicais, por direitos sociais, pela concretização das funções sociais dos Estados, como a saúde, a educação e a segurança social; lutas contra a privatização de sectores estratégicos e em defesa dos serviços públicos, pelo direito à água, pela preservação e utilização sustentável dos recursos naturais; lutas pelo direito à terra e pela soberania e segurança alimentares; lutas contra todas as formas de exploração e discriminação; lutas em defesa das liberdades, garantias e direitos democráticos, contra o anti-comunismo, contra o ascenso do fascismo; lutas em defesa da soberania nacional, da democracia, contra as chantagens e imposições supranacionais ditadas pelos interesses do grande capital e das grandes potências, contra os acordos de livre comércio e serviços.

O imperialismo, particularmente o imperialismo norte-americano – a grande potência hegemónica do mundo capitalista – tenta contrariar o declínio do seu peso económico relativo através da intensificação da exploração, da imposição da sua supremacia nas relações económicas e da acentuação da sua escalada agressiva, visando submeter ou destruir quem de alguma forma lhe resista, como forças e países (e diversificadas articulações entre países) que afirmando e defendendo a sua soberania e independência nacionais assumam a opção de caminhos para o seu desenvolvimento fora do quadro do domínio hegemónico do imperialismo, designadamente do imperialismo norte-americano.

Neste quadro, o imperialismo procura negar o direito à auto-determinação dos povos e condenar ao subdesenvolvimento inúmeros países, empenha-se no desrespeito dos princípios da Carta das Nações Unidas e do Direito Internacional e na instrumentalização da ONU, promove o militarismo e a guerra, reforça a NATO e uma multiplicidade de alianças e parcerias militares ofensivas, intensifica a escalada armamentista e a instalação de novos e sofisticados armamentos, fomenta o terrorismo, incluindo o terrorismo de Estado, a ingerência, a desestabilização e a agressão contra Estados soberanos em, praticamente, todos os continentes, com o perigo, e mesmo a ameaça, de uma escalada e generalização de conflitos militares no plano mundial com incalculáveis proporções.

Os EUA e a NATO, com os seus aliados, são responsáveis por todos os grandes conflitos militares da actualidade, constituindo a sua ofensiva a grande ameaça que os povos enfrentam.

São expressão da escalada de confrontação do imperialismo as guerras de agressão no Médio Oriente – como na Síria, no Iraque, no Iémen ou a ocupação da Palestina por Israel – e na Ásia Central; a ofensiva desestabilizadora na América Latina – como no Brasil, na Venezuela e noutros países integrantes da ALBA, incluindo o bloqueio a Cuba; os processos de desestabilização e de recolonização em África; o avanço da NATO para o Leste da Europa e a instrumentalização e fascização da Ucrânia, visando a Federação Russa; ou a crescente militarização na Ásia e Pacífico promovida pelos EUA e o Japão, visando a China.

Uma realidade que coloca com premência o fortalecimento da solidariedade com os povos vítimas da desestabilização e guerra imperialistas e da luta pela paz, contra o militarismo e a guerra, contra a NATO e a militarização da União Europeia.

A ofensiva agressiva do imperialismo visando a soberania dos povos e a independência dos Estados alarga e diversifica as forças que objectivamente convergem na luta anti-imperialista.

A situação internacional coloca em evidência a interligação entre a defesa da soberania e independência nacionais, a luta pela paz e a luta pelo progresso e emancipação social, realçando a relação intrínseca entre a questão de classe e a questão nacional no processo de emancipação dos trabalhadores e dos povos.

-/-

Neste quadro, o PCP considera da maior importância o fortalecimento, a unidade e o incremento da capacidade de acção do movimento comunista e revolucionário internacional. Objectivo que passa necessariamente pelo fortalecimento de cada partido comunista ou outra força revolucionária – da sua ligação às massas e à sua realidade nacional, da sua capacidade de definir o seu programa e tarefas – e pelo reforço da sua solidariedade e cooperação.

Neste sentido, o PCP empenha-se no fortalecimento da solidariedade recíproca e da cooperação entre partidos comunistas, contribuindo para o aprofundamento do debate, valorizando em cada momento o que favoreça a unidade na acção e afirmando a identidade, o ideal e projecto comunista, seja no âmbito das suas relações bilaterais ou no quadro multilateral – como o processo dos Encontros Internacionais de Partidos Comunistas e Operários (EIPCO).

O PCP considera que prejudica o fortalecimento do movimento comunista tanto o desenvolvimento de tendências liquidacionistas e social-democratizantes, como de concepções e práticas dogmáticas e sectárias, que, na opinião do PCP, não contribuem para o reforço do movimento comunista e para a sua unidade na acção, introduzindo factores de divisão, afastamento e incompreensão que dificultam os necessários avanços na sua solidariedade internacionalista, e na relação deste com outras forças progressistas e de esquerda.

Baseado na sua própria experiência e na experiência histórica do movimento comunista, o PCP considera essencial no relacionamento entre partidos comunistas a observância de princípios, como a igualdade de direitos, a independência, o respeito mútuo, a não ingerência nos assuntos internos, a franqueza e solidariedade recíproca. Da mesma forma, o PCP considera que naturais diferenças, e mesmo divergências, na análise da situação internacional e sobre a estratégia e táctica na luta pelo socialismo, não devem impossibilitar a discussão franca e fraternal com vista ao exame de problemas comuns e à aproximação de posições, e impedir a unidade e capacidade de intervenção do movimento comunista e revolucionário internacional, incluindo a sua cooperação, a sua acção comum ou convergente na luta contra o inimigo comum e pela emancipação dos trabalhadores e dos povos.

Para o PCP, estes são ensinamentos tão mais importantes e actuais, quando a presente situação internacional coloca tão grandes e complexas exigências aos partidos comunistas e outras forças revolucionárias, e quando estes, tendo trajectórias diferenciadas e lutando em condições diversificadas, se confrontam com diferentes tarefas imediatas e se encontram em diferentes etapas da luta pelo socialismo.

Do mesmo modo, o PCP considera que o movimento comunista e revolucionário têm uma particular responsabilidade (e uma experiência e património ímpares) na construção de alianças sociais e políticas, que possam conter e colocar em recuo a ofensiva do imperialismo.

Para o PCP, a actual situação internacional coloca com particular premência a necessidade da aproximação, do reforço dos laços de solidariedade e do desenvolvimento da cooperação dos partidos comunistas e demais forças revolucionárias – com a afirmação dos seus objectivos próprios e sem diluição da sua identidade – com outras forças da paz, patrióticas, democráticas, progressistas e anti-imperialistas, contribuindo para o intercâmbio de experiências e para a unidade na acção em torno de objectivos de luta imediatos que correspondam à defesa dos direitos dos trabalhadores e dos povos.

Solidariedade que não significa, exige ou é condicionada a uma total identificação com as forças que protagonizam a resistência e a luta, nem necessariamente com todas as opções e soluções por estas tomadas, mas que coloca no primeiro plano a defesa de princípios e objectivos, nomeadamente de direitos fundamentais dos povos que são condição para o avanço da luta no sentido da sua emancipação social e nacional.

Neste quadro, adquire particular importância o reforço das estruturas unitárias internacionais, como o Conselho Mundial da Paz (CMP), a Federação Mundial da Juventude Democrática (FMJD), a Federação Democrática Internacional das Mulheres (FDIM), a Federação Sindical Mundial (FSM) e a Federação Internacional de Resistentes (FIR), garantindo o seu carácter unitário e anti-imperialista.

No plano europeu, o PCP tem agido no sentido da aproximação dos partidos comunistas e destes com outras forças progressistas, tendo em conta diferenças de situação, reflexão e proposta e no respeito pela sua independência, colocando no primeiro plano as questões mais sentidas pelos trabalhadores e pelos povos e a luta contra a União Europeia e por uma Europa de cooperação entre Estados soberanos e iguais em direitos, de progresso e de paz. Neste sentido, o PCP tem integrado o Grupo Confederal da Esquerda Unitária / Esquerda Verde Nórdica (GUE/NGL) no Parlamento Europeu, posição que assume em função do respeito e salvaguarda da sua natureza confederal, da sua identidade própria – alternativa à social-democracia – e da sua independência em relação a outros espaços ou estruturas – como o Partido da Esquerda Europeia, estrutura de natureza supranacional e reformista.

Por todo o mundo, numa situação que é ainda de resistência e acumulação de forças no plano mundial, mesmo nas condições mais difíceis, os trabalhadores e os povos resistem e lutam pelos seus direitos, pela libertação da opressão, incluindo da opressão nacional, pela conquista da liberdade, da democracia, em defesa da soberania e independência nacionais, pela justiça e progresso social, por transformações democráticas, anti-monopolistas e anti-imperialistas, pelo socialismo – resistências e lutas que, confluindo na luta contra o imperialismo, se interligam num mesmo ideal e processo universal libertado.

Para o PCP, a crise estrutural do capitalismo e a violenta ofensiva do imperialismo colocam a necessidade de fortalecer uma ampla frente anti-imperialista que trave a ofensiva do imperialismo e abra caminho à construção de uma nova ordem internacional, de paz, soberania e progresso social. Do mesmo modo, a realidade demonstra a necessidade de um forte e vigoroso movimento comunista e revolucionário internacional, da existência de fortes partidos comunistas e revolucionários que promovam a resistência e luta dos trabalhadores e dos povos, em defesa dos seus direitos, pelo avanço da transformação social e da superação revolucionária do capitalismo.

-/-

Portugal confronta-se com problemas acumulados em resultado de quatro décadas de política de direita e de trinta anos de integração capitalista na CEE/União Europeia, que PS, PSD e CDS-PP realizaram.

Uma política ao serviço do grande capital e de regressão das conquistas da Revolução de Abril. Um processo contra-revolucionário que, interligado com o processo de integração capitalista europeu, reconduziu o País a uma situação com características típicas do capitalismo monopolista de Estado, num quadro em que o Estado português é cada vez mais subalternizado e dominado no âmbito da União Europeia, e em geral pelo imperialismo. Um processo que promoveu o declínio económico, o aumento da exploração, o retrocesso social, a regressão cultural, a perversão do regime democrático, uma acentuada dependência, que ameaça a soberania e independência nacionais e compromete o presente e o futuro do País.

Os quatro anos e meio do anterior governo PSD/CDS-PP e de imposição do «memorando» – um autêntico pacto de agressão – subscrito pelo PS, PSD e CDS-PP com a União Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional, foram marcados pela ofensiva contra os direitos dos trabalhadores e do povo português, pela acentuação da concentração da riqueza e do agravamento da exploração, das desigualdades sociais e do empobrecimento, por uma grave crise económica e social, pela degradação do regime democrático, pela reconfiguração do Estado ao serviço do capital monopolista.

Os trabalhadores e o povo português responderam a esta violenta ofensiva com uma persistente e intensa luta – em que assumiu um papel determinante o movimento sindical unitário, a CGTP-IN, a grande central sindical dos trabalhadores portugueses – contra a política de direita e em defesa dos seus direitos, interesses e aspirações.

As eleições legislativas de 4 de Outubro de 2015 traduziram a condenação do governo PSD/CDS-PP, expressando o isolamento político e social determinado pela luta de massas e a vontade de ver impedido o prosseguimento da sua política de agravamento da exploração e empobrecimento, de aprofundamento do declínio e dependência nacionais.

Foi essa exigência de mudança que o PCP interpretou tomando a iniciativa, no quadro da nova correlação de forças saída das eleições, de contribuir para a interrupção da acção destruidora do governo PSD/CDS-PP e de não desperdiçar a oportunidade para responder a problemas e necessidades prementes e para concretizar avanços, ainda que limitados, dando expressão política à luta e a importantes reivindicações imediatas dos trabalhadores e do povo português em defesa dos seus direitos e interesses.

Não correspondendo ao indispensável objectivo de ruptura com a política de direita e à concretização de uma política patriótica e de esquerda, pelas quais o PCP se bate, a nova correlação de forças traduziu-se: não na formação de um «governo de esquerda», mas sim na formação e entrada em funções de um governo minoritário do PS com o seu próprio programa; não na existência de uma «maioria de esquerda» parlamentar, mas sim na existência de uma relação de forças em que PSD e CDS-PP estão em minoria, e em que, ao mesmo tempo, os grupos parlamentares do PCP e do PEV [partidos que integram a Coligação Democrática Unitária - CDU] condicionam decisões e são determinantes e indispensáveis à reposição e conquista de direitos e rendimentos; não numa situação em que o PCP seja força de suporte ao governo por via de um qualquer «acordo de incidência parlamentar», mas sim uma situação em que, tendo contribuído para que o governo iniciasse funções, o PCP mantém total liberdade e independência políticas, orientando a sua análise e decisões a todo o momento em função do que serve os interesses dos trabalhadores, do povo e do País.

Uma solução política em que o PCP assume na plenitude a sua independência e identidade, reafirma o seu Programa e projecto e inscreve como objectivos da sua intervenção a concretização da ruptura com a política de direita e uma política patriótica e de esquerda.

A nova fase da vida política em Portugal reflecte o quadro contraditório de possibilidades e limitações que lhe são inerentes. Por um lado, a concretização de um conjunto de avanços, ainda que limitados, resultado da luta dos trabalhadores e do povo e da intervenção do PCP, expressos: na interrupção e inversão do prosseguimento e intensificação da ofensiva do governo PSD/CDS-PP; em progressos alcançados quanto a devolução de direitos, remunerações e rendimentos; no testemunho, mesmo que conjuntural, da existência de um rumo que não aquele que o governo PSD/CDS-PP e a União Europeia apresentaram como único e inevitável. Por outro lado, a confirmação das limitações, a avanços mais decisivos e indispensáveis, resultantes das opções do governo PS de submissão às políticas, imposições e condicionamentos da União Europeia e aos interesses do capital monopolista.

Não obstante, a reposição dos salários cortados e das 35 horas de horário de trabalho na administração pública, a eliminação da sobretaxa do imposto sobre o rendimento, a reposição dos feriados cortados, a reversão dos processo de privatização das empresas públicas de transportes públicos, o aumento do salário mínimo nacional, o aumento do abono de família e do complemento solidário para idosos, a redução das taxas moderadoras, a protecção da morada de família face a penhoras decorrentes de execuções fiscais, a introdução da gratuitidade dos manuais escolares, o apoio extraordinário a trabalhadores desempregados, a redução do IVA da restauração, são exemplos de medidas que correspondem a importantes reivindicações da luta dos trabalhadores e do povo português que importa consolidar e que é necessário prosseguir para que se vá mais longe na defesa, reposição e conquista de direitos, devolvendo a esperança e a confiança de que é possível uma vida melhor.

O PCP não ignora a complexidade e exigências da actual fase da vida política em Portugal e tem consciência plena das suas profundas divergências com o PS, das distintas opções programáticas do PS, do seu percurso e da sua assumida atitude de não romper com os constrangimentos externos, seja em relação às imposições da União Europeia, à submissão ao Euro ou à dívida, ou de não ruptura com os interesses do grande capital – opções associadas aos elementos estruturantes da política de direita e que continuam presentes na sua acção governativa.

O afastamento de PSD e CDS-PP correspondeu não apenas à imperiosa necessidade de interromper a sua obra destruidora mas também às legítimas expectativas da derrota eleitoral daqueles partidos se traduzir na derrota da sua política - política que é necessário evitar que regresse, seja pela mão destes partidos ou do PS.

A possibilidade agora aberta de, apesar de forma limitada, dar resposta a problemas mais urgentes e a necessidade de assegurar a continuidade e consolidação deste caminho, encontram pela frente não só os condicionamentos e constrangimentos que decorrem do processo de integração capitalista europeu, como as pressões e chantagens do grande capital.

Não iludindo o significado político da actual situação em Portugal mostrar que pode haver outro caminho que não o de mais exploração, liquidação de direitos e empobrecimento, esta situação evidencia igualmente o carácter crescentemente inconciliável entre as imposições da União Europeia e do Euro e uma política que dê resposta efectiva às necessidades de desenvolvimento económico e social do País.

A reacção dos centros do capital transnacional aí está a demonstrar que, por mais mitigadas que sejam as afirmações de soberania ou o questionamento dos seus interesses, estes não olham a meios para preservar os seus objectivos, sendo necessário combater qualquer ilusão quanto à possibilidade de consolidar um caminho de afirmação do direito a um desenvolvimento soberano submetido às imposições e regras da União Europeia.

A efectiva resposta aos problemas do País continua a ser contrariada pelo sufoco dos encargos da dívida pública, pelos constrangimentos dos mecanismos e chantagens do Euro e da União Europeia, pela sucessão de escândalos na banca, que consomem milhares de milhões de euros de recursos públicos, ou pelo domínio dos grupos monopolistas sobre a economia nacional.

Sem prejuízo do valor e importante significado da derrota do governo PSD/CDS-PP e dos projectos mais imediatos do grande capital, que a persistente luta dos trabalhadores e do povo e acção do PCP tornou possível, a realidade do País evidencia cada vez mais a necessidade e urgência da ruptura com a política de direita, ruptura com o poder do capital monopolista e com as limitações e constrangimentos decorrentes da integração capitalista da União Europeia e do Euro e seus instrumentos de dominação.

A defesa de todas as medidas positivas entretanto alcançadas e o combate a todas as medidas negativas e aspectos e orientações da política de direita que entretanto prevalecem, inserem-se na luta pela ruptura com a política de direita e pela política alternativa patriótica e de esquerda proposta pelo PCP.

Uma política que, pela sua dimensão patriótica, inscreve a soberania e independência nacionais como objectivo central, afirmando o direito inalienável do povo português de decidir o seu presente e futuro e a prevalência dessa vontade soberana sobre todos e quaisquer constrangimentos e imposições externas.

Uma política de esquerda que assume a ruptura com a política de direita e inscreve como objectivo a valorização dos direitos e rendimentos dos trabalhadores e do povo, a elevação das condições de vida de outras classes e camadas anti-monopolistas, a promoção da justiça e progresso social.

A proposta política imediata do PCP, com carácter anti-monopolista e anti-imperialista, assume oito aspectos prioritários: a libertação do País da submissão ao Euro e das imposições e constrangimentos da União Europeia que, com outras expressões de uma política externa soberana, de paz e cooperação, afirme um Portugal livre e soberano; a renegociação da dívida pública, nos seus prazos, juros e montantes, que garanta um serviço da dívida compatível com as necessidades de investimento público, desenvolvimento e criação de emprego; a valorização do trabalho e dos trabalhadores, assente no pleno emprego, no aumento dos salários, na redução do horário de trabalho, na defesa do trabalho com direitos, no combate ao desemprego e à precariedade e em maiores reformas e pensões; a defesa e promoção da produção nacional e dos sectores produtivos, com o desenvolvimento de uma política em defesa da indústria transformadora e extractiva, da agricultura e das pescas, que coloque os recursos nacionais ao serviço do povo e do País e reduza os défices estruturais; a garantia do controlo público da banca, recuperação para o sector público dos sectores básicos estratégicos da economia, afirmando um Sector Empresarial do Estado forte e dinâmico, apoio às micro, pequenas e médias empresas e ao sector cooperativo; a garantia de uma administração e serviços públicos ao serviço do povo e do País, valorizando o Serviço Nacional de Saúde como serviço geral, universal e gratuito; uma Escola Pública, gratuita e de qualidade; um sistema de Segurança Social Público e Universal; a defesa de uma política de justiça fiscal que alivie a carga fiscal sobre os rendimentos dos trabalhadores e do povoe rompa com o escandaloso favorecimento do grande capital; a defesa do regime democrático e do cumprimento da Constituição da República Portuguesa, aprofundamento dos direitos, liberdades e garantias, combate à corrupção e concretização de uma justiça independente e acessível a todos.

A concretização da política alternativa patriótica e de esquerda exige: o alargamento da organização, unidade e luta da classe operária e dos trabalhadores; a crescente intervenção do conjunto das classes, camadas e sectores anti-monopolistas, de todos os atingidos pela política de direita, dos democratas e patriotas interessados em inverter o rumo na política nacional, numa grande frente social anti-monopolista; o reforço do PCP e da sua influência política-ideológica, social e eleitoral.

O desenvolvimento da luta de massas em torno de objectivos concretos, por reivindicações, laborais, sociais, económicas e políticas é elemento determinante para o aprofundamento da consciência social e política e para o alargamento da frente social de luta pela ruptura com a política e por uma alternativa patriótica e de esquerda.

Uma política patriótica e de esquerda que é baseada nos princípios e valores da Constituição da República Portuguesa e que se enquadra no Programa do PCP «Uma Democracia Avançada – Os Valores de [Revolução de] Abril no Futuro de Portugal», parte constitutiva da construção do socialismo.

-/-

É num momento da vida política nacional e internacional que coloca enormes desafios que o PCP realiza o seu XX Congresso nos próximos dias 2, 3 e 4 de Dezembro.

Consciente da complexidade da situação e das exigências que esta comporta, o PCP coloca como objectivo essencial o seu reforço orgânico, aprofundando o seu enraizamento nos trabalhadores e no povo, a sua ligação à realidade portuguesa, articulando a luta por objectivos imediatos com a luta pelos seus objectivos mais gerais, reafirmando a sua identidade comunista e o seu projecto revolucionário.

Reforço orgânico do Partido que, entre outros importantes aspectos, passa: pelo fortalecimento do trabalho de direcção; pelo aumento do número de camaradas com responsabilidades permanentes; pelo recrutamento e a integração dos novos militantes; pela criação e dinamização de células de empresa e de locais de trabalho; pela estruturação das organizações locais; pelo desenvolvimento do trabalho com as novas gerações, com os reformados e pensionistas e outras camadas e sectores prioritários; pelo incremento da iniciativa política; pela elevação do trabalho de propaganda e da imprensa do Partido; pelo assegurar da sua independência financeira.

Partido que assume e afirma pela sua prática, orientação e concepção as características essenciais da sua identidade comunista: partido da classe operária e de todos os trabalhadores, que defende os interesses das classes e camadas anti-monopolistas, independente da influência, dos interesses, da ideologia e da política das forças do capital e que tem como características e preocupação uma estreita ligação à classe operária, aos trabalhadores e ao povo; partido que tem por objectivos supremos a construção do socialismo e do comunismo, de uma sociedade liberta da exploração e da opressão capitalistas; partido que tem como base teórica o marxismo-leninismo, concepção materialista e dialéctica, instrumento de análise, guia para a acção, ideologia crítica e transformadora; partido que tem princípios de funcionamento decorrentes do desenvolvimento criativo do centralismo democrático, assentes numa profunda democracia interna, numa única orientação geral e numa única direcção central; partido patriótico e internacionalista.

O PCP, partido da resistência anti-fascista, partido da Revolução de Abril e da defesa das suas conquistas, afirma-se como força de acção e transformação, de esperança e confiança, com a sua identidade e projecto, com uma intervenção determinada e decisiva, sempre fiel aos seus deveres internacionalistas, sempre ao serviço dos trabalhadores, do povo, da pátria portuguesa.

No tempo em que vivemos, 100 anos após a Revolução Socialista de Outubro e no seguimento da evolução que teve lugar no século XX, em que o sistema capitalista, com a sua natureza exploradora, opressora, agressiva e predadora, com as consequências destruidoras e trágicas que comporta, é atravessado pelo agravamento da sua crise estrutural, torna-se ainda mais evidente a importância e alcance dos objectivos desse maior acontecimento da história da humanidade e a afirmação do socialismo como exigência da actualidade e do futuro.

Depois de milénios de sociedades em que os sistemas socio-económicos se basearam na exploração do homem pelo homem, a Revolução de Outubro iniciou uma nova época na história da humanidade, a época da passagem do capitalismo ao socialismo.

Ao assinalar este centenário temos presente os ensinamentos dos processos de construção do socialismo na União Soviética e noutros países, dos êxitos e das derrotas, dos recuos e dos avanços, de toda a longa luta que os antecedeu, como importantes experiências que enriquecem e animam a luta que continua pelo socialismo e o comunismo. O século XX não foi o da «morte do comunismo», mas o século em que o comunismo nasceu como forma nova e superior de sociedade.

O desaparecimento da URSS e as derrotas do socialismo no Leste da Europa tiveram um inegável e profundo impacto negativo na correlação de forças mundial, na consciência social e política das massas e no desenvolvimento da luta pelo socialismo. Mas esse facto não altera o conteúdo fundamental da nossa época, nem põe em causa o sentido do desenvolvimento histórico. O capitalismo não alterou a sua natureza, a sua superação revolucionária coloca-se como uma exigência.

A classe operária, os trabalhadores e os povos, com a sua unidade, organização e luta, têm nas suas mãos o êxito da resistência à actual ofensiva do grande capital, do imperialismo, e a conquista da sua emancipação social e nacional.

O PCP aponta como objectivo ao povo português a construção da sociedade socialista, partindo da realidade e da experiência da revolução portuguesa, assimilando criticamente a experiência revolucionária mundial. Ao propor o seu Programa «Uma democracia avançada – Os valores de Abril no futuro de Portugal», o PCP considera que a realização deste processo de profunda transformação e desenvolvimento da sociedade portuguesa é, já em si, parte integrante da construção do socialismo em Portugal. A luta que o PCP trava pela defesa, reposição e conquista de direitos, pela ruptura com a política de direita e pela concretização de uma política patriótica e de esquerda fazem parte da luta pela democracia avançada, assim como esta é parte integrante da luta pelo socialismo.

O socialismo, por diferenciados caminhos e etapas, afirma-se como objectivo da luta dos povos, enquanto perspectiva e condição de futuro inseparável da plena libertação e realização humanas.

É com confiança que o PCP considera que, num prazo histórico mais ou menos prolongado, através da luta da emancipação social e nacional dos trabalhadores e dos povos, é a substituição do capitalismo pelo socialismo que, no século XXI, continua inscrita como uma possibilidade real e como a mais sólida perspectiva de evolução da humanidade.

É nesse processo de luta e de construção que os comunistas portugueses se entregam com inabalável determinação.

Events

September 18, 2020 - September 19, 2020 - Barcelona 2nd Congress of Communists of Catalonia
November 27, 2020 - November 29, 2020 - Portugal XXI Congress of the Portuguese Communist Party
September 3, 2021 - September 5, 2021 - Portugal 45th edition of the «Avante!» Festival